Próximas Missões de Foguetes Brasileiros Além Mar

Olá leitor!

A partir de novembro até o mês de fevereiro de 2012 o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) estará dando suporte a cinco operações de lançamento estrangeiras que se utilizarão de foguetes brasileiros. Dessas cinco operações, duas já estão confirmadas, duas estão pré-confirmadas e uma depende ainda de confirmação. Abaixo segue uma descrição dessas operações:

OPERAÇÃO TEXUS 48 (Confirmada)

Data de Lançamento: Janela aberta a partir de 04/11
Local: Centro Espacial de Esrange (Suécia)
Foguete: VSB-30
OBS: A “Operação Texus 48” faz parte do Programa Europeu de Microgravidade (PEM) e tem como objetivo carregar experimentos para serem testados em ambiente de microgravidade. Este lançamento será o décimo segundo desse bem sucedido foguete brasileiro, sendo o nono vôo realizado na Europa. (Veja a descrição e vídeo do lançamento da "Operação Texus 49", ocorrida em 29/03/2011)

OPERAÇÃO MASER 12 (Confirmada)
Data de Lançamento: Janela aberta a partir de 26/11
Local: Centro Espacial de Esrange (Suécia)
Foguete: VSB-30
OBS: A “Operação Maser 12” faz parte do Programa de Microgravidade coordenado pelo Swedish Space Corporation (SSC) e tem como objetivo carregar experimentos suecos e de outros países para serem testados em ambiente de microgravidade. Este lançamento será o décimo terceiro desse foguete brasileiro, sendo o décimo vôo realizado na Europa.

OPERAÇÃO HIFIRE 5 (A ser confirmada)

Data de Lançamento: Novembro
Local: Centro de Lançamento de Woomera (sul da Austrália)
Foguete: VS-30/Orion
OBS: A Operação HIFIRE 5” faz parte de um programa chamado “Hypersonic International Flight Research Experimentation (HIFiRE)”, coordenado pelo Defence Science and Technology Organisation (DSTO) da Austrália e pelo US Air Force Research Laboratory (AFRL) dos EUA, e tem como objetivo investigar a ciência fundamental da tecnologia hipersônica e o seu potencial para geração de novos sistemas aeronáuticos. Vale lembrar que desde que esse foguete (composto pelo motor brasileiro S-30 em seu primeiro estágio, e pelo motor americano Improved Orion em seu segundo estágio) foi lançado em parceria com o DLR (Centro Aeroespacial Alemão) pela primeira vez do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) em 21/08/2000 ("Operação Baronesa"), já foram lançados cinco foguetes deste tipo, sendo dois no Brasil e três na Europa. Vale lembrar também que esse foguete foi utilizado no Programa Shefex ("Operação Shefex I"), no Programa HotPay ("Operação HotPay 2") e no Programa ICI ("Operação ICI-2"), todos europeus. Em minha modesta opinião o sucesso desse vôo é extremamente importante para o IAE e para as indústrias brasileiras envolvidas com a confecção desse motor S-30, já que poderá abrir uma nova janela de oportunidades comerciais para o mesmo, tanto na Austrália como nos EUA. Entretanto, mesmo sendo uma negociação via DLR, em nossa opinião deveria haver negociadores do governo oferecendo esse motor e outros foguetes brasileiros mundo afora, mas infelizmente falta visão a essa gente, e pior, vontade política de apoiar esse setor importantíssimo para o desenvolvimento de nossa indústria aeroespacial e conseqüentemente de nossa sociedade.

OPERAÇÃO ICI-3 (Pré-confirmada)

Data de Lançamento: Dezembro
Local: Sítio de Lançamento de Svalbard (Andoya Rocket Range - Noruega)
Foguete: VS-30/Orion
OBS: A “Operação ICI-3” faz parte de um programa de estudos trilateral da ionosfera coordenado pela Universidade de Oslo (UiO) da Noruega, pelo Instituto de Ciência Espacial e Astronáutica da Agência Espacial Japonesa (ISAS/JAXA) e pelo Laboratório de Física dos Plasmas (LPP) da França. Vale lembrar que se o cronograma for seguido, este deverá ser o sétimo lançamento desse foguete, sendo o quinto a ser lançado fora do Brasil.

OPERAÇÃO SHEFEX II (Pré-confirmada)

Data de Lançamento: Fevereiro de 2012
Local: Andoya Rocket Range (Andoya - Noruega)
Foguete: VS-40
OBS: A “Operação SHEFEX II” faz parte do programa alemão “SHarp Edge Flight EXperiment (SHEFEX)” que conta com a participação brasileira desde o seu inicio através do fornecimento dos veículos lançadores. Será o terceiro vôo desse versátil foguete que foi desenvolvido pelo IAE para testar tecnologias que seriam empregadas do VLS-1. Até agora o mesmo só foi utilizado em duas oportunidades ("Operação Santa Maria" e "Operação Livramento") ambas no Brasil e se for bem sucedido nesse vôo, poderá abrir também uma janela de oportunidades para sua comercialização na Europa. Vale lembrar que essa missão alemã levará abordo um experimento brasileiro relacionado com o Programa da SARA Orbital.

Duda Falcão


Fontes: IAE, DLR, DSTO e o AFRL

Comentários

  1. Cara muda esse nome...."Brazilian Space"!
    eu não suporto norte americano,eu entrei aqui por acaso...,pois já conhecia esta pagina a muito tempo,mas nunca tinha entrado nela por causa do nome americanizado pois eu achava que se tratava de uma pagina norte americana,dos imperialistas desgraçados ao qual eu os abomino...
    Mas tive uma agradável surpresa o seu blog é excelente adorei pois encontrei tudo que eu queria num lugar só,pois sempre estou procurando estar inteirado em noticias do(PEB).
    Só não vai levar um dez por causa do nome.
    Sem mais,...grato!

    ResponderExcluir
  2. Olá Dante!

    Seja bem vindo amigo. Agradeço a você pelo reconhecimento ao nosso trabalho, muito obrigado mesmo. Bom Dante, o nome "BRAZILIAN SPACE" já é um nome consolidado como fonte de consulta sobre as atividades espaciais e correlatas realizadas no Brasil, inclusive internacionalmente. Perdoe-me por discordar de você quanto a sua visão sobre imperialismo americano. Em nossa opinião eles só lutam pelos interesses deles de forma competente e cabe a nós aprendermos a lutar pelos nossos da mesma forma, como fizeram os franceses pós segunda guerra. Além disso, mesmo que não fosse esta a questão, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial