INPE e Boeing Assinam Acordo

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (11/12) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o instituto assinou nesta terça-feira uma carta de intenções com a Boeing Research & Technology para fomentar parcerias em áreas.

Duda Falcão

INPE e Boeing Assinam Acordo

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2012

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e a Boeing Research & Technology assinaram nesta terça-feira (11/12) carta de intenções para fomentar parcerias em áreas como sensoriamento remoto para a gestão de culturas energéticas, desenvolvimento de sensor de órbita baixa, monitoramento da influência da ionosfera em sinais de GPS e integração de sensores para nanossatélites.

“O INPE e a Boeing planejam trabalhar conjuntamente para explorar potenciais colaborações de pesquisa e desenvolvimento de interesse mútuo. Isso será realizado de acordo com legislação de seus países e, inicialmente, terá por foco as áreas de Observação da Terra, Ciência Espacial e Atmosférica e o CTE (Centro de Tecnologias Especiais)”, declarou o diretor do INPE, Leonel Perondi.

A Boeing, que já mantém parceria com a Embraer, está buscando cooperações nas instituições de pesquisa brasileiras de ponta do setor, como o INPE e o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA).

“A Boeing está comprometida em trabalhar em parceria com o Brasil para desenvolver tecnologias que possam ser usadas em escala global e esses acordos são mais um passo para a conquista dessa meta", disse Donna Hrinak, presidente da Boeing Brasil, que acompanhou a assinatura na sede do INPE, em São José dos Campos (SP), ao lado de Al Bryant, vice-presidente da Boeing Research & Technology no Brasil.

A Boeing Research & Technology é a organização de pesquisa avançada, tecnologia e inovação da empresa e trabalha para fornecer soluções tecnológicas inovadoras para os atuais e futuros sistemas e serviços de aviação.

O acordo entre as duas instituições foi assinado por Leonel Perondi e Matthew Ganz, vice-presidente e diretor geral da Boeing Research & Technology, para quem “a parceria beneficiará a indústria aeroespacial como um todo”. Confira aqui o discurso do executivo da Boeing durante evento no INPE.

Foto: Claudio Capucho
Vice-presidente da Boeing Research & Technology e diretor
do INPE assinam acordo que visa parcerias de interesse mútuo


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Comentário: Já disse o que penso dessa notícia leitor. Podem até me chamar de paranoico, mas a verdade é que acordos com uma empresa como a Boeing que tem estreito relacionamento com o serviço secreto americano (CIA), não foi, não é e nunca será uma boa ideia. Sinceramente é muito preocupante ter americanos circulando livremente pelos corredores tanto do INPE como do DCTA, pessoas que entre elas podem ser facilmente infiltrados agentes da CIA com objetivo de espionar os nossos laboratórios ou  recrutar colaboradores entre brasileiros de moral discutível. Isso não é ficção cientifica e existem indícios de já ter acontecido antes em outros países justamente envolvendo o nome da Boeing. Os americanos são muito hábeis e experientes nessas ações e para mim isso é um tremendo erro. Chamo atenção dos órgãos de segurança e contra-espionagem (principalmente os militares) que fiquem atentos a essa iniciativa, pois isso não está me cheirando bem.

Comentários

  1. Essa iniciativa me da arrepios, não acredito que o Brasil possa levar qualquer benefício nessa parceria, se no minimo os EUA estiverem bem intencionados irão adquirir conhecimento com nossos técnicos e se não estiverem ja nem sei o que pode acontecer.Sou totalmente contra e isso não é nem um tipo de antiamericanismo, pois com tantos fatos ja comprovados como diz o ditado "gato escaldado tem medo de...."

    ResponderExcluir
  2. Talvez irão sabotar novamente o lançamento VLS...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial