Ministro e Parlamentares Conhecem Centro Espacial na Guiana Francesa

Olá leitor!

Segue abaixo a nota oficial postada ontem (17/06) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), tendo como destaque a visita recente da comitiva brasileira liderada pelo nosso Ministro-Astronauta Marcos Pontes ao Centro Espacial da Guiana Francesa.

Duda Falcão

TECNOLOGIA

Ministro e Parlamentares Conhecem Centro Espacial na Guiana Francesa

Base é uma das referências para o uso comercial do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão

Por ASCOM
Publicado 17/06/2019 - 15h16
Última modificação 17/06/2019 - 15h38

Ministro e parlamentares conhecem base de lançamentos na Guiana Francesa.

“Com as lições aprendidas aqui, a gente busca a melhor solução para o Centro de Lançamento de Alcântara”, afirmou o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, durante visita ao Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa, realizada no início de junho. O ministro viajou acompanhado por uma comitiva de deputados e senadores brasileiros para conhecer de perto o funcionamento do centro.

“Essa é uma missão com parlamentares porque temos agora no Congresso Nacional o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas, assinado entre Brasil e Estados Unidos”, destacou o ministro. O acordo vai viabilizar comercialmente o Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, e deve gerar cerca de US$ 3,5 bilhões por ano ao país.

“Nós trouxemos os parlamentares para cá para que eles conheçam o que acontece aqui na Guiana Francesa, a influência positiva e os erros também do Centro Espacial de Kourou, que tem uma atividade semelhante ao que pretendemos fazer no centro de Alcântara”, ressaltou Marcos Pontes.

Desenvolvimento

De acordo o com o ministro, a estrutura instalada no Centro de Kourou é importante para a economia local e para toda a Guiana. “O mercado está mudando para satélites e foguetes menores. O centro de Alcântara já vai sendo projetado para encontrar com esse futuro lá na frente”, explicou Marcos Pontes. A expectativa é que o uso comercial da base no Maranhão alavanque a economia, gerando novos empregos e desenvolvendo a infraestrutura local.

Do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa, decolam foguetes com satélites de diversos países. Os equipamentos são fundamentais para o monitoramento de biomas, estudos do crescimento urbano, gerenciamento hídrico e de desastres naturais. A base transformou a economia da região, gerando mais de 9 mil empregos diretos e indiretos.

A Centro de Lançamento de Alcântara é fundamental para o desenvolvimento do programa espacial brasileiro e a inserção do país no mercado global. O Acordo de Salvaguardas Tecnológicas prevê que os Estados Unidos autorizam o Brasil a realizar lançamentos de foguetes e satélites de qualquer nacionalidade contendo componentes americanos. Em troca o Brasil garante que a tecnologia não será copiada. Aproximadamente 80% dos equipamentos espaciais do mundo possuem algum componente americano. 


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC)

Comentário: Bom leitor, já me posicionei sobre isso e parabenizo a iniciativa do nosso Ministro-Astronauta Marcos Pontes, apesar de achar que os 'vermelhos' que acompanharam a comitiva foram apenas passear na Guiana Francesa as custas do erário publico. Porém leitor, também reconheço nessa ação do ministro um mal necessário de cunho politico, para que assim fique registrado a tentativa do governo de mostrar a esse incompetentes e corruptos de merda como se faz realmente um programa espacial de verdade, mesmo que no futuro eles tentem negar, como aliás é de praxe por parte desses vagabundos hipócritas. Afinal leitor, o Ministro Pontes tem de conviver com a realidade de um país onde a estupidez e a ignorância de alguns, infelizmente ainda continua gerando poder a esta escoria de merda. Parabéns ministro!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial