Raupp Diz Que Faltam Verbas Para os Grandes Projetos

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (24/07) na no site do jornal “Folha de São Paulo” destacando que segundo o Ministro Marco Antônio Raupp faltam verbas para os grandes projetos.

Duda Falcão

CIÊNCIA

Ministro da Ciência Diz Que Faltam
Verbas Para Grandes Projetos

SABINE RIGHETTI
ENVIADA ESPECIAL AO RECIFE
Colaboraram GIULIANA MIRANDA,
RAFAEL GARCIA e ALEXANDRE
DALL'ARA, de São Paulo 
24/07/2013 – 03h01

A novela sobre a participação brasileira nos maiores centros de pesquisa em astronomia e física do mundo --o ESO (Observatório Europeu do Sul) e o CERN (Centro Europeu para Pesquisa Nuclear)-- ainda está longe de um final feliz.

Segundo o ministro Marco Antonio Raupp (Ciência), o governo quer tocar as iniciativas, mas faltam recursos.

"Não posso tirar dinheiro dos outros projetos para colocar no ESO e no CERN", disse à Folha durante a reunião anual da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), em Recife.

A entrada do Brasil no ESO está em tramitação no Congresso há mais de um ano.

"Quando se aprova um acordo de cooperação internacional, é preciso dar uma sustentação orçamentária. Senão é colocar uma batata quente no nosso colo", diz.

Para usar as instalações do ESO --incluindo o maior e mais avançado telescópio terrestre do mundo, em construção em solo chileno,-- o Brasil teria de desembolsar, segundo o ministro, cerca de R$ 1 bilhão ao longo de dez anos.

Hoje, o orçamento anual da pasta é de R$ 3,8 bilhões, sendo que R$ 1,4 bilhão é para bolsas de pesquisa.

Se o projeto de entrada do Brasil no ESO for aprovado no Congresso, um recurso extraorçamentário deve ser repassado ao ministério.

Conforme a Folha apurou, no entanto, a tendência do governo é enxugar o que for extraorçamentário.

Anteontem, a presidente Dilma Rousseff anunciou um corte de R$ 10 bilhões e há a previsão de outros.

"As atividades no ESO contribuem para o desenvolvimento científico em todas as áreas", diz Adriana Válio, presidente da SAB (Sociedade Astronômica Brasileira).

Ela pretende ir ao Congresso com um grupo de cientistas para falar com deputados sobre a importância do projeto para a ciência nacional.

O acordo, no entanto, não é unanimidade entre a comunidade científica brasileira.

"O Brasil vai subsidiar a ciência europeia com o dinheiro do contribuinte. O ministério que assina esse tipo de acordo é irresponsável", diz João Steiner, professor do IAG (departamento de astronomia) da USP.

Editoria de Arte/Folhapress

IMBRÓGLIO

O atraso na liberação das verbas para o ESO, três anos após a assinatura do contrato de adesão, tem prejudicado também a participação do país no maior acelerador de partículas do mundo.

O conselho superior do CERN, na Suíça, ainda não ratificou o pedido de associação do Brasil. O laboratório só costuma aprovar países nos quais o poder executivo tenha dado sinal claro de que há interesse (e dinheiro).

Desde o início das negociações, a ideia é que fosse aprovada verba extra, sem onerar o orçamento do MCTI. Sergio Novaes, da UNESP, um dos físicos articuladores da parceria Brasil-CERN, lamenta que haja risco de retrocesso.

"Hoje que se fala tanto em internacionalização e no Ciência Sem Fronteiras, o Brasil se tornar membro do CERN seria algo na direção que a presidente quer dar para a ciência e a tecnologia", diz.

A associação permitiria ao país participar de licitações para construir peças de aceleradores de partículas, ampliar o intercâmbio de cientistas que já vem sendo feito e concorrer a alguns cargos de gestão no laboratório.


Fonte: Site do Jornal Folha de São Paulo - 24/07/2013

Comentário: Pois é leitor e segue a novela, já no PEB, os recursos descem pelo ralo entregues a ACS.

Comentários

  1. É como eu digo. Projetos científicos entregues ao "poder público" nesse Brasil que conhecemos, nunca, jamais, em tempo algum, vão prosperar.

    Quando leio que a definiçao para o Brasil participar de um projeto científico que demandará investimento de 1 bilhão ao longo de dez anos está no congresso a mais de uma ano, fico feliz em saber que para "REFORMAR" os estádios de futebol de Brasília e do Rio, gastando só nesses dois cerca de 3 BILHÕES !!! A verba surge como que num passe de mágica.

    Cadê o meu kit palhaço?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes