INPE Reúne Usuários do Programa de Clima Espacial

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (18/10) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o INPE promoverá nesta quinta-feira (20/10) um workshop com usuários de seu “Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (EMBRACE)”.

Duda Falcão

INPE Reúne Usuários do
Programa de Clima Espacial

Terça-feira, 18 de Outubro de 2011

Fenômenos que ocorrem no ambiente espacial podem interferir em sistemas de distribuição de energia, de defesa nacional, aeronaves, comunicação ou navegação por satélites, entre outros. Nesta quinta-feira (20/10), em São José dos Campos (SP), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) promove workshop com usuários de seu Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (EMBRACE), que estuda o comportamento do Sol e seus efeitos na Terra.

O workshop é uma oportunidade de ouvir opiniões e saber das necessidades tecnológicas em várias áreas. “O encontro com os usuários deve ajudar a direcionar nossas atividades futuras e nosso plano de ação de longo prazo”, diz Clezio De Nardin, pesquisador do EMBRACE/INPE e presidente da comissão organizadora do evento.

Participam usuários de empresas e instituições como Embraer, Azul Linhas Aéreas, Petrobras, Departamento de Controle do Espaço Aéreo, Eletrobrás, Furnas, Inmetro, UNESP e USP, entre outras.

A programação completa do “Workshop do Programa de Clima Espacial do INPE com Usuários” está no site www.inpe.br/climaespacial/workshop2011usuarios

EMBRACE

O Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (EMBRACE) avalia os fenômenos solares que afetam o meio entre o Sol e a Terra, e o espaço em torno da Terra.

Fenômenos solares são capazes de causar interferências em sistemas como o GPS, além da possibilidade de induzir correntes elétricas em transformadores de linhas de transmissão de energia e afetar a proteção de dutos para transporte de óleo e gás. Estes fenômenos são particularmente mais intensos no ambiente espacial brasileiro, devido à grande extensão territorial do país, distribuída ao norte e ao sul do equador geomagnético, à declinação geomagnética máxima e à presença da Anomalia Magnética do Atlântico Sul.

O EMBRACE oferece informação em tempo real, na internet, e realiza previsões sobre o sistema Sol-Terra para diagnósticos de seus efeitos sobre diferentes sistemas tecnológicos, em áreas como navegação e posicionamento por satélite (aeronaves, embarcações, plataformas petrolíferas, agricultura de precisão), comunicação (satélites geoestacionários, aeronaves), distribuição de energia (linhas de transmissão, dutos de distribuição de gás natural e petróleo), além dos sistemas de defesa nacional.

Por meio de estudos sobre os processos eletrodinâmicos da ionosfera equatorial e de baixas latitudes, os pesquisadores do INPE monitoram parâmetros físicos como características do Sol, do espaço interplanetário, da magnetosfera, ionosfera e da mesosfera.

As informações estão disponíveis no Portal EMBRACE: www.inpe.br/climaespacial



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentários

  1. Olá uma coisa que eu vi hoje mas não tem nada haver com Brasil ,é que Soyuz será lançado na quinta-feira (20) da Guiana Francesa ,preferia que estivesse sendo lançado de Alcântara ao in vez do Cyclone 4 , mas no Brasil vc ja sabe como é as coisas ..
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Olá André!

    Na realidade havia uma proposta em negociação entre o MD do Brasil e a Roscosmos (acho que o nome era "Projeto Orion") na mesma época que o incompetente Roberno Amaral recebeu o apoio político do humorista Lula para levar avante esse acordo vergonhoso com os ucranianos, inviabilizando assim o acordo com os russos e por tabela toda relação com os mesmos e atrasando também o desenvolvimento do motor L75. Fazer o que?

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial