Novo Estudo Coloca em Xeque Descoberta de Planetas

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (11/07) no site do jornal “Folha de São Paulo” destacando que um novo estudo de um pesquisador brasileiro e de um pesquisador americano que trabalham na NASA, coloca em xeque a descoberta de planetas.

Duda Falcão

CIÊNCIA

Novo Estudo Coloca em Xeque
Descoberta de Planetas

SALVADOR NOGUEIRA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
11/07/2013 - 03h03

Nem tudo que reluz é planeta. Um novo estudo acaba de colocar em xeque a descoberta de mundos ao redor de outras estrelas recém-nascidas. Tudo pode não passar de uma ilusão.

Antes que alguém se apavore e jogue no lixo sua coleção de planetas favoritos, é preciso enfatizar que isso afeta apenas uma ínfima parcela dos mundos extrassolares anunciados pelos cientistas.

A imensa maioria deles (cerca de 900), detectada por outros métodos, segue firme e forte. Os que foram afetados são aqueles inferidos pelo padrão de dispersão de gás e poeira num disco ao redor de estrelas jovens.

Sabe-se que planetas se formam em discos como esses, pela aglutinação crescente de grãos de poeira, até que se formem objetos suficientemente massivos para crescer por gravidade.

Em alguns dos discos já observados, os cientistas detectavam vãos --que até o momento eram explicados pela suposta presença de um planeta nas imediações.

Contudo, uma série de simulações feitas pelo brasileiro Wladimir Lyra (ganhador da bolsa Carl Sagan, da NASA) e pelo americano Marc Kuchner mostra que as trilhas vazias podem surgir naturalmente, sem planeta nenhum.

Ambos trabalham em centros da NASA (Lyra é do Laboratório de Propulsão a Jato, e Kuchner é do Centro Goddard de Voo Espacial) e seu estudo acaba de ser publicado na revista científica britânica "Nature".

GÁS E POEIRA

A dupla mostrou que, ao realizar simulações mais complexas, incluindo não só a poeira do sistema, mas também as pequenas quantidades de gás presentes, as trilhas vazias aparecem naturalmente.

"Encontramos uma instabilidade de aglutinação que organiza a poeira em anéis estreitos e excêntricos", escreveram os dois em seu artigo.

É um achado importante, porque, embora os planetas inferidos a partir dos discos sejam poucos, eles eram tidos como a melhor pista da observação de formação planetária "ao vivo", ajudando assim a esclarecer como se dá esse processo.

"Costuma-se usar a detecção desses anéis para sugerir a presença de planetas, e inferir sua massa e órbita", disse Lyra à Folha. "Eu me ponho do lado cético e acreditarei no planeta apenas quando me mostrarem o dito cujo."

AINDA PODE SER

O trabalho coloca em xeque, por exemplo, a sugestão de que há dois mundos de massa terrestre ao redor da estrela Formalhaut, a mais brilhante da constelação de Peixes.

A dupla, entretanto, é cautelosa em jogar no lixo a ideia dos planetas. "Nosso modelo, apesar de ter a vantagem de não precisar de planetas, precisa de gás. No caso de Formalhaut, não há gás detectado", conta Lyra. "Mas isso pode ser porque gás é difícil de medir."

O pesquisador ressalta que outros discos ao redor de estrelas como HD 61005 se encaixam melhor com o modelo novo, que dispensa planetas.


Fonte: Site do Jornal Folha de São Paulo - 11/07/2013

Comentários

  1. Há 10 mil anos atrás grupo de ET´s na constelação de Aquário, apontam seus instrumentos para o Sol e descobrem um planeta de uns 6000Km de raio, rochoso, na zona habitável e ficam eufóricos com a descoberta de um exoplaneta que pode abrigar a vida o primeiro na história cientifica daquela civilização. Os astrônomos ET´s até ganharam um premio Nobel pela descoberta deste planeta possivelmente habitado.

    Há 50 anos atrás eles construíram uma espaçonave que permite chegar ao sistema solar e visitaram o planeta que a 10 mil anos atrás foi o pioneiro na pesquisa de vida em outros sistemas solares.

    Ao chegar ao planeta descobrem que ele apesar de 6000 km de raio, que apesar de ser rochoso, apesar da gravidade em um valor razoável e estar na zona habitável, ele jamais poderia abrigar vida, a 400 graus de temperatura na superfície e lá chove acido sulfúrico.

    Os ET´s chegaram a Venus!

    A beleza deste estudo é que ele começa a dar um contraponto a empolgação com os exoplanetas e isto em termos científicos é ótimo, porque melhora nossa certeza e nossas incertezas sobre o tema.

    É assim de pequenos passos que a maravilhosa ciência caminha e caminhará por séculos e séculos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes