CLA Lança VS-30/Orion e Encerra Operações em 2012

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (10/12) no jornal “O Estado do Maranhão”, destacando que o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) lançou com sucesso no sábado 08/12 o Veículo de Sondagem VS-30/Orion, encerrando assim as operações de lançamento do centro no ano de 2012.

Duda Falcão

Geral

CLA Lança Veículo de Sondagem e
Encerra Operações em 2012

Este ano, foram realizadas nove operações e oito lançamentos,
com sucesso; CLA investirá em obras no próximo ano para
lançamento de Veículo Lançador de Satélites em 2014

Leandro Santos
Enviado Especial
O Estado do Maranhão
10/12/2012

Fotos/Douglas Júnior
Equipe se prepara para lançamento do
foguete de sondagem VS-30/Orion, no CLA

Coronel Medeiros, coordenador da Operação
Iguaíba, explica como é realizada operação

Divulgação
VS-30/Orion minutos antes do
lançamento, na noite de sábado

Na noite de sábado, dia 8, o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) realizou o lançamento do foguete de sondagem VS-30/Orion finalizando a Operação Iguaíba e as atividades do centro este ano com nove operações e oito lançamentos realizados com sucesso. De acordo com o tenente-coronel César Demétrio Santos, diretor do CLA, para 2013 o centro investirá em obras para que, em 2014, possa ser feito o lançamento do Veículo Lançador de Satélites (VLS).

Uma equipe de 210 profissionais participou do lançamento realizado no sábado. A operação, iniciada no dia 19 de novembro, foi realizada em conjunto com o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), com objetivo de lançar e rastrear o foguete de sondagem, contendo uma carga útil, formada por cinco experimentos científicos. A atividade também visava manter a operacionalidade do centro de lançamento, proporcionar treinamento às diversas equipes envolvidas na atividade e dar prosseguimento ao Programa Espacial Brasileiro, em coordenação com a Agência Espacial Brasileira (AEB).

Lançamento - O VS-30, chamado de primeiro estágio, foi produzido pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), organização subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), enquanto o segundo estágio, o propulsor Orion, foi fornecido pelo Centro Espacial Alemão (DLR) como resultado da colaboração ao Programa Espacial Brasileiro. Aos dois estágios, foi acoplada uma carga útil com experimentos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), do IAE e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

O lançamento do veículo estava previsto para acontecer na sexta-feira, dia 7, às 19h, mas, por causa dos fortes ventos que sopravam minutos antes do lançamento do VS-30/Orion, a equipe de técnicos do CLA decidiu adiar a atividade. Uma nova tentativa de lançamento seria feita no sábado, porém, segundo as análises meteorológicas que foram feitas ainda na sexta-feira, havia pouca possibilidade de a atividade ser um sucesso, pois os ventos comprometeriam novamente a ação. De acordo com as previsões, as condições meteorológicas estariam favoráveis apenas no domingo, dia 9.

Contudo, no sábado, contrariando as previsões, os técnicos do CLA perceberam uma mudança climática favorável ao lançamento do veículo e a atividade pôde ser realizada com sucesso. O foguete foi lançado às 19h, alcançando uma altitude de 428,12 km. O tempo de voo foi de aproximadamente 11 minutos e o VS-30/Orion caiu no mar, percorrendo uma distância de 382,69 km em relação ao local de lançamento.

Experimentos - De acordo com José Bezerra Pessoa Filho, da divisão de sistemas espaciais do IAE, o principal objetivo do lançamento era levar a carga útil para uma altitude específica, para que os testes pudesses ser feitos. Dentro do veículo, havia cinco experimentos: uma sonda Langmuir, feita pelo INPE, que permitiu fazer análises na Ionosfera; um sensor de Unidade de Medida Inercial (UMI), também feito pelo INPE, que permitiu ao técnicos do CLA saber como o veículo se comportou durante o voo; um receptor GPS aeroespacial, desenvolvido pela UFRN; e duas chaves acelerométricas - uma eletrônica e uma mecânica - ambas desenvolvidas pelo IAE que permitiram dar mais segurança ao foguete durante o voo.

Diferentemente de atividades anteriores, o lançamento do VS-30/Orion foi realizado à noite para que os testes pudessem ser feitos. "Era necessário que o lançamento fosse feito uma hora após o pôr do sol e até, no máximo, duas depois", afirmou Bezerra.

De acordo com o coronel Luiz Guilherme Silveira de Medeiros, coordenador da Operação Iguaíba, existiram etapas que foram cumpridas antes do lançamento do foguete. "Antes, existe todo um planejamento, quando são determinadas as particularidades do lançamento, pois temos experimentos para serem feitos. Depois temos os relatórios, no quais colocamos as lições que aprendemos: o que acertamos e o que podemos melhorar para aumentar a nossa eficiência", disse.

MAIS

Dados do lançamento do VS- 30/Orion

Comprimento total do foguete: 8,870 metros;
Apogeu: 428,12 km;
Tempo total de voo: aproximadamente 11 minutos;
Distância percorrida em relação ao local de lançamento: 382,69 km.

Centro Ampliará Estrutura para Lançamento de VLS

Para o próximo ano, o centro ampliará sua estrutura para que em 2014 seja feito o lançamento do Veículo Lançador de Satélites (VLS).

No dia 22 de agosto de 2003, o VLS-1 explodiu por volta das 13h30 na base de Alcântara, três dias antes de seu lançamento, matando 21 pessoas. Desde então, o centro se prepara para voltar a realizar a atividade, fazendo testes com Foguete de Treinamento Básico (FTB). Durante o acidente, a Torre Móvel de Integração (TMI), que possibilita o lançamento de Veículos Lançador de Satélites, foi totalmente destruída e outra teve de ser edificada no local.

De acordo com o diretor do CLA, tenente-coronel César Demétrio Santos, a nova TMI está quase pronta e tem tecnologia superior à que foi destruída durante a explosão em 2003, o que aumenta a segurança das operações de lançamento.

"Para voltar a ter o lançamento do VLS, faz-se necessário não apenas a Torre Móvel de Integração, mas sim algumas obras. Após o acidente, uma comissão de pesquisadores russos fez análises e informaram sobre sistemas que deveriam ser incorporados para que nós pudéssemos ter novamente o voo. Estávamos tendo alguns problemas com relação à licença do IBAMA, mas conseguimos essa licença”,disse.

Outras providências também já foram tomadas, conforme o diretor do CLA. “Fizemos em outubro e novembro as concorrências públicas, já temos as empresas vencedoras e em janeiro será o início das obras. Algumas delas terminarão em 2013 e outras em 2014. Com isso, vamos atender a todas as recomendações que foram colocadas pelos especialistas russos", frisou o diretor do CLA.


Fonte: Jornal O Estado do Maranhão - pág. 06 - 10/12/2012

Comentário: Bom, espero e torço que o lançamento do VLS que o Tenente-Coronel César Demétrio Santos está se referindo não seja o VLS-1 VSISNAV e sim o VLS-1 VO4. Pois se assim for o IAE estará cumprindo o cronograma anterior de lançamento de 2010. Entretanto, para que isso aconteça em 2014 eles antes teriam de lançar também o VLS-1 XVT-02, e cá para nós, dois voos desse porte no mesmo ano acho isso muito difícil de acontecer, mas...Aproveitamos para agradecer publicamente ao leitor maranhense Edvaldo Coqueiro pelo envio dessa matéria.

Comentários

  1. Estranhei o "quase pronta" sobre a TMI...

    A essa altura ela já não estaria totalmente concluída?

    Ou será que se referiam a obras na infraestrutura auxiliar?

    ResponderExcluir
  2. "Para voltar a ter o lançamento do VLS, faz-se necessário não apenas a Torre Móvel de Integração, mas sim algumas obras."

    Talvez aquele dinheiro enviado pelo governo para "Obras no centro de Alcantra", que estavamos pensando que iria para a ACS, afinal possam ir mesmo para a TMI. Creio que faz sentido, porque não será somente o VLS que vai ser lançado, mas também o VLM. Esperemos que com a conclusão dos sistemas inerciais e da parte elétrica tenhamos o lançamento do VLS-1 VO4 jogado para 2014 mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Tenho vontade de me mudar para o Maranhão, só para ficar mais próximo de tudo isso, atualmente moro em MS.Tambem gostaria de formar um grupo para divulgar a area espacial nas escolas, alguem poderia me dar alguma dica de como começar?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial