Cientistas Paulistas Se Unem a Consórcio Internacional Para Lançamento de Pequenos Satélites

Olá leitor!

Segue abaixo um interessante artigo publicado dia (04/06) no site da Agência FAPESP, destacando que um grupo formado por cientistas paulistas se unem a consórcio internacional para lançamento de pequenos satélites.

Duda Falcão

Notícias

Cientistas Paulistas Se Unem a Consórcio Internacional Para Lançamento de Pequenos Satélites

Por Maria Fernanda Ziegler
Agência FAPESP
04 de junho de 2019

(imagem: RLS)
Projeto é uma das iniciativas do Regional Leadership Summit, que congrega também pesquisadores da Alemanha, África do Sul, Áustria, China, Canadá e EUA; grupo esteve reunido em São José dos Campos no fim de maio.

Pesquisadores do Estado de São Paulo vão integrar um consórcio internacional que visa o lançamento de pequenos satélites de observação da Terra. A expectativa é que o conjunto de equipamentos – menores do que caixas de sapato – forme uma rede de sensores em órbita capaz de fornecer imagens 3D de alta qualidade sobre o relevo terrestre, a formação de nuvens e seu conteúdo.

Graças à tecnologia espacial, grandes satélites multifuncionais giram ao redor da Terra, possibilitando o funcionamento da internet, do GPS e a observação terrestre. No entanto, satélites menores e capazes de trabalhar em conjunto vêm ganhando força recentemente. Eles permitem a troca de informações com o solo de maneira mais eficiente e a obtenção de imagens com boa qualidade.

“A maior vantagem dos mini e nanossatélites é que, por estarem em altitudes mais baixas [a 300 quilômetros da superfície terrestre], eles têm menor latência. Dessa forma, é possível que o fluxo de dados seja feito em tempo real, ao contrário dos satélites geoestacionários. Outra vantagem considerável é que o custo do lançamento de um satélite costuma ser calculado pela sua massa”, disse Klaus Schilling, professor do Zentrum Für Telematik (Alemanha) e líder do projeto, durante a reunião anual do Regional Leadership Summit (RLS), realizada nos dias 27 e 31 de maio no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em São José dos Campos (SP).

O RLS é um fórum composto por cientistas de sete regiões: Bavária (Alemanha), Geórgia (Estados Unidos), Quebec (Canadá), Shandong (China), Upper Áustria (Áustria), Western Cape (África do Sul) e São Paulo. O objetivo é impulsionar a colaboração bi e multilateral para o desenvolvimento de novas tecnologias.

Um dos acordos firmados no encontro realizado em São José dos Campos – no âmbito do projeto Telematics International Mission (TIM) – prevê lançar satélites com cerca de 3 quilos à órbita terrestre em 2021, provavelmente de uma base chinesa.

Durante o evento, apoiado pela FAPESP, pesquisadores puderam trocar experiências e planejar ações futuras.

“A reunião dá aos cientistas do RLS uma oportunidade-chave para trocar experiências e impressões sobre seus trabalhos. Permite ainda definir o que será discutido na 10ª Cúpula de Líderes Regionais, que será realizada em Linz, na Áustria, no próximo ano”, disse Euclides de Mesquita Neto, membro da coordenação adjunta para Programas Especiais e Colaborações em Pesquisa da FAPESP.

Inovação Colaborativa

De acordo com Geilson Loureiro, chefe do Laboratório de Integração e Testes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (LIT-Inpe), a reunião permitiu reunir empresas, institutos e universidades do Estado de São Paulo para impulsionar o andamento da parte paulista do projeto de pequenos satélites.

“Temos a tecnologia e a intenção de participar da empreitada, que deve reunir, além de pesquisadores da Bavária, cientistas das províncias de Shandong, Quebec e Western Cape. Reunimos integrantes das empresas paulistas VisionaOrbital e Cron e pesquisadores do Inpe, do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e da Universidade Federal do ABC para discutir nossa participação e formular uma proposta de financiamento do projeto”, disse Loureiro à Agência FAPESP.

A expectativa é ter até nove pequenos satélites trabalhando em conjunto no projeto TIM, que vai permitir abordagens inovadoras em áreas como observação da Terra, exploração científica e telecomunicações. Embora já existam vários pequenos satélites orbitando a Terra, explicou Loureiro, pesquisas de ponta na área atualmente se valem de equipamentos sendo controlados a partir do solo. O projeto prevê que os satélites trabalhem em formação, trocando informações de órbita e de atitude (orientação de um corpo em relação a um referencial inercial) entre si.

Por enquanto, espera-se que a Bavária, líder do projeto, contribua com três satélites. A província do Quebec deve participar do programa com um satélite, e Western Cape, com uma câmera. Já a província chinesa de Shandong está comprometida com o local de lançamento e um ou mais satélites. São Paulo deve participar com um ou mais satélites e realizar no LIT-Inpe a montagem, integração e testes dos satélites da formação.

“É algo completamente novo. Estamos agora tentando coordenar a comunicação entre os satélites para ter uma cooperação real em órbita. Quanto mais satélites temos em órbita, melhor. E com tantas regiões cooperando, é mais fácil atingir essa meta. Fala-se muito em internet das coisas e espera-se que 25 bilhões de objetos estejam conectados até 2020. Porém, para prover isso é preciso que mini e nanossatélites tornem possível a internet do espaço”, disse Schilling.

Loureiro destaca o potencial inovador do projeto colaborativo. “Ainda não existem no mundo satélites trabalhando dessa forma, com um controle mútuo, que se comunicam para controlar de forma coordenada a órbita e atitude. A manutenção da atitude e posição relativa dos satélites também é algo muito importante e inovador. Há ainda a propulsão iônica dos pequenos satélites. Isso é importante para viabilizar o reposicionamento do equipamento”, disse.

Quatro Áreas de Pesquisa

A reunião do RLS ocorre anualmente com a participação de cientistas e empresas. A cada dois anos, participam também chefes dos Estados participantes. Um dos objetivos do fórum é fomentar intercâmbios acadêmicos, científicos e tecnológicos, bem como projetos multilaterais em quatro áreas de pesquisa: RLS-Energy Network, o RLS-Expert Dialogue on Digitization, o RLS-Global Campus Aeroespacial e o RLS-Small Satellites.

“São sete regiões do mundo colaborando em quatro grandes áreas que se intercambiam – energia, digitalização, aeroespacial e pequenos satélites – e trabalhando em três níveis: científico, empresarial e político”, disse Fiona Rumohr, gerente de projetos do Bavarian Research Alliance GmbH, que atua na colaboração entre Bavária e Quebec e no escritório do RLS Sciences.

Além de facilitar o desenvolvimento de pesquisas em colaboração internacional e criar uma estrutura para o desenvolvimento inovativo entre pesquisadores das sete regiões, o RLS busca auxiliar os cientistas participantes a identificar oportunidades de financiamento.

“São regiões muito heterogêneas que têm complementaridades e objetivos interessantes. Há alguns anos fizemos um planejamento para a área de energia, mostrando no que cada região é mais forte em termos de energia, em que lugar há mais desenvolvimento e em qual tecnologia”, disse Gilberto Jannuzzi, presidente da RLS.

De acordo com Jannuzzi, na parte de energia foram debatidas questões e projetos sobre cidades inteligentes. “Trouxemos para a discussão o projeto que está sendo realizado na Unicamp [Universidade Estadual de Campinas], o campus sustentável. O trabalho foi bem aceito nas discussões. Existem projetos parecidos em Quebec, por exemplo. A ideia é aprender a gerir uma cidade inteligente, gerenciar a rede elétrica do campus como uma pequena cidade e integrar transporte [incluindo ônibus elétricos]”, disse Jannuzzi.

Ainda no campo da energia, há uma colaboração entre pesquisadores alemães e brasileiros para estudar o impacto das fontes renováveis de energia no meio ambiente e a interferência da natureza no processo, bem como um estudo multilateral sobre armazenamento de energia.

“Podemos contribuir com a visão de várias disciplinas. Temos engenheiros, economistas, cientistas sociais que formam um grupo capaz de gerar subsídios científicos para decisores políticos. Estamos pensando nas necessidades de cada região para a transição energética”, disse Sebastian Goers, pesquisador do Departamento de Economia Energética da Universidade de Linz, na Áustria. O economista participa de um grupo de pesquisa sobre armazenamento energético.

No campo aeroespacial, as regiões estão se organizando para fazer um campus virtual de aeronáutica. “Além das colaborações bilaterais, com parcerias em pesquisas, estamos desenvolvendo um projeto chamado Mini Campus Aerospace. É uma universidade totalmente virtual na área de ensino e pesquisa em nível de graduação e pós-graduação”, disse Mesquita Neto.

Outro interesse do consórcio é o desenvolvimento econômico gerado a partir da pesquisa. "É um fórum com diferentes regiões que têm interesses comuns e complementaridades em termos de pesquisa. Quanto mais houver colaborações que aumentem a inovação, melhor. Colocando diferentes equipes de pesquisadores trabalhando juntas é possível acelerar a inovação", disse Patrick Hyndman, diretor da área de parcerias do Ministério da Economia e Inovação de Quebec.

Quebec sediou a reunião do ano passado, que, além do corpo técnico, contou com a participação dos chefes de Estado das regiões. "No próximo ano, o tópico do encontro será smart regions (regiões inteligentes). Temos muito a oferecer nesse campo, pois Quebec tem evoluído muito em inteligência artificial. Queremos integrar as tecnologias de smart regions também para os campos de manufatura e supply chain [gestão da cadeia de suprimentos]. No campo de digitalização, temos interesse na área relativa ao e-government, ou seja, em como implementar mais informação e digitalização no governo como forma de ser mais transparente e eficiente", disse Hyndman.

(Imagem: RLS)
Tamanho do satélite em comparação a um copo. 


Fonte: Site da Agência FAPESP - http://agencia.fapesp.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes