sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Itália Quer Cooperar com o Brasil na Área de Lançadores

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (07/10) no blog “Panorama Espacial” do companheiro jornalista André Mileski, onde o mesmo nos traz a informação de que o Brasil e a Itália poderão cooperar no desenvolvimento conjunto de um novo lançador de satélites baseado no foguete VEGA.

Duda Falcão

Lançadores: Itália Quer Cooperar com o Brasil

André Mileski
07/10/2011


Segundo informações recebidas pelo blog Panorama Espacial, Brasil e Itália podem cooperar no desenvolvimento conjunto de um novo lançador baseado no foguete VEGA (Vettore Europeo di Generazione Avanzata).

A possibilidade foi um dos assuntos discutidos por Marco Raupp, presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), e por Enrico Faggese, presidente da Agência Espacial Italiana (ASI), em reunião realizada ontem (05) na Cidade do Cabo, África do Sul, por ocasião do 62º Congresso Internacional de Astronáutica. Da reunião, participaram também os chefes de cooperação internacional da AEB e ASI, José Monserrat Filho e Augusto Cramarossa, respectivamente.

O VEGA representa o mais importante passo dado pela Itália na área de lançadores, responsável por cerca de 65% de todo o projeto, iniciado em 1998 pela ASI e Agência Espacial Européia. Trata-se de um lançador de quatro estágios (os três primeiros de combustível sólido e o último líquido), com capacidade de inserir cargas úteis de até 1.500 kg em órbitas circulares a 700 quilômetros de altitude. Seu desenvolvimento tem como prime contractor a ELV (European Launch Vehicle), joint-venture da ASI com a companhia italiana Avio. O primeiro vôo, a ser realizado a partir do centro espacial de Kourou e operado pela Arianespace, está previsto para acontecer em janeiro de 2012.

A possibilidade de cooperação com os italianos se soma aos interesses de franceses, alemães ucranianos e russos em desenvolver com o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE/DCTA) um novo lançador, de porte similar ao do VLS, como o blog tem noticiado ao longo dos últimos anos.


Fonte: Revista Tecnologia & Defesa via Blog “Panorama Espacial“ - André Mileski

Comentário: Essa noticia trazida pelo amigo jornalista André Mileski nos causa grande preocupação, pois demonstra a total falta de foco da AEB para com os programas de veículos lançadores já em curso no Brasil. Poxa, temos um grande e exitoso acordo com o DLR alemão na área de desenvolvimento de foguetes de sondagens que agora inclui também o desenvolvimento do VLM-1, temos um acordo com os russos que envolve a formação de pessoal na área de motores-foguetes líquidos, auxilio no desenvolvimento do motor-foguete líquido L75, auxilio no projeto do lançador VLS-Alfa, além de possibilidades de parceria no desenvolvimento dos outros veículos lançadores da família Cruzeiro do Sul, e finalizando temos o acordo desastroso e dispensável com a Ucrânia que dizem, renderá no futuro o desenvolvimento conjunto de um lançador. Parece até que o orçamento do PEB é de 19 bilhões de dólares anuais como o da NASA, ou de 3.5 bilhões de dólares como o da China, ou mesmo o de 2,5 bilhões como o da Rússia. Para com isso Raupp, concentra seus esforços nos acordos existentes. Senta com a coordenação do "Programa Cruzeiro do Sul", procura se informar o que é necessário fazer para acelerar o processo e melhorar as relações com os russos, esse é o caminho. O pessoal do programa “Cruzeiro do Sul” coordenado pelo competentíssimo Paulo Morais Jr., tem boas relações com o pessoal da ROSCOSMOS, e existe o interesse de ambas as partes. Deixe de inventar coisa, você é um homem inteligente, capaz, competente e contamos muito com você. Vamos a luta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário