Astrônomo do MAST Representa Brasil em Olimpíada

Olá leitor!

Segue uma nota postada hoje (26/07) no seu site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) destacando que astrônomo do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) foi escolhido para representar o Brasil em Olimpíada.

Duda Falcão

Astrônomo do MAST Representa
Brasil em Olimpíada

Ascom do MAST
26/07/2013 - 10:15

O astrônomo Eugênio Reis Neto, do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST/MCTI), foi escolhido para ser o segundo líder do time do Brasil na 7ª Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica (IOAA, na sigla em inglês). O primeiro líder é o professor Gustavo de Araújo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

A escolha foi feita em reunião da Comissão Organizadora da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (COBA), ligada à Sociedade Astronômica Brasileira (SAB).

A 7ª IOAA acontece entre este sábado (27) e o dia 5 de agosto, na cidade de Volos, na Grécia. Reconhecida oficialmente, em 2009, pela International Astronomical Union (IAU), a IOAA passou a contar com apoio direto da Comissão 46 (Ensino de Astronomia). Em 2012, o Brasil foi o país sede. Com apoio do MAST, foi a primeira olimpíada científica estudantil internacional em solo latino-americano.

Presente em todas as edições do evento, o Brasil, neste ano, tem a equipe composta pelos estudantes Larissa Fernandes de Aquino (Olinda/PE), Allan dos Santos Costa (Bauru/SP), Daniel Mitsutani (Umuarama/SP), Fábio Kenji Arai (São Paulo/SP) e Luis Fernando Machado Poletti Valle (Guarulhos/SP).

Estímulo

“Ao selecionar estudantes para participar de competições internacionais de conhecimento, o Brasil os estimula para o estudo das ciências, além de ajudar a despertar jovens talentos para a pesquisa científica”, analisa Eugênio Reis. Eles são selecionados a partir da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), que existe desde 1998.

Os líderes, além de acompanhar os estudantes, são responsáveis pela tradução das provas para a língua do seu país, quando necessário. Além disso, passam a fazer parte do International Board, que tem como responsabilidade, dentre outras, supervisionar a competição para que ela seja conduzida dentro dos regulamentos, revisar as correções das provas de seu país e estabelecer os ganhadores das medalhas de ouro, prata e bronze, além das menções honrosas.

Para Reis, os participantes da IOAA, estudantes de excelência do mundo inteiro, terão oportunidade de demonstrar suas capacidades e se superar, interagindo e transmitindo um pouco de sua cultura e experiência. “São os futuros engenheiros, físicos, matemáticos que guiarão nosso futuro tecnológico e espacial, e de ciências em geral, motivando outros jovens a seguirem o mesmo caminho”, afirma.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial