Blog Realizou Ontem (06/05) Com Sucesso 'Live" Sobre Smallsats

Olá leitor!

Pois então, na noite de ontem (06/05) estivemos realizando com sucesso o segundo bate-papo (live) do Blog BRAZILIAN SPACE, desta vez tendo como tema o “Smallsats no Brasil - Momento Atual e Perspectivas Futuras”.

Ao lado do Dr. Otávio Durão, do Dr. Luís Loures, e do Prof. Rui Botelho, estivemos por pouco mais de duas horas debatendo essa importante área do Setor Espacial Brasileiro.

O bate-papo leitor foi mais uma vez descontraído, interessante e acompanhado por muita gente do setor espacial e para quem não pode no dia de ontem nos acompanhar ao vivo, trago abaixo o vídeo gravado deste bate-papo que espero possa continuar em uma outra oportunidade, bem como também, para aqueles ainda não familiarizados, o significado de algumas das siglas abordadas pelos participantes.



SIGLAS:

AEB - Agência Espacial Brasileira 

CLA - Centro de Lançamento de Alcântara 

IAE - Instituto de Aeronáutica e Espaço 

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais 

ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica 

NASA - National Aeronautics and Space Administration (Agência Espacial Americana) 

VLM - Veículo Lançador de Microssatélites em desenvolvimento pelo IAE 

MECB - Missão Espacial Completa Brasileira 

PNAE - Programa Nacional de Atividades Espaciais 

PESE - Programa Estratégico de Sistemas Espaciais 

CBERS - Programa Sino-Brasileiros de Recursos Terrestres (Programa criado em parceria com a China em 1998 para desenvolver conjuntamente satélites de observação da Terra de grande porte). 

PEQUENOS SATÉLITES CITADOS NA LIVE

OSCAR 17 / DOVER -  Digital Orbiting Voice Encoder - (Primeiro nanosatélite brasileiro (12,92 kg). Este nanosatélite foi desenvolvido pelo radioamador brasileiro Dr. Júnior Torres de Castro e lançado da base espacial de Kourou, na Guiana Francesa, a bordo do foguete Ariane 4, as 21:30 horas do dia 22/01/1990.

SCD-1 - Satélite de Coleta de Dados 1 - (Microssatélite de 115 kg da época da MECB desenvolvido pelo INPE e lançado em 09/02/1993 através de um avião bombardeiro B-52/ Foguete Pegasus (EUA) e atualmente ainda operacional no espaço. É considerado historicamente como primeiro satélite profissional do país) 

SCD-2A - Satélite de Coleta de Dados 2A - (Microssatélite de 115 kg da época da MECB. Explodiu no lançamento do foguete VLS-1 da ‘Operação Brasil’ em 02/11/1997)

SCD-2 - Satélite de Coleta de Dados 2 - (Microssatélite de 115 kg da época da MECB desenvolvido pelo INPE e lançado ao espaço em 22/10/1998 através de um avião L-1011/ Foguete Pegasus (EUA) e atualmente ainda operacional no espaço) 

SACI-1 - Satélite de Aplicações Cientificas 1 - (Microssatélite científico de 60 kg desenvolvido pelo INPE e lançado da base chinesa de Taiyuan por um foguete Longa-Marcha-B em 14/10/1999. Este satélite infelizmente falhou em se comunicar com a base em terra e ficou perdido no espaço) 

SACI-2 - Satélite de Aplicações Cientificas 2 - (Microssatélite científico de 80 kg desenvolvido pelo INPE e perdido no lançamento do segundo protótipo do foguete VLS-1 (Operação Almenara) em 11/12/1999. 

SCD-2A - Satélite de Coleta de Dados 2A - (Microssatélite de 115 kg da época da MECB. Explodiu no lançamento do foguete VLS-1 da ‘Operação Brasil’ em novembro em 02/11/1997) 

SATEC-1 - Satélite Tecnológico -1 – (Microssatélite de 65 kg desenvolvido pelo INPE. Explodiu junto com o terceiro protótipo do foguete VLS-1 da ‘Operação São Luís’ em 22/08/2003) 

UNOSAT-1 - Undergraduate Orbital Student Satellite 1 - (Nanosatélite de 8,83kg desenvolvido em conjunto por estudantes da Universidade Norte do Paraná (UNOPAR) e da Universidade Estadual de Londrina (UEL) . Explodiu junto com o terceiro protótipo do foguete VLS-1 da ‘Operação São Luís’ em 22/08/2003) 

NanosatC-Br1 - (Cubesat de 1kg desenvolvido pelo Centro Regional Sul (CRS) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e lançado da Base de Dombarovsky, no Cazaquistão, em 19/06/2014 através de um foguete DNEPR e até hoje ainda operacional no espaço) 

AESP-14 - (Cubesat de 1kg desenvolvido por alunos do Curso de Engenharia Aeroespacial do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) com o apoio do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e lançado da Base da Força Aérea Americana em Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), em 10/01/2015, através de um foguete Falcon-9 da empresa americana SpaceX, como parte integrante de uma missão de suprimento para a Estação Espacial Internacional (ISS na sigla em inglês) denominada de “Missão Falcon 9 - SpaceX CRS 5”. Depois de dois dias de voo a Capsula Dragon com o cubesat brasileiro atracou na ISS, e o AESP-14 foi então transferido para o Modulo Japonês Kibo de onde finalmente na manhã do dia 05/02/2015 foi lançado ISS, porem infelizmente pouco tempo depois foi reconhecido a sua falha operacional no espaço) 

SERPENS -1 - (Primeiro nanosatélite (3U) do Projeto SERPENS - Sistema Espacial Para a Realização de Pesquisa e Experimentos com Nanossatélites. Um programa patrocinado pela Agencia Espacial Brasileira (AEB) e desenvolvido pela Universidade de Brasília (UnB) em parceria com um pool de universidades brasileiras. Foi lançado em 18/08/2015, por meio de um veículo de lançador japonês H-IIB, a partir do Centro Espacial de Tanegashima, no Japão, em direção a Estação Espacial Internacional (ISS), de onde foi colocado em órbita no dia 17/09/2015 através do deployer CubeSat JSSOD do módulo Kibo JEM (Japanese Experiment Module) desta estação espacial. Após seis meses em órbita o satélite se desintegrou na atmosfera terrestre cumprindo a sua missão.) 

ITASAT-1 - (Nanosatélite (6U) desenvolvido pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) em parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Este satélite foi lançado dia 03/12/2018 como carga secundária, por meio de um veículo Falcon 9 Block 5 da empresa SpaceX, a partir da Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia, EUA. Ele se encontra operacional até hoje no espaço.

FLORIPASAT -1 - (Cubesat de 1kg desenvolvido PELA Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e lançado como carga secundária em 20/12/2019 como carga secundária do satélite Sino-Brasileiro CBERS-4A, através do veículo chinês Longa Marcha 4A. O lançamento ocorreu da China a partir do Centro de Lançamento de Taiyuan, e o Floripasat 1 continua até hoje operacional no espaço. 

SPORT - Scintillation Prediction Observation Research Task (Nanosatélite 6U fruto de uma cooperação internacional entre o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), a NASA e as Universidades américas de Utah, do Alabama (em Huntsville) e do Texas (em Dallas), que terá a finalidade de investigar o Clima Espacial. A previsão é que este nanosatélite venha ser lançado até 2022) 

SSR-1 - Satélite de Sensoriamento Remoto 1 /Amazônia 1 - (Microssatélite idealizado na época da MECB, que se transformou com o tempo no minisatélite hoje denominado Amazonia-1 previsto para que ser lançado ao espaço ainda esse ano) 

SSR-2 - Satélite de Sensoriamento Remoto 2 - (Microssatélite da época da MECB que não saiu do papel)

Duda Falcão 

OBS: Vale lembrar que tiveram e existem atualmente outros pequenos satélites desenvolvidos, em desenvolvimento e lançados pelo país (como o picosatélite estudantil ‘Tancredo-1’) mas não foram citados durante a ‘live’.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Operação CRUZEIRO: Primeiro Ensaio em Voo de um Motor Aeronáutico Hipersônico Brasileiro

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite