CCJ Aprova Projeto Que Estipula Royalties Por Lançamentos de Foguetes

Olá leitor!

Segue uma notícia postada ontem (26/06) no site do “Senado Federal” destacando que a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou projeto que estipula royalties por lançamentos de foguetes.

Duda Falcão

Home - Matérias – Comissões

CCJ Aprova Projeto Que Estipula Royalties Por Lançamentos de Foguetes

Por Da Redação
Agencia Senado
26/06/2019 - 16h59

Marcos Oliveira/Agência Senado
A senadora Kátia Abreu recomendou a aprovação do projeto do senador Weverton que destina 15% do lucro com a exploração das bases de lançamento de foguetes para estados e municípios onde se localizam.

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou parecer favorável ao Projeto de Lei (PL) 1.951/2019, que institui compensação financeira para estados, Distrito Federal e municípios em função da exploração comercial de áreas de lançamentos de foguetes e veículos espaciais em seus territórios. A votação foi realizada no início da tarde desta quarta-feira (26).

A proposta é de autoria do senador Weverton (PDT-MA) e pretende, na prática, direcionar recursos da exploração comercial da Base de Alcântara, no Maranhão, para os entes federativos e instituições educacionais, implementando os “royalties do foguete”.

Essa compensação financeira deverá ser paga pelas empresas do setor para suprir eventual impacto social gerado pelo funcionamento dessas bases aeroespaciais sobre a população local. A estratégia deverá ser similar à do pagamento de royalties pela exploração de recursos naturais, como petróleo e gás.

Os “royalties do foguete” corresponderão a 15% do lucro decorrente da exploração comercial das áreas de lançamento. O PL 1.951/2019 determina à União a partilha desses recursos nos seguintes percentuais: 40% aos estados, 40% aos municípios, 10% às universidades estaduais e 10% às fundações estaduais de amparo à pesquisa.

Emendas

A relatora na CCJ, senadora Kátia Abreu (PDT-TO), recomendou a aprovação da proposta com duas emendas. Em uma delas, tratou justamente de reformular a distribuição dessa compensação entre estados e municípios.

“Parece-nos que os 10% dos recursos compensatórios que cabem às universidades estaduais e às fundações de amparo à pesquisa dos estados devem ser repassados pelos próprios estados e não pela União, uma vez que são instituições estaduais, ainda que personalizadas”, argumentou Kátia no parecer. Com essa nova formulação, os estados passarão a concentrar 60% da partilha dos “royalties do foguete” e, depois, repassarão recursos às suas instituições de ensino superior e pesquisa.

Kátia também modificou a data de pagamento dessas compensações financeiras. Assim, a União terá de fazer o repasse para contas específicas dos estados, DF e municípios até o último dia do mês subsequente ao que receber o valor referente aos royalties.

Os ajustes promovidos pela relatora também alcançaram a punição pelo descumprimento desse repasse pela União. Desse modo, o não cumprimento do prazo para entrega dos recursos aos demais entes da Federação implicará multa de 2% sobre o montante devido, acrescido de juros e multa de 10% sobre o valor recebido pela União.

Para Weverton, a instituição dos royalties se torna necessária devido à importância da Base de Alcântara no setor aeroespacial.

— Calcula-se que o Brasil poderá, a partir de 2040, arrematar negócios na faixa de US$ 10 bilhões ao ano. Nesse sentido, faz-se necessário estabelecer, assim como na mineração ou no petróleo, o pagamento de royalties — argumentou o autor do PL 1.951/2019.

Depois de passar pela CCJ, o projeto terá votação final na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).


Fonte: Site do Senado Federal – http://www12.senado.gov.br

Comentário: Tá tudo muito bem, tá tudo muito bom, mas será que foi feito um estudo sério por gente capacitada e preparada para avaliar se a cobrança de 15% de royalties do lucro não está acima do que se paga internacionalmente, coisa  que neste caso tornaria o uso da base mais cara e desinteressante para essas empresas? Não sei leitor, mas se levando em conta a índole da maioria de nossos parlamentares, o despreparo, a luta esquerdopata para atrapalhar o governo, lobys de grupos interessados e ver o barco afundar, a Burrice de muitos desses energúmenos, eu diria e apostaria que muito provável NÃO. Enfim... Ministro Paulo Guedes, socorro! Por vias das dúvidas, é bom dá uma olhada nessa história para se ter certeza que esses energúmenos não estão jogando mais merda nessa latrina que se tornou esta Republica das Bananas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial