Operação Iguaíba

Descrição da Campanha

Data do início da campanha: 19/11/2012
Operação: Operação Iguaíba (primeira etapa)
Foguete:  Foguete de Treinamento Intermediário (FTI)
Numero do voo do foguete: 8
Data de lançamento: 29/11/2012
Horário:  15h52 (horário local)
Local:  Centro de Lançamento de Alcântara (CLA)
Apogeu do vôo:  52,39 Km
Tempo de vôo:  108s
Objetivo: Teve como objetivo servir como teste das equipes de operações e meios disponíveis em Alcântara visando o lançamento do foguete VS-30/ORION V10 previsto para ocorrer na segunda etapa da operação.
Resultado:  Operação bem sucedida

Experimentos Embarcados:

- Não houve

Operação:  Operação Iguaíba (segunda etapa)
Foguete:  VS-30/Orion V10
Numero do voo do foguete: 9
Data de lançamento:  08/12/2012
Horário: 19h00 (horário local)
Local:  Centro de Lançamento de Alcântara (CLA)
Apogeu do vôo:  428 km
Tempo de vôo:  342,27s
Objetivo: Testar em voo 5 experimentos científicos de instituições e universidades brasileiras.
Resultado: Operação de sucesso total

Experimentos Embarcados:

- Sonda de Langmuir (LP) do INPE;

- Unidade de Medidas Inércias (IMU na sigla em Inglês) do INPE;

- Receptor GPS para Aplicações Espaciais da UFRN;

- Chave Mecânica Acelerométrica do IAE;

- Chave Eletrônica Acelerométrica do IAE.

OBS: A carga útil desse foguete foi chamada de “INPE 14”, e foi composta pelos cinco experimentos científicos acima que serão descritos no final deste relatório.

Instituições Envolvidas:

AEB - Agência Espacial Brasileira
DCTA - Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial
IAE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
DLR - Centro Aeroespacial Alemão
CLA - Centro de Lançamento de Alcântara - Alcântara-MA
CLBI - Centro de Lançamento da Barreira do Inferno - Natal-RN
INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Primeira Etapa - 29/11/2012
Foguete de Treinamento Intermediário (FTI)

O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) lançou com sucesso dia 29/11 um Foguete de Treinamento Intermediário (FTI) como parte integrante (primeira fase) das atividades relativas a “Operação Iguaiba”, realizada em conjunto com o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), sendo iniciada dia 19/11 em Alcântara, e tendo como objetivo principal o lançamento e rastreamento do foguete de sondagem VS-30/ORION V10 na segunda etapa da operação.

O FTI foi lançado às 15h52 (horário local), conforme os parâmetros previstos, tendo o foguete alcançado à altitude máxima prevista [apogeu] de 52,39 km em 108 segundos, sendo que do ponto de lançamento até o local de impacto o foguete percorreu 82,58 km, gastando ao todo 215 segundos de voo.

O lançamento do FTI serviu como teste das equipes de operações e meios disponíveis em Alcântara visando o lançamento do foguete VS-30/ORION V10 previsto para ocorrer na etapa seguinte (segunda etapa) da operação.

Vale lembrar que o Foguete de Treinamento Intermediário (FTI), é outro modelo de foguete do projeto conhecido como FOGTREIN, onde também faz parte o Foguete de Treinamento Básico (FTB), ambos desenvolvidos pela empresa brasileira Avibrás, em parceria com o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), e com o apoio da Agência Espacial Brasileira (AEB). O projeto tem o propósito tanto de capacitar o pessoal de operações, como verificar os meios associados aos lançamentos e também de obter a certificação e qualificação desses foguetes.

Foi sétimo lançamento do ano nessa unidade da Força Aérea no estado do Maranhão. Anteriormente o CLA já havia lançado seis Foguetes de Treinamento Básico (FTB), e com o final dessa operação encerrou o cronograma anual do Centro para lançamentos de foguetes de treinamentos.

FOGUETE DE TREINAMENTO INTERMEDIÁRIO (FTI):

Comprimento total: 5.5 m
Apogeu alcançado: 52,39 km
Tempo total de voo gasto: 215 s
Peso reservado para experimentos: 30 kg (sem experimentos embarcados)
Distância percorrida relativa ao local de lançamento: 82,58 km

Vídeos da Operação Iguaíba - Primeira Etapa

Reportagem da TV Difusora de São Luís (MA) - 29/11/2012

Lançamento do FTI – 29/11/2012

Fotos da Operação Iguaíba – Primeira Etapa


Segunda Etapa - 08/12/2012
Foguete de Sondagem VS-30/ORION V10

Foi lançado dia 08/12 com sucesso, do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão, o foguete de sondagem VS-30/ORION, etapa final (segunda etapa) da Operação Iguaíba, iniciada no dia 19/11 na Base de Alcântara.

Inicialmente o lançamento estava previsto para ocorrer no dia 07/12, mas teve de ser adiado em função dos fortes ventos que atingiam a região. No sábado, dia 08/12, com a melhora das condições climáticas, o lançamento do foguete ocorreu com sucesso pontualmente às 19 horas (horário local), portando uma carga útil com experimentos científicos de diversas instituições brasileiras e envolvendo uma equipe de cerca de 210 profissionais.

O VS-30/Orion foi rastreado por radares de localização situados em Alcântara e no município de Raposa, vizinho a São Luís, capital do estado, sendo que o Centro de Lançamentos da Barreira do Inferno (CLBI), em Parnamirim, no Rio Grande do Norte, atuou como estação remota de rastreio.

O foguete atingiu o apogeu (altitude máxima) de 428 km em pouco mais de 5 minutos de voo, tendo percorrido uma distância total de 382,69 km em relação ao local de lançamento até sua queda no Oceano Atlântico. Ao todo, o foguete voou por aproximadamente 11 minutos.

Segundo o Coordenador Geral da Operação Iguaíba, o Coronel Luiz Guilherme Silveira de Medeiros, o sucesso da operação e contribuiu para o país. “Todos os planejamentos foram feitos, todos os requisitos que levariam ao sucesso da operação foram seguidos. E tudo isso vai envolver um ganho de desenvolvimento tecnológico, não só para o Comando da Aeronáutica, mas também para o INPE, para a Agência Espacial Brasileira e as nossas universidades, no caso a UFRN, que estava participando com um experimento de um GPS espacial”, completou o coronel.

Vale dizer que esta operação foi fruto da cooperação Brasil-Alemanha na área espacial. O VS-30, chamado de primeiro estágio, foi produzido pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), organização subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), enquanto o segundo estágio, o propulsor Improved Orion, de origem norte-americana, foi fornecido pelo Centro Espacial Alemão (DLR) como resultado da colaboração com o Programa Espacial Brasileiro, e foi sobre esses dois estágios que foi acoplada uma carga útil com experimentos do INPE, da UFRN e do próprio IAE.

Este lançamento apoiou o projeto de pesquisa do INPE intitulado “Estudos da Ionosfera e Alta Atmosfera com Experimentos Embarcados a Bordo de Foguetes e Satélites” e integra o Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), sob coordenação da Agência Espacial Brasileira (AEB).

Além disso, o veículo seguiu com um experimento embarcado visando o desenvolvimento de sistema GPS para uso espacial, realizado em cooperação entre a UFRN e o IAE, com suporte financeiro da AEB. Dois experimentos científicos também acoplados a essa carga útil, um eletrônico e outro mecânico, desenvolvidos pelo IAE, auxiliarão no desenvolvimento de sistemas de segurança utilizados em veículos aeroespaciais.

VEÍCULO DE SONDAGEM VS-30/ ORION V10

Comprimento total: 8.870 mm
Apogeu alcançado: 428 km
Tempo do apogeu: 342,27s
Tempo total de voo: 651,72s
Distância percorrida relativa ao local de lançamento: 382,69 km

Experimentos do vôo do foguete
VS-30/Orion da “Operação Iguaíba

* Sonda de Langmuir (LP) do INPE;

Teve como objetivo fazer a coleta de dados de voo para um posterior estudo da ionosfera, camada atmosférica que se localiza entre sessenta e mil quilômetros de altitude. A análise dessa camada acarreta em uma contribuição ao sistema brasileiro de previsão do clima espacial. O INPE prevê a repetição anual desse experimento por 5 anos, sendo esta a segunda.

* Unidade de Medidas Inércias (IMU na sigla em Inglês) do INPE;

Consistiu na inserção de sensores adaptados às condições de voo, de modo que seja possível obter, de tempo em tempo, informações precisas sobre a atitude do foguete, ou seja, a posição e a orientação do artefato espacial em cada instante de voo em relação a um sistema de coordenadas. Essa pesquisa do INPE será útil nos lançamentos envolvendo satélites e foguetes satelitizadores.

* Receptor GPS para Aplicações Espaciais da UFRN;

O objetivo maior do experimento da universidade potiguar foi conseguir obter informações precisas (através de um receptor GPS preparado para suportar altíssimas velocidades) sobre a posição da carga útil durante o voo. Para efeito de comparação, o que a URFN busca fazer, no ambiente espacial, é similar ao que é permitido fazer em carros e celulares em espaço terrestre no que tange ao posicionamento e à informação geográfica.

* Chave Mecânica Acelerométrica e Chave Eletrônica Acelerométrica do IAE.

A inserção dessas duas chaves acelerométricas (uma mecânica e outra eletrônica) possuiu como finalidade aumentar a segurança do veículo espacial.

A primeira visou isolar a rede elétrica entre a fonte de alimentação e o iniciador pirotécnico, enquanto, a segunda, permitiu os pesquisadores do IAE observassem o comportamento dessa chave na fase pré-voo e nas demais fases, de modo a evitar o acionamento intempestivo de alguma parte do foguete.

Vídeos da Operação Iguaíba - Segunda Etapa


Reportagem dos Preparativos para Segunda Etapa da Operação
Jornal JMTV 2ª Edição – TV Mirante - 08/12/2012


Operação Iguaíba

Reportagem do Lançamento do VS-30/Orion
Jornal da Globo - Rede Globo - 10/12/2012

Lançamento do VS-30/Orion – 08/12/2012

Fotos da Operação Iguaíba – Segunda Etapa



Fonte: Diversas

Comentários

  1. Apareceu até na Globo. Esperemos que o cronograma do VLS para 2013 se cumpra sem problemas.

    O próximo lançamento vai ser a do SARA suborbital?

    ResponderExcluir
  2. Caro Israel!

    Eu espero que sim e deve ocorrer ainda no primeiro semestre, logo após a "Operação Santa Bárbara" que irá testar as redes elétricas do VLS-1, para então lançar o VLS-1 VSISNAV no final de 2013. Vamos torcer. Porém, tem um voo de um VSB-30 do "3º AO (3º Anúncio de Oportunidade)' do "Programa Microgravidade" da AEB que está superatrasado e pode complicar todo o cronograma de lançamentos. Teremos de esperar a primeira notícia do ano vinda do CLA através das matérias do jornal "O Estado do Maranhão", para que venhamos ter maiores informações sobre esse cronograma.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022