Estudo do Problema da Geração de Detritos Orbitais Com a Destruição do Satélite MICROSAT-R pelo Míssil Antissatélite Indiano PDV MK II

Caro leitor!

Trago agora para você um interessante estudo/artigo escrito pelo Mestre em Mecatrônica pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)Rui Botelho, tendo como tema o problema da geração de detritos orbitais após a destruição do Satélite MICROSAT-R pelo Míssil Antissatélite Indiano PDV MK II. Vale a pena conferir.

Duda Falcão

Estudo do Problema da Geração de Detritos Orbitais Com a Destruição do Satélite MICROSAT-R pelo Míssil Antissatélite Indiano PDV MK II

Rui Botelho*
02/05/2019

No dia 27 de março último, o Governo da Índia anunciou publicamente que havia realizado, com sucesso, um teste com um míssil antissatélite (Anti-SATellite missile – ASAT) disparado do solo, no qual destruiu um de seus satélites orbitando a cerca de 300 km de altitude. Com essa ação, a Índia se tornou a quarta nação mundial (depois de Rússia, China e Estados Unidos) a realizar um feito dessa natureza.

Ao mesmo tempo em que a notícia impactou a comunidade internacional com a demonstração de força e poderio tecnológico da Índia, em um momento em que tensões regionais e eleições gerais se aproximavam, também espantou a comunidade espacial graças aos efeitos nocivos de um possível acirramento de uma corrida armamentista espacial (em longo prazo) e, de forma imediata, pela geração de detritos oriundos da destruição do satélite alvo.

Como é de conhecimento público, o problema dos detritos espaciais é uma temática que vem preocupando sobremaneira a comunidade espacial internacional nas últimas três décadas, dado o crescente aumento dos mais diversos tipos de objetos orbitando descontroladamente o planeta. Esse aumento da geração de detritos vem gerando discussões e tem consumido tempo e recursos financeiros de muitos países e empresas, para que seja possível continuar utilizando e explorando comercialmente dispositivos espaciais em órbita, através da mitigação de riscos de perdas materiais e operacionais dos mesmos ou com o efeito de destruição de satélites e geração em cadeia de detritos espaciais, denominado Síndrome de Kessler.

Essa preocupação provocou a criação de diversos grupos de pesquisa sobre o tema, além de um Comitê de Coordenação Interagências sobre Detritos Espaciais (Inter-Agency Space Debris Coordination Committee - IADC), bem como grupos de trabalho ligados os Escritório das Nações Unidas para Uso Pacífico do Espaço Exterior (United Nations Office of Outer Space Pacific Affairs – UNOOSA), com o objetivo de realizar pesquisas e difundir conhecimentos, evitar e mitigar a geração de detritos espaciais.

Mesmo assim, por mais que todos os países e empresas que fizeram uso de sistemas orbitais tenham sido responsáveis pela geração de detritos ou sejam potenciais geradores de detritos espaciais, somente os Estados Unidos, a Rússia, a China e agora a Índia, incorreram em ações conscientes e intencionais que geraram mais detritos espaciais e comprometeram um pouco mais o espaço orbital terrestre, em especial nas orbitas baixas (Low-Earth Orbit – LEO), região mais prejudicada nesse tema.

Assim como a índia, os Estados Unidos também desenvolveram e testaram no passado sistema antissatélite. O mais recente foi em 14 de Fevereiro de 2008, quando o satélite espião USA-193 (com 2.300 kg de massa, em uma órbita de 257 km de altitude, com inclinação de 58,46º) foi destruído por um míssil RIM-161 SM-3, com a justificativa de que o satélite estava decaído na atmosfera e continha uma carga tóxica e perigosa de Hidrazina. O outro teste americano ocorreu em 13 de Setembro de 1985, quando um míssil ASM-135 foi disparado a partir de um caça F-15 em voo destruindo o satélite P78-1 Solwind (de 850 kg de massa) em órbita de 545 km de altitude, com 97.6º de inclinação.

No evento mais famoso e com maior geração de detritos, em 2007, a China realizou um teste de ASAT muito controverso no qual destruiu o satélite inoperante FY-1C em uma órbita a 865 km de altitude, o que gerou uma considerável nuvem de detritos de mais de 3.000 pedaços grandes, num total de 125.000. Com a repercussão negativa de 2007, os chineses realizaram com sucesso outros testes em 2010, 2013 e 2014, nos quais, em vez de utilizar satélites em órbita como alvo, interceptaram nessas ocasiões simulacros de ogivas nucleares, lançadas de mísseis balísticos. Por esses alvos estarem voando em baixíssimas altitudes (no limiar da linha de Kárman), houve pouca geração de detritos.

Sem muitos dados complementares, sabe-se que a Rússia também realizou com sucesso um teste do sistema antissatélite (ASAT) Nudol, em 25 de Maio de 2016, tendo sido o segundo teste bem sucedido em quatro tentativas. Considerando que não se identificou claramente a geração de detritos espaciais, acredita-se que estes testes foram similares aos últimos testes chineses.

O presente artigo tem por objetivo apresentar mais detalhes sobre o teste do míssil antissatélite indiano e os testes de mísseis antissatélites que mais contribuíram para a geração de detritos orbitais. Além disso, os resultados do teste indiano foram comparados com os demais testes de ASATs, de modo a permitir projetar uma perspectiva de geração de detritos para os próximos anos. Como resultado estima-se que, diferentemente do que foi divulgado pelo Governo da Índia, a quantidade de detritos gerada será maior (na casa das centenas) e demorará mais tempo (em torno de uma década) para decair (queimar na reentrada em órbita), do que o divulgado inicialmente.

O Teste de ASAT indiano ("Mission Shakti")

A Missão Shakti (poder em Hindi) se deu pelo lançamento do míssil ASAT (PDV Mk II) do Complexo de Lançamento Dr. A P J, na ilha de Abdul Kalam (Figura 1), nordeste da Índia (~18º N, ~ 78º L), com o objetivo de destruir um satélite próprio em órbita baixa. Segundo informações, o ASAT atingiu o satélite alvo em uma colisão frontal com uma velocidade de 8 km/min (~480 km/h).

Fonte: Google Maps 
Figura 1. Complexo de Lançamento Dr. A P J na ilha de Abdul Kalam. 


O PDV (Prithvi Defence Vehicle) Mk II é uma variante adaptada para missão antissatélite do estágio superior do míssil antibalístico (Anti-Balistic Missile - ABM), um veículo cinético de destruição (Kinectic Kill Vehicle – KKV) do tipo colida para matar (Hit-to-Kill – HTK), sobre os dois estágios do míssil balístico lançado de submarinos (Submarine-Launched Balistic Missile – SLBM) K-4 SLBM, ambos projetados pela Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa (Defence Research and Development Organization - DRDO) e construídos pela Bharat Dynamics Limited (BDL), uma das principais indústrias de munições e mísseis da Índia. O quadro 1 apresenta um comparativo entre o K-4 SLBM e o PDV Mk II ASAT.

Apesar do Governo Indiano não ter revelando inicialmente o nome do satélite destruído, especulou-se que os alvos prováveis ​​poderiam ser os satélites Microsat-TD ou o Microsat-R, sendo esse último confirmado como alvo do teste. O Microsat-R é um minissatélite militar, desenvolvido nos laboratórios da DRDO, com massa de 740 kg e órbita polar heliossíncrona (sun-synchronous orbit – SSO) de 96,6º de inclinação, a uma altitude entre 268 e 289 km.

Figura 2. Satélite Microsat-R indiano.

Quadro 1. Comparativo das características do K-4 SLBM e do PDV Mk II ASAT

Por ter sido desenvolvido pela DRDO e lançado em órbita em janeiro desse ano, mesmo tendo uma massa considerável, acredita-se que ele tinha a missão exclusiva de ser alvo para o teste do ASAT, possuindo uma carga útil (payload) reduzida a sensores específicos para a telemetria e registro do experimento, sobre um módulo de serviço (bus) capaz de manter e corrigir sua órbita e trajetórias para a realização do teste. Por mais imprecisa que pareça, dado o cenário atual de crescente tensão com o Paquistão, da massa do satélite e da sua órbita baixa, existem especulações que o Microsat-R seria um satélite militar espião da Índia, para teste de alguma tecnologia que não funcionou corretamente, que foi aproveitado como alvo para o teste.

Considerando que a colisão entre o PDV Mk II e o Microsat-R foi frontal, segundo análises e simulações posteriores, acredita-se que a colisão ocorreu a uma velocidade relativa de 9,8 km/s (35.280 km/h). Em um primeiro momento, foram detectados entre 70 e 200 detritos com diâmetros maiores que 1 cm, estimando-se que, por ter ocorrido em uma órbita a 280 km de altitude, a maioria desses detritos deverá decair em dias ou semanas, podendo esse número ainda crescer mais a depender de vários fatores, inclusive da fragmentação ou interação entre estes e outros detritos. Por outro lado, foi identificado que, com o impacto, alguns detritos foram ejetados para órbitas mais altas (acima de 2.000 km), podendo permanecer por lá por muito tempo. A figura 3 apresenta a lista de alguns detritos catalogados do Site Celestrak, rastreados e catalogados pelo Comando de Defesa Aeroespacial Norte-Americano (North American Aerospace Defense Command - NORAD).

Fonte: Site Celestrak.com / NORAD
Figura 3. Lista de alguns detritos rastreados. 


Nessa lista é possível identificar o detrito formado pelo principal parte do que era o satélite Microsat-R, identificado pelo número de catálogo do NORAD (NORAD Catalog Number), nº 43947, bem como de outros detritos como o de nº 44154, que estão transitando em órbitas a 2.180 km, mais altas que a originalmente frequentada pelo Microsat-R (280 km), e outros que estão em órbitas mais baixas (115 a 166 km), como o detrito de nº 44138.

O Teste do ASAT Chinês de 2007 e a Situação dos Detritos Antes do Teste Indiano

O teste do ASAT chinês de 2007

Por causar a maior repercussão na comunidade espacial pela quantidade de detritos gerada, o teste de míssil antissatélite chinês de 2007 foi um evento conduzido em 11 de Janeiro de 2007, onde um satélite meteorológico, o FY-1C (Figura 1) em órbita polar heliossíncrona (SSO), a uma altitude de 865 km e com 750 kg de massa, foi destruído por um veículo/projétil cinético SC-19, lançado do Centro Espacial de Xichang, no centro sul da China (28,27242 N, 102,00353E), trafegando a uma velocidade de 8 km/min, na direção contrária ao satélite.

Fonte: Google Maps 
Figura 4. Centro de Lançamento de Satélites de Xichang.


O SC-19 (denominação americana) é uma versão modificada do míssil balístico de médio alcance (Medium Range Balistic Missile – MRBM) chinês de dois estágios, lançado de plataformas móveis autorrebocadas ou autopropulsadas, Dong-Feng (“direção leste”, em tradução livre) 21 (DF-21). Apesar ser um míssil operacional desde 1991, as informações técnicas mais detalhadas sobre o DF-21 não são abundantes e, por esse motivo, os dados sobre o SC-19 também carecem de um confrontamento maior com outras fontes. No entanto o que se sabe dizer é que os mísseis chineses possuem características muito similares aos seus equivalentes indianos em termos de dimensões, sendo que o DF-21 possui alcance e carga útil menor que o K-4. No entanto, como mísseis antissatélites, as versões ASAT se assemelham mais nesses critérios com alcance de 1.000+ km e estágio superior com massa próxima a 1.000 kg. O quadro 2 mostra a comparação entre o DF-21 e o SC-19.

Com uma massa original de 954 kg, 4,5m de comprimento e 2.1 m de altura, o FY (FengYung) -1C foi lançado da base de Taiyuan - China por um veículo Longa Marcha 4B (CZ-4B) em 10 de março de 1999, tendo sido considerado inoperante em janeiro de 2004, após quase 05 anos de operações (3 anos a mais que a vida útil projetada). Por não possuir condições para ser descomissionado, seguindo as políticas mais modernas de mitigação de detritos espaciais (através de manobras para o decaimento ou para o posicionamento em uma órbita cemitério), permaneceu vagando na sua trajetória orbital, como um grande detrito espacial, até ser destruído no evento de 2007.

O FengYun (vento e nuvem) é da primeira série de satélites meteorológicos de órbita baixa (Low Earth Orbit – LEO) da China, organizada pela Administração Meteorológica da China (China Meteorological Administration - CMA), a qual consiste em um total de quatro espaçonaves (FY-1A, -1B, -1C e -1D).

Quadro 2. Comparativo das características do DF-21 MRBM e do SC-19 ASAT


Fonte: EOPortal[1]
Figura 5. Satélite FengYun série 1.

Segundo estudos do Escritório do Programa de Detritos da NASA (NASA's Orbital Debris Program Office), do Centro Espacial Johnson (Johnson Space Center – JSC), à época, a destruição do FY-1C gerou inicialmente uma nuvem de detritos de mais de 950 objetos com diâmetros maiores que 10 cm (facilmente detectáveis) e estimando-se que foram gerados mais de 35.000 refugos com diâmetros maiores que 1 cm. Em 2012, uma nova medição da NASA identificou que a fragmentação havia gerado mais de 3.300 detritos com diâmetros com mais de 10 cm e mais de 150.000 objetos com diâmetros com mais de 1 cm. Segundo a NASA, a nuvem gerada espalhou detritos entre as altitudes de 200 a 4.000 km, o que chegou a gerar mais de 3.000 alertas de colisão (raio de 5 km) para satélites operando nessa faixa, inclusive para a Estação Espacial Internacional (International Space Station – ISS). A figura 4 apresenta o gráfico do histórico de crescimento dos detritos espaciais, com destaque para o aumento provocado pela destruição do satélite FY-1C.


Como consequência da repercussão negativa causada pela destruição do FY-1C em 2007, a China realizou outros testes em 2010, 2013 e 2014, mas sem utilizar satélites em órbita como alvo dos seus ASAT. Em vez de usar satélites como alvos, os chineses utilizaram de simulacros de ogivas de mísseis balísticos (ogivas sem carga explosiva), voando no limiar da linha de Kárman para serem interceptados pelos seus mísseis ASAT. Desse modo, conseguiram realizar os testes de interceptação com pouca geração de detritos, sendo que, aqueles que foram criados, decaíram rapidamente e queimaram na reentrada na atmosfera, dada a baixa altitude da colisão.

Fonte: EOPortal[2].
Figura 6. Gráfico do histórico de crescimento dos objetos espaciais com diametro maior que 10 cm, com destaque para o aumento provocado pela destruição do satélite FY-1C, a destruição do satélite USA 125 e a colisão entre os satélites Cosmos 2251 e Iridium 33 (Adaptado).

Cabe destacar que, como pode ser visto na figura 6, apesar de não se originar de um teste de míssil ASAT, a colisão entre os satélites Cosmos 2251 e Iridium 33, em 10 de fevereiro de 2009, é um evento que claramente teve um grande impacto na geração de detritos nos últimos anos, motivo pelo qual foi destacado na figura 5 para fins de comparação com outros eventos, além do fato de ser um claro marco negativo e preocupante do problema dos detritos.

Apesar da probabilidade de colisões ainda ser relativamente baixa, em janeiro de 2013, cientistas russos reportaram que um pequeno satélite de calibração óptica (7,5 kg) do seu país, que voava cerca de 830 km de altitude, foi atingido por um detrito oriundo da nuvem de detritos do FY-1C. Esse fato foi corroborado posteriormente por simulações Que indicaram que o satélite foi atingido por um detrito muito pequeno que o dividiu em, pelo menos, duas partes, tornando-o inoperante, e transformando-o, em verdade, em 02 novos detritos.


A Situação dos Detritos Espaciais Antes do Teste Indiano

A colisão acidental entre os satélites Cosmos 2251 e o Irídium 33 foi o último grande evento isolado em que se registrou um crescimento considerável do número de detritos orbitais, antes do teste indiano. Esse evento gerou uma nuvem de mais de 2.000 novos detritos com dimensões maiores que 1 cm de diâmetro. O Cosmos 2251 foi um satélite de comunicação militar russo (tipo Strela) de 950 kg,lançado por um foguete Kosmos-3M em 16 de Junho de 1993, que estava desativado bem antes da colisão e permaneceu em órbita como "lixo espacial", voando em uma órbita com 74º de inclinação entre 778 e  803 km de altitude. O Iridium 33 foi um satélite de 560 kg (de um conjunto de 66 satélites de telefonia celular da Iridium constellation), lançado em 14 de Setembro de 1997 por um foguete Próton, que voava em uma órbita com inclinação de 86,4º entre 779,6 e 793,9 km de altitude.

Esse incidente demonstra que, apesar de ser um satélite completo até o momento da colisão, por estar inativo e sem controle, o Cosmos 2251 se tornou um (grande) detrito espacial que destruiu um satélite operacional. Evidentemente, pela sua massa e a velocidade que se deslocava, somados as do Irídium 33, isso fez com que a colisão de ambos tivesse um efeito devastador para a proliferação de detritos, como visto na figura 6. No entanto, sempre cabe lembrar que, mesmo objetos muito pequenos e com pouca massa podem, potencialmente, provocar incidentes e danos muito graves a satélites ou espaçonaves em órbita. Por exemplo, um objeto como uma porca-sextavada de 1/8 de polegada, com massa de ~0,0004 kg e orbitando a uma velocidade de 20.000 km /h, possui uma energia cinética (Ec) de 6.172,85 J (629,46 Kgf), o que é mais do que suficiente para danificar um painel solar, tornar inoperante um satélite pequeno, perfurar a fuselagem de uma espaçonave e ainda gerar novos detritos com essas colisões.

Até 2017, a estimativa era que existiam um total de 18.000 a 21.000 detritos com mais de 10 cm de diâmetro, cerca de 400.000 a 10.000.000 de objetos com diâmetro menor que 10 cem e maior ou iguais a 1 cm e algo da ordem de 108 a 1012 objetos com diâmetros menores que 1 cm de diâmetro, o que condiz com o gráfico da figura 6. O quadro 2 apresenta um resumo das estimativas até 2017.

Quadro 3. Estimativa de detritos orbitais, seus tipos e distribuição de massas por tamanho e sua classificação quanto à dificuldade de serem detectados, até janeiro de 2017.
Fonte: O Autor.

Apesar de um crescimento anual médio de detritos de 1957 a 2017 (60 anos de atividade espaciais) ser de 300 a 350 detritos grandes/ano (18.000 ou 21.000 detritos grandes / 60 anos), observa-se que, até 2007 (antes do teste do ASAT chinês e da colisão do Cosmos 2251 e Iridium 33) o crescimento anual médio era de 220 detritos grandes/ano (11.000 detritos grandes / 50 anos (1957 a 2007)), um crescimento de 36%.

Por outro lado, observando os períodos de 1997 a 2007 e de 2009 a 2017 as taxas de crescimento anuais de detritos se mantiveram bem mais baixas ou estáveis que as apresentadas anteriormente (respectivamente, 50 e 0 detritos grandes/ano). Isso permite inferir que se os eventos de 2007 e 2009 não tivessem ocorrido, o total de detritos grandes poderia ser inferior a 12.000, menos de 2/3 do total até 2017. Essas diminuições das taxas de crescimento detritos se devem muito as políticas de mitigação de geração de detritos incentivadas pela UNOOSA e pela IADC, e promovida pelos principais grupos de pesquisa, indústrias e agências espaciais do mundo, em prol da exploração sustentável do espaço orbital terrestre. Esse esforço para a redução de geração de detritos fica muito evidente ao se observar as curvas 4 (laranja tracejada) e 5 (verde pontilhada) do gráfico da figura 6, nas quais percebe-se um tendência de crescimento até o final dos anos de 1990 e uma estabilização a partir daí, mesmo com o crescimento constante do número de espaçonaves a cada ano, conforme a curva 3 (azul) do referido gráfico.

De posse desse entendimento, acredita-se que a quantidade de detritos grandes observados até 2017 se mantiveram estáveis até antes do teste do ASAT indiano.

Expectativa de Aumento de Detritos Provocado Pelo ASAT Indiano

Independente da nacionalidade dos testes com ASATs que geraram quantidades consideráveis de detritos nos últimos anos é possível perceber que nenhum desses eventos é exatamente igual ou trouxe resultados exatamente iguais aos outros. Analisando os dados de ocorrência dos mesmos percebe-se que o teste chinês e o indiano têm em comum que a trajetória e velocidade do míssil na colisão foram muito semelhantes (colisão frontal e ~8 km/min). Por sua vez, as altitudes das colisões ocorreram a ~280 km (ASAT indiano 2019) e a ~865 km (ASAT chinês 2007).

Conforme visto previamente, além do ASAT indiano, os principais testes mísseis antissatélites registrados que geraram detritos orbitais são os testes dos Estados Unidos de 1985 e de 2008 e o teste chinês de 2007. A figura 7 apresenta o gráfico com a identificação dos testes realizados, a partir de pontos de inflexão no aumento dos detritos espaciais nos anos em que estes foram realizados.

Fonte: O autor
Figura 7. Gráfico do histórico de crescimento dos objetos espaciais com diametro maior que 10 cm, com destaque os eventos de testes de ASATs (Adaptado).

Segundo o gráfico da figura 7, ao observar as tendências de comportamento do crescimento dos detritos orbitais (setas verdes) dos períodos anteriores aos testes de mísseis antissatélites e compará-las as tangentes do gráfico nos pontos de inflexão da curva 1 (cor preta ó Total de objetos), identificados para cada situação, percebe-se claramente a sua disparidade com a taxa incremento de detritos pós-fragmentação. Essa disparidade fica mais evidente quando observada a curva 2 do gráfico (cor rosa ó Detritos de fragmentação), na qual a tendência de crescimento anterior aos testes estava estagnada ou decrescendo, como estava ocorrendo anteriormente ao teste indiano. Em todas as situações, observou-se um pico de crescimento dos detritos, os quais podem variar conforme as diversas variáveis de cada caso, tais como: altitude da colisão, ângulo, sentido, direção, massa dos corpos, densidade dos corpos, velocidade dos corpos, velocidade relativa entre os corpos, etc.

As autoridades indianas afirmaram que o teste gerou/geraria poucos e que, pelo fato de ter ocorrido em uma órbita baixa, estes detritos iriam decair e queimar na reentrada em pouco tempo, não sendo uma ameaça para outros satélites e espaçonaves. No entanto, as informações obtidas e as simulações realizadas até então, mostram que o teste realizado pela Índia não terá consequências tão severas como o promovido pela China em 2007, mas também não será tão insignificante quanto foi anunciado.

Uma das provas disso é que a quantidade de detritos rastreados inicialmente pelo NORAD é de 70 objetos grandes, mas estes estão trafegando por órbitas que vão a mais de 2.000 km, motivo pelo qual 50 novos alertas de possíveis colisões com a ISS (que está em uma órbita a 420 km) foram gerados e 200 detritos de tamanho médio foram reportados até então, fato que pode ser alterado pela interação e subfragmentação interna desses corpos que compõem a nuvem detritos. Simulações realizadas pela Analytical Graphics Inc. indicam que cerca de 6.500 fragmentos do Microsat-R e do corpo do objeto cinético do míssil PDV Mk II estão orbitando o planeta.

Outro fator não considerado pelas autoridades indianas e ignorado pela maioria das pessoas é que, pelo fato do teste do ASAT da Índia ter sido realizado no período do mínimo solar (solar minimum), o decaimento dos fragmentos será mais lento do que se poderia esperar. Durante o período de mínimo solar, como o que está ocorrendo no presente ano, a alta atmosfera esfria e se contrai, reduzindo o arrasto aerodinâmico dos objetos em órbitas baixas. Particularmente no início de 2019, a temperatura da atmosfera está no ponto próximo do seu recorde de frio, o que pode duplicar ou triplicar o tempo de decaimento de fragmentos. Em certas altitudes maiores, isso pode fazer com que detritos que permaneceriam alguns meses em órbita, fiquem por 1 ou 2 anos. No caso de detritos em órbitas a 1.000 km ou mais, esse tempo pode chegar a uma década. Para fins de comparação, os gráficos da figura apresentam o percentual de decaimento de detritos por ano, em diversas altitudes, no máximo e no mínimo solar.

Fonte: Wright (2010) apud cálculos de Wang Tin (BUAA).
Figura 8. Percentual de detritos remanescentes em órbita no tempo (anos), no máximo e no mínimo solar.

Quadro 4. Comparativo entre os testes de mísseis antissatélites que mais geraram detritos.
Fonte: O autor (dados compilados de diversos autores e fontes).

Com base no que foi apresentado e da atualização de informações sobre os outros testes de mísseis antissatélites já destacados, estima-se que os 6.500 detritos (independente do tamanho) oriundos do recente evento promovido pela Índia podem permanecer em órbita por mais de uma década e que a quantidade de detritos com diâmetro maior que 10 cm de pode chegar a mais de 100. O quadro 4 apresenta um comparativo atualizado entre os testes de mísseis que mais geraram detritos, com destaque para a projeção para o caso indiano.

A figura 9 apresenta o gráfico histórico de crescimento dos objetos espaciais, atualizado com as projeções para os detritos gerados pelo ASAT da Índia.

Fonte: O Autor. 
Figura 9. Histórico de crescimento da quantidade de objetos grandes em órbita, após a destruição do Microsat-R.

De posse das informações, simulações e projeções apresentadas é possível inferir que, caso não haja mais nenhum incidente que gere detritos, somente em 2025 a quantidade de detritos de fragmentação grandes irão voltar aos números anteriores ao teste indiano. Em termos de detritos médios e pequenos, estima-se que estes deverão durar em órbita, no mínimo, por uma década.

Finalmente, com o provável aumento das atividades espaciais e do crescente número de países e empresas que deverão adquirir capacidade de lançamento nos próximos anos, é de fundamental importância que sejam reforçados e/ou repactuados acordos internacionais no sentido de desencorajar ações que venham a criar mais detritos espaciais, tais como os testes de mísseis antissatélites.

Agradecimentos

Meus sinceros agradecimentos a Gunter Krebs (Gunter´s Space Page) e ao Dr. Ademir Xavier (AEB) pela troca de informações e revisão do texto.

Referências

Botelho A. S., R. C., 2014. Otimização de Dinâmica Relativa em Ambiente de Detritos Espaciais por Agente Autônomo. Projeto de Tese de Doutorado do Programa de Pós-graduação em Mecatrônica (PPGM) da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Salvador, Brasil.

Botelho A. S., R. C., 2017. Estratégias de mitigação de detritos espaciais. Apresentação de estudos técnicos. Diretoria de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento (DSAD), Agência Espacial Brasileira (AEB). 27 de janeiro de 2017. Brasília – DF.  Disponível em:<http://brazilianspace.blogspot.com/2019/03/india-conducts-successful-anti.html>. Último acesso: 04/04/2019.

Chavez, N.; Pokharel, S., 2019. India conducts successful anti-satellite missile operation, Prime Minister says. Artigo da Internet. Site da CNN. 28 de março de 2019. Disponível em: . Último acesso: 04/04/2019.

David, L., 2007. China's Anti-Satellite Test: Worrisome Debris Cloud Circles Earth. Artigo da Internet. Site Space.com. 02 de fevereiro de 2007. Disponível em: <https://www.space.com/3415-china-anti-satellite-test-worrisome-debris-cloud-circles-earth.html>. Último acesso: 04/04/2019.

David, L., 2013. Russian Satellite Hit by Debris from Chinese Anti-Satellite Test. Artigo da Internet. Site Space.com. 02 de fevereiro de 2007. Disponível em: < https://www.space.com/20138-russian-satellite-chinese-space-junk.html>.  Último acesso: 18/04/2019.

Dent, S., 2019. NASA says satellite that India shot down may threaten the ISS: The test was a "terrible, terrible thing," said NASA chief Jim Bridenstine. Artigo da Internet. Site Engadget – Space. 02 de abril de 2019. Disponível em: < https:// www.engadget.com/2019/04/02/nasa-says-satellite-that-india-shot-down-may-threaten-the-iss/?sr_source=Facebook>. Último acesso: Último acesso: 04/04/2019.

European Space Agency – ESA, 2018. ESA’s Annual Space Environment Report (Produced with the DISCOS Database). ESA Space Debris Office - Technical Note. May 18, 2018. Disponível em: <https://www.sdo.esoc.esa.int/environment_ report/Space_Environment_Report_latest.pdf>. Último acesso: 04/04/2019.

Foust, J., 2019. India Tests Anti-Satellite Weapon. Artigo da Internet. Site Space.com. 27 de março de 2019. Disponível em: <https://www.space.com/india-tests-anti-satellite-weapon.html>. Último acesso: 04/04/2019.

Global Security, 201?. SC-19 ASAT. Artigo da Internet. Portal Global Security. Disponível em:< https://www.global security.org/space/world/china/sc-19-asat.htm>. Último acesso: 09/04/2019.

Inter-Agency Space Debris Coordination Committee – IADC, 2007. IADC Space Debris Mitigation Guidelines. IADC-02-01. Revision 1. September 2007. Disponível em: <https://www .iadc-nline.org/ Documents/IADC-2002-01,%20IADC%20 Space%20Debris%20Guidelines,%20Revision%201.pdf>. Último acesso: 04/04/2019.

Inter-Agency Space Debris Coordination Committee - IADC, 2016. Term of Reference for the Inter-Agency Space Debris Coordination Committee – IADC. IADC-93-01 (rev.11.4). 28 de setembro de 2016. Disponível em: < https://www.iadc-online.org/index.cgi?item=torp_pdf>. Último acesso: 04/04/2019.

Krebs, G., 2018. Microsat-R. Artigo da Internet. Site Gunter´s Space Page. 30 de março de 2019. Disponível em: <https://space. skyrocket.de/doc_sdat/microsat-r.htm>. Último acesso: 04/04/2019.

Krebs, G., 2018. Microsat-TD. Artigo da Internet. Site Gunter´s Space Page. 02 de fevereiro de 2019. Disponível em: <https://spa ce.skyrocket.de/doc_sdat/microsat-td.htm>. Último acesso: 04/04/2019.

Space Weather, 2019. Solar Minimum Is a Terrible Time to Blow Up a Satellite. Notícia da Internet. Portal Space Weather. 03 de abril de 2019. Disponível em: < http://spaceweather.com/archive.php?view=1&day=03&month=04&year=2019>. Último acesso: 18/04/2019.

United Nations Office of Outer Space Pacific Affairs – UNOOSA, 2010. Space Debris Mitigation Guidelines of the Committee on the Peaceful Uses of Outer Space. United Nations. Viena, 2010. Disponível em: < http://www.unoosa.org/ pdf/publications/st_space_49E.pdf >. Último acesso: 04/04/2019.

Weeden, B.; Samson, V., 2019. Op-ed | India’s ASAT test is wake-up call for norms of behavior in space. Artigo da Internet. Site Spacenew.com. Disponível em:< https://spacenews.com/op-ed-indias-asat-test-is-wake-up-call-for-norms-of-behavior-in-space/>. Último acesso: 09/04/2019.

Wright, D., 2010. The Current Space Debris Situation. Palestra. Beijing Orbital Mitigation Workshop. Beihang University (BUAA). 18 de outubro de 2010, Pequim. Disponível em:< https://swfound.org/events/2010/2010-beijing-orbital-debris-mitigation-workshop>. Último acesso: 20/04/2019.

Zhang, W., 1998. “Meteorological satellite program of China,” Proceedings of SPIE, Vol. 3501, Optical Remote Sensing of the Atmosphere and Clouds, Sept. 15-17, 1998, Beijing, China, pp. 12-22.

Zhang, W., 1999. “Meteorological satellite program of China;” Proceedings of ACRS (Asian Conference on Remote Sensing) 1999, Hong Kong, China, Nov. 22-25, 1999.
Weeden, B., 2010. Chinese Anti-Satellite Test Fact Sheet. Poster na Internet. Portal da Secure World Foundation. 23 de novembro de 2010. Disponível em: https://swfound.org/media/9550/chinese_asat_fact_sheet_updated_2012.pdf. Último acesso: 17/04/2019.

Kennewell, J.; McDonald, A., 2019. Satellite Lifetimes and Solar Activity. Artigo da Internet. Portal Space Weather Services. Bureau of Meteorology - Autralian Governement.

* Rui Botelho - É mestre em mecatrônica pela UFBA, especialista em GNSS pela Universidade de Beihang (BUAA) – China e bacharel em Ciência da Computação. Foi servidor concursado da AEB, tendo atuado como Tecnologista Pleno na área de Satélites e Aplicações. Atualmente, atua em projetos de TIC e leciona em programas de especialização na área de tecnologia, além de ser articulista e pesquisador independente de temas ligados às ciências, políticas e tecnologias espaciais. http://lattes.cnpq.br/6214855666557824.

Comentários

  1. o Brasil precisa também dominar esta tecnologia de Míssil Antissatélite , é uma questão de Defesa de Estado.

    ResponderExcluir
  2. Duda e leitores do BS,

    O artigo apresentado aqui é fruto de um relatório técnico (technical report) que está à disposição com o DOI: 10.13140/RG.2.2.19460.78722.

    Basta acessar https://www.doi.org/ e pesquisar usando o número acima.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial