Exposições do MAST Tratam do Tempo e de Astronomia

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (17/07) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) destacando que exposições inauguradas no Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), no Rio de janeiro, tratam sobre o Tempo e técnica usada na Astronomia.

Duda Falcão

Exposições no MAST Tratam Sobre o
Tempo e Técnica Usada na Astronomia

Ascom do MAST
17/07/2013 - 09:14

Nesta quarta-feira (17), o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST/MCTI), no Rio de Janeiro, inaugura exposição sobre o tempo e reabre outra, sobre espectroscopia, técnica que permitiu avanços importantes no conhecimento astronômico. A entrada é gratuita em ambas.

A mostra Faz Tempo aborda questões como a idade do Universo, o que é o tempo e como ele é medido, respondendo-as de uma forma criativa, interessante e interativa. O conceito de temporalidade e questões relativas às escalas temporais astronômica e geológica são tratados de forma interdisciplinar, com o apoio de vídeos, aparatos interativos e instrumentos científicos, selecionados do acervo do museu.

Na abertura do evento, o professor Henrique Lins de Barros, diretor da Escola Nacional de Botânica Tropical do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, apresenta palestra sobre a percepção do tempo, o conceito de tempo profundo e o tempo como quarta dimensão. Confira o convite.

“Pode-se pensar no tempo de várias formas. Ele está presente não só na ciência, mas também nas músicas, nas poesias, na literatura. A medida de tempo, seu conceito nas ciências naturais, a noção, a percepção de passagem do tempo: tudo isso foi mudando ao longo da nossa história”, analisa uma das curadoras da exposição, Flávia Requeijo.

A mostra, coordenada pela pesquisadora Maria Esther Alvarez Valente, é patrocinada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) e pela Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro.

Espectroscopia

Inaugurado em 1998, o Espaço Espectroscopia foi totalmente repaginado, no Pavilhão da Luneta Equatorial de 32 centímetros.

Entre as questões pelos quais a exposição passa estão: Como saber de que matéria os astros são feitos? Qual a sua temperatura? Qual a sua massa? Com que velocidade se deslocam? A montagem mostra um pouco da técnica que revolucionou a astronomia, bem como instrumentos do acervo do MAST que testemunharam o empenho do homem na busca da compreensão do Universo.

A espectroscopia é uma técnica que se desenvolveu a partir do fenômeno, explicado por Newton, da decomposição da luz branca num espectro de cores, as cores do arco-íris. Decifrou a composição química e a idade das estrelas, mostrando, fundamentalmente, que o Universo não contém nenhum outro elemento químico além dos conhecidos na Terra.

Na exposição estão expostos, entre outros objetos da coleção do MAST, vários espectroscópios, que são instrumentos capazes de separar a luz em seus componentes monocromáticos.

Três desses espectroscópios têm fontes de luz artificial que emitem feixes de luz projetados numa folha de papel. A partir das diferentes cores, é possível determinar os comprimentos de onda de cada fonte luminosa. Para o responsável pelo projeto expográfico, Antonio Carlos Martins, esse é um diferencial da exposição: possibilitar, ao público, conhecer esses instrumentos científicos “participando de uma experiência”.

Os horários para visita são: terça, quinta e sexta, 9h às 17h; quarta, 9h às 20h; sábado, 14h às 20h; domingo e feriado, 14h às 18h.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial