Diretor da NASA visita o INPE

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (25/10) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o direto da NASA, Charles Bolden, visitará o INPE nesta quinta-feira (27/10).

Duda Falcão

Diretor da NASA visita o INPE

Terça-feira, 25 de Outubro de 2011

O diretor da NASA, astronauta Charles Bolden, estará nesta quinta-feira (27) no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos (SP). Na oportunidade, será assinado acordo de cooperação sobre o programa GPM (Medidas Globais de Precipitação), uma iniciativa da agência espacial americana para o estudo em escala global das chuvas a partir de dados obtidos por satélites.

O acordo abrirá várias possibilidades para a participação brasileira no programa GPM, que deverá produzir dados relevantes para a previsão e o monitoramento de mudanças climatológicas e meteorológicas. Entre elas, atividades que vão desde a realização conjunta de pesquisas e estudos, validação e calibração de dados do programa, até a realização de missão de satélite para compor a constelação GPM.

Além do acordo sobre o GPM, será assinado outro termo de cooperação, sobre Ozônio, visando o estudo da concentração de vários componentes da atmosfera e compreensão da camada de ozônio da Terra. Ambos os acordos serão ratificados pela NASA e Agência Espacial Brasileira (AEB).

Também será abordada a proposta do INPE para o desenvolvimento em cooperação com o JPL (Jet Propulsion Lab), da NASA, de um satélite inovador de alta resolução espectral para estudo das propriedades biogeoquímicas da cobertura do solo, algo essencial na avaliação do impacto nos ecossistemas da ação do homem, das queimadas e dos desmatamentos. A pauta da reunião inclui, ainda, possíveis parcerias nas áreas de clima espacial, rastreio de satélites e testes ambientais de equipamentos espaciais.

Após reunião com dirigentes do INPE, a comitiva da agência espacial americana conhecerá as instalações do Laboratório de Integração e Testes (LIT), onde recentemente foram realizados os ensaios do SAC-D/Aquarius, satélite argentino que leva a bordo equipamento desenvolvido pela NASA.

A visita de Charles Bolden ao INPE também será marcada pelo encontro com estudantes das redes pública e privada da região. A história da exploração do Espaço e a carreira do atual diretor da NASA como astronauta e piloto de ônibus espacial deve inspirar o grupo de crianças e adolescentes, como os alunos de uma escola municipal de Ubatuba que, com o apoio dos engenheiros do INPE, em breve irão lançar um pequeno satélite. A palestra, marcada para meio-dia, será transmitida ao vivo pela Internet.

Esta é a primeira vez de Charles Bolden no Brasil. Sua vinda é um desdobramento da visita do presidente Barack Obama, ocorrida em março, para identificar parcerias entre Estados Unidos e Brasil na área espacial.

Charles Bolden

O major-general reformado Charles Bolden assumiu o posto de 12º diretor da Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço (NASA) em 17 de julho de 2009. Seus 34 anos de carreira no Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos incluem 14 anos como membro do Escritório de Astronautas da NASA. Bolden ingressou na instituição em 1980 e participou de quatro missões do ônibus espacial entre 1986 e 1994, sendo que duas delas estavam sob seu comando. Colocou o telescópio espacial Hubble em órbita e também participou da primeira missão espacial conjunta EUA-Rússia. Antes de assumir como diretor da NASA, Bolden trabalhou como CEO da consultoria JACK and PANTHER.

Bolden nasceu em Columbia, na Carolina do Sul, no dia 19 de agosto de 1946 e atualmente mora em Houston. Formou-se na C.A. Johson High School em 1964 e na seqüência foi indicado para a Academia Naval dos EUA. Em 1968 recebeu o título de Bacharel de Ciência Elétrica e foi nomeado Segundo-Tenente do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos. Depois de completar o treinamento de vôo em 1970 tornou-se aviador naval. Fez mais de 100 vôos em missões de combate no Vietnã, em Laos e no Camboja enquanto servia em Namphong, Tailândia, de 1972 a 1973.

Ao retornar aos Estados Unidos, Bolden serviu em várias posições do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos na Califórnia e em 1977 terminou um mestrado em Gerenciamento de Sistemas pela Universidade do Sul da Califórnia. Em 1979 formou-se na Escola de Pilotos de Teste Naval dos Estados Unidos de Patuxent River, sendo escolhido como candidato a astronauta em 1980.

A carreira de astronauta de Bolden na NASA inclui uma série de cargos e setores. Depois de seu último vôo em um ônibus espacial, em 1994, ele deixou a agência para voltar às suas atividades na Marinha como vice-comandante dos alunos da Academia Naval norte-americana.

Em 1997 Bolden foi designado como vice-comandante-geral da primeira expedição de fuzileiros navais no Pacífico e em 1998 foi comandante-geral da primeira missão expedicionária da Marinha em apoio à Operação Tempestade no Deserto no Kuwait. Em julho de 1998 foi promovido a major-general e nomeado vice-comandante das forças norte-americanas no Japão. De 2000 a 2002 foi comandante-geral da 3a Ala Aérea do Corpo de Fuzileiros Navais da Base de Miramar, em San Diego, na Califórnia, aposentando-se em 2003.

No decorrer de sua carreira Bolden recebeu várias condecorações e medalhas. Em 2006, seu nome passou a fazer parte do Hall da Fama dos Astronautas dos EUA.

Charles Bolden


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentário: Como disse anteriormente, cai por terra essa conversa fiada de visita de cortesia que não fazia sentido nenhum. Na realidade a vinda do diretor da NASA ao Brasil é bem representativa, pois como o texto acima deixa claro, acordos serão ratificados, renovados e possibilidades outras serão discutidas, e entre elas a do satélite GPM-BR e a proposta de um outro satélite já mencionado na matéria de ontem da "Folha de São Paulo" (veja a nota: EUA e Brasil Planejam Satélite Conjunto), mas tudo ainda a nível do segundo escalão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial