Brasileiros Colab. na Pesquisa Ganhadora do Nobel de Física

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (21/12) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) destacando que físicos brasileiros participaram da pesquisa ganhadora do Nobel de Física desse ano.

Duda Falcão

Brasileiros Colaboram na Pesquisa
Ganhadora do Nobel de Física

21/12/2012 - 15:16

Os pesquisadores brasileiros Luiz Davidovich e Nicim Zagury, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) fazem parte do grupo de cientistas que descobriu métodos inovadores para medir e manipular sistemas quânticos individuais. Esse trabalho recebeu o Prêmio Nobel de Física, entregue na semana passada, em Estocolmo, durante a cerimônia de premiação realizada anualmente pela Real Academia Sueca de Ciências.

A pesquisa, comandada pelo marroquino (naturalizado francês) Serge Haroche, do Collège de France, e pelo americano David J.Wineland, da Universidade do Colorado, desenvolveu formas de medir partículas quânticas (de escala minúscula) sem destruí-las.

Luiz Davidovich, que iniciou a colaboração com Haroche, em 1986, em Paris, conta que os trabalhos desenvolvidos pela dupla homenageada permitiram controlar, por exemplo, a interação de um único átomo com um fóton, experimento considerado impensável há 50 anos, como escreveu, em 1952, o físico austríaco Erwin Schrödinger, um dos fundadores da física quântica (teoria física que estuda sistemas físicos com dimensões próximas ou abaixo da escala atômica, como moléculas, átomos, elétrons, prótons). 

“Isso era tão improvável quanto criar um ictiossauro [répteis marinhos extintos do período Triássico e que podiam atingir 15 metros de altura] num jardim zoológico", compara o pesquisador brasileiro. “Então o Prêmio Nobel foi dado pelo desenvolvimento do que poderíamos chamar de tecnologias quânticas e que levaram ao controle desses sistemas individuais”, acrescenta.

No trabalho de Serge Haroche, foram desenvolvidos espelhos especiais, que permitiram construir cavidades, como se fossem caixas, capazes de armazenar fótons por um longo período, com o posterior envio e interação com um átomo. Já o Wineland conseguiu aprisionar átomos em armadilhas eletromagnéticas e fazer com que um único átomo interaja com feixes de laser de maneira controlada.

A perspectiva é de se utilizar as tecnologias na área de segurança da informação (criptografia quântica) e na criação de computadores avançados.  Davidovich cita, como exemplo, o caso de uma votação realizada em Genebra, Suíça, em que os dados de cada urna foram transportados para a central, via eletrônica, usando métodos de proteção de informação desenvolvidos recentemente, que aproveitaram propriedades da física quântica. Outra aplicação seria para computadores quânticos: muito mais rápidos que os atuais e capazes de resolver problemas hoje considerados impossíveis com os equipamentos existentes.

Colaboração Brasileira

O professor de física da UFRJ e membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC) trabalhou em conjunto com o pesquisador francês no desenvolvimento de um dispositivo chamado micromaser - uma espécie de laser que funciona na região de microondas microscópica, com poucos átomos e fótons, de cada vez, com propriedades quânticas consideradas interessantes pelos estudiosos do assunto.

Após a experiência em 1986, o brasileiro retornou, várias vezes, à França, e Haroche também veio ao Brasil; o que resultou em novas propostas de experimentos, tendo a colaboração de outro pesquisador brasileiro, o físico Nicim Zagury, da mesma universidade.  Ainda, o professor titular do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP), Paulo Alberto Nussenzveig, fez a sua tese de doutorado num dos grupos do pesquisador francês.

“Então há um histórico de colaboração dos físicos brasileiros com o grupo de Serge Haroche, em Paris. O prêmio coroou uma série de trabalhos e aponta para a importância dessa linha de pesquisa”, observa Davidovich. Para o físico, as tecnologias utilizadas abrem a possibilidade de aprofundamento no estudo da física quântica, que levou ao desenvolvimento dos lasers, dos transistores -que resultaram nos computadores atuais – e dos materiais de supercondutores.
Brasil no caminho.

Para Davidovich, o Brasil pode trilhar o caminho rumo à conquista de um Prêmio Nobel, mas, para isso, precisaria tomar medidas no sentido de facilitar esse caminho. Uma delas passa pela melhoria do sistema de educação básica para possibilitar que mais brasileiros participem dessa corrida. “Nós temos milhões de cérebros no Brasil desperdiçados e que poderiam estar contribuindo para o nosso desenvolvimento científico e tecnológico; esse é um fator de obstáculo para o país”.

Ele cita exemplos de países, como a França, os Estados Unidos e a Alemanha, que têm conquistado prêmios e conseguido isso por meio de um processo de focalização. “Eles têm instituições de pesquisa diferenciadas que permitem atender não só uma grande massa de pessoas que querem ter uma educação de nível superior, mas também dar atenção especial e encaminhamento adequado aos estudantes mais talentosos”.

O físico também reconhece a evolução da ciência no Brasil, nos últimos anos, quando o governo passou a dar maior apoio à pesquisa e a utilizar fundos setoriais. Isso refletiu, segundo ele, num crescimento apreciável da pesquisa no Brasil.  “Se continuarmos neste processo de apoio consistente e contínuo à ciência do país, nós vamos chegar lá”, previu.

Para o pesquisador, o programa Ciência sem Fronteiras (CsF), do governo federal, é uma das ações que podem contribuir neste processo. A iniciativa – que visa conceder 101 mil bolsas a estudantes brasileiros no exterior até 2015, além de promover o intercâmbio de pesquisadores - é executada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), agência de fomento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC).

Para se alcançar o êxito esperado, ele considera fundamental o acompanhamento dos participantes ao retornarem ao país, a oferta de laboratórios bem equipados e empresas dedicadas à pesquisa e ao desenvolvimento para que eles possam trabalhar. “Então é preciso desenvolver essa infraestrutura de modo conveniente para que possamos aproveitar o que eles aprenderam lá fora”.



Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)

Comentário: Grande notícia para a Física Brasileira e os físicos desse país estão de parabéns. Estou vibrando com essa notícia e também acredito num Prêmio Nobel para o Brasil em breve, talvez até antes de eu passar dessa para o chamado mundo espiritual. Vamos ver.

Comentários

  1. Aí está outra prova clara da má gerencia dos sucessivos governos. O Brasil tem potencial para ganhar um Nobel, é um país enorme, conhecido por ter gente criativa, tem ótimos profissionais em várias áreas de trabalho, mas a falta de apoio tem deixado o Brasil escapar esse reconhecimento. Também acredito que virá um Nobel para o Brasil não tardará muito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial