Satélite do IBAS Estudará Fenômeno Magnético

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia publicada hoje (18/10) no site do jornal “O Estado de São Paulo” destacando satélite brasileiro e sul-africano lançado pela Índia estudará fenômeno magnético.

Duda Falcão

Notícias > Internacional

Satélite Brasileiro e Sul-Africano
Lançado Pela Índia Estudará
Fenômeno Magnético

Parte técnica do projeto está pronta e só
depende de decisão dos chefes de Estado do IBAS

BBC Brasil
bbcbrasil.com
18 de outubro de 2011 - 6h00

EFE/JON HRUSA
Dilma visita a África do Sul
Os líderes de Brasil, África do Sul e Índia devem anunciar nesta terça-feira, 18 - durante o encontro de cúpula dos três países - um acordo para o lançamento conjunto de um satélite para estudar um fenômeno magnético do Atlântico Sul.

Segundo o ministro brasileiro da Ciência e Tecnologia, Aloísio Mercadante, a idéia vem sendo discutida há bastante tempo, mas ganhou contornos finais no último ano.

O ministro diz que o satélite terá o objetivo de fornecer informações aos pesquisadores sobre uma anomalia que acontece no espaço sobre o Atlântico Sul - uma interferência magnética que causa ruídos e problemas de comunicação em satélites desta região.

O satélite será construído com tecnologia da África do Sul e do Brasil - através do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) - e será lançado de uma base na Índia. Por se tratar de um fenômeno que afeta mais o Brasil e a África do Sul, a Índia terá uma participação menor no projeto.

"Como se trata de um satélite leve, ele poderia ser lançado pela Índia em qualquer um dos foguetes deles", afirma Mercadante. O Brasil ficaria com a parte de desenvolvimento de tecnologia mais complexa, cabendo à África do Sul a elaboração da plataforma de lançamento.

Segundo o ministro, toda a parte técnica já foi acordada entre as partes, faltando apenas a formalização por parte dos chefes de Estado. Depois do anúncio oficial, Mercadante prevê que demorará três anos para o lançamento do satélite.

O ministro diz que orçamento do projeto do IBAS - R$ 17 milhões - é pequeno se comparado com outros planos mais ambiciosos do ministério.

Ele cita a contratação de um satélite geoestacionário de grande porte - de R$ 700 milhões - que será usado para toda a comunicação do setor de defesa do Brasil e aumentará a capacidade de banda larga no país. Hoje o Brasil aluga satélites estrangeiros para esse tipo de serviço.

O ministro também ressaltou que, além do INPE, outras empresas como Telebras e Embraer também serão envolvidas no projeto do satélite geoestacionário.

OBS: Veja abaixo uma entrevista do ministro Mercadante na Índia, onde ele fala sobre esse projeto de satélite em cooperação com esses dois países. A reportagem é da TV NBR e foi editada para mostrar o que interessa.

TV NBR - 17/10/2010


Fonte: Site do jornal O Estado de São Paulo - 18/10/2011

Comentário: Já vi essa novela. Na realidade leitor, o projeto desses satélites foram lançados ainda no governo do humorista Lula, durante a realização da “IV Cúpula do IBAS” realizada em maio de 2010 no Brasil. Naquela época a expectativa dos sul-africanos era que o lançamento do primeiro satélite ocorresse em dois anos e o do segundo satélite em quatro anos. Pelo que diz o ministro Mercadante de lá para cá (17 meses) se definiu que o primeiro satélite deverá ser lançado em três anos. Lembram do projeto do Sabia-Mar? Pois é, o acordo desse projeto foi assinado em 1998 e teve sua primeira fase iniciada em 2010 (12 anos após a assinatura do primeiro acordo (houve vários posteriormente que não deram em nada)) durante a campanha eleitoral que elegeu sua candidata. Torço sinceramente para que esse acordo não venha virar outra novela de décadas, mas não acredito nessa possibilidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial