São José dos Campos Registra Alto Índice de Poluentes

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (30/08) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do (CPTEC/INPE) registra alto índice de poluentes em São José dos Campos.

Duda Falcão

São José dos Campos Registra Alto Índice de Poluentes

30/08/2010

Dados do projeto de biomonitoramento do Vale do Paraíba desenvolvido pelo Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/INPE), em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade do Estado de São Paulo (USP), mostram que a cidade de São José dos Campos (SP) vem apresentando índices de poluentes inadequados à saúde.

O padrão de qualidade do ar vem sendo ultrapassado para o ozônio (O3) desde 21 de agosto, tendo atingido a faixa dos 200 µg.m-3 no último final de semana. De acordo com a Resolução Conama nº 03 de 28 de junho de 1990, o limite de ozônio troposférico tolerado é de 160 µg.m-3. Este patamar não deve ser excedido mais de uma vez ao ano. Entretanto, na cidade os valores entre 25 e 29 de agosto foram de 232, 179, 201, 218 e 229 µg.m-3, respectivamente.

Os números referentes à quantidade de poluentes no ar utilizados neste projeto de biomonitoramento são disponibilizados pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), no site www.cetesb.sp.gov.br. Em seu relatório mais recente, a Cetesb estabelece que a qualidade do ar pode variar entre “boa” (índice de até 80mg.m-3), “regular” (de 80 a 160), “inadequada” (de 160 a 200), má (de 200 a 800) e “péssima” (acima de 800mg.m-3).

Quando a concentração de ozônio fica acima de 160 µg.m-3, toda a população pode apresentar agravamento dos sintomas como tosse seca, cansaço, ardor nos olhos, nariz e garganta e ainda apresentar falta de ar ou respiração ofegante. Esses efeitos são ainda mais acentuados nos grupos mais sensíveis como crianças, idosos e pessoas com problemas cardiovasculares.

O ozônio é um poluente secundário, isto é, ele é produzido fotoquimicamente pela radiação solar sobre os óxidos de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis.

“Como as fontes diretas são estáveis, pois o número de carros e indústrias na cidade se mantém, ficamos dependentes das condições meteorológicas para diluir estes poluentes, e de fatores climáticos como a baixa umidade do ar, que registramos neste período seco do ano”, explica a pesquisadora Rauda Mariani, coordenadora do projeto de biomonitoramento do Vale do Paraíba.

Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial