Retorno à Lua: NASA Pagará US$ 1,79 bi Por Mais Motores do Novo Foguete SLS

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia (05/05) no site “Canaltech” destacando que a NASA pagará US$ 1,79 bi por mais Motores do Novo Foguete SLS

Duda Falcão

HOME - CIÊNCIA – ESPAÇO 

Retorno à Lua: NASA Pagará US$ 1,79 bi Por Mais Motores do Novo Foguete SLS 

Por Daniele Cavalcante
Canaltech
Fonte: NASA, ArsTechnica
05 de Maio de 2020 às 15h40

A NASA assinou um contrato bilionário para a fabricação de mais motores para o foguete Space Launch System (SLS), que já havia extrapolado - e muito - o orçamento original. A empresa contratada foi a Aerojet Rocketdyne, da Califórnia, que fabricará 18 motores adicionais para o veículo que levará novos astronautas à Lua a partir de 2024.

Este novo contrato está avaliado em US$ 1,79 bilhão, incluindo a mão-de-obra para construir e testar os motores. Isso significa que cada um dos motores adicionais custará US$ 100 milhões. Agora, o valor total do contrato, que prevê 24 motores ao todo, é de quase US$ 3,5 bilhões, com um período de validade até 30 de setembro de 2029.

O nome da Aerojet Rocketdyne já é bastante familiar à NASA. É que esta mesma empresa foi quem fabricou o motor principal do ônibus espacial, chamado RS-25. Aliás, os mecanismos daqueles motores que restaram após o cancelamento do programa de ônibus espaciais serão utilizados nos novos motores do SLS - que, ao contrário dos ônibus, será um veículo descartável.

E é aqui onde mora o principal problema desde orçamento. Por ser um foguete não reutilizável, o SLS está custando muito caro - e a NASA já avisou que o lançamento de um único SLS deverá custar US$ 2 bilhões. Isso porque a Aerojet já está implementando “um plano para reduzir o custo dos motores em até 30%”, com técnicas de fabricação mais avançadas. Sim, também devemos lembrar que o motor RS-25 é brilhante — mas cada um deles será lançado uma única vez, e depois cairá no oceano. 



(Foto: NASA/Jude Guidry)
Motores RS-25 destinados ao SLS.

Embora o SLS seja incrível e capaz de levar astronautas à Lua, a NASA está gastando pelo menos três vezes mais em sua fabricação do que foi gasto anteriormente em um veículo reutilizável. Só para comparação, com US$ 146 milhões (o valor real de um único RS-25 considerando o contrato de 24 motores), é possível comprar pelo menos seis motores RD-180 da Rússia, por exemplo, com mais do que o dobro do impulso de um RS-25.

Outro exemplo: a SpaceX está construindo o motor Raptor para o foguete Starship. Ele possui um pouco mais de potência quando está no nível do mar em comparação ao RS-25 e foi projetado para dezenas de usos. De acordo com Elon Musk, CEO da SpaceX, a construção de um Raptor custa menos de US$ 1 milhão.

Em março, o escritório do Inspetor-Geral da NASA fez algumas sugestões sobre como controlar melhor os gastos e manter a agência e as empresas parceiras em dia com os prazos e orçamentos. De qualquer forma, o SLS continua sendo desenvolvido, e a NASA parece satisfeita em ter sua própria tecnologia para um veículo de lançamento, que promete ser o mais poderoso já construído.


Fonte: Site Canaltech -  https://canaltech.com.br 

Comentário: Olha só leitor esses belos e monstruosos motores. O engraçado é que mesmo com os custos astronômicos deste foguete em relação ao que se vem fazendo na iniciativa privada americana, a NASA continua apostando neste projeto e não parece que irá desistir de ter o seu próprio foguete. Por que será isso leitor? Será por questões políticas? Será por não acreditar ainda integralmente na iniciativa privada? Ou será por outra razão qualquer? Mas a seja lá qual for a verdadeira razão ou razões, a verdade é que se esse foguete sair mesmo do papel, será uma máquina extraordinária. Enquanto isso leitor, naquela conhecida Republica das Bananas Sulamericana, o seu instituto espacial perdeu completamente a capacidade de produzir motores-foguetes e a empresa contratada para desenvolver o maior motor sólido do país, foi responsável por uma das maiores lambanças de toda histórica das atividades espaciais desta Republica Tupiniquim. E pior, as empresas que realmente poderiam estar neste momento trabalhando com competência em soluções para dotar o país de motores sólidos, líquidos e híbridos (Acrux, Edge of Space e Pion Labs) tem as suas existências e competência tecnológica completamente desconsideradas pelo atual governo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Operação CRUZEIRO: Primeiro Ensaio em Voo de um Motor Aeronáutico Hipersônico Brasileiro

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite