Projeto Hexafly-INT - Afinal VS-43 ou V-50, Qual Será o Foguete Usado Nesta Missão????

Olá leitor!

Resolvi escrever essa nota porque tem uma situação relacionada com o esperado lançamento do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) em 2021 da carga útil do Projeto internacional Hexafly-INT, que está me incomodando muito por causa da inconsistência de informações sobre o assunto.

O projeto que é fruto de um consórcio internacional composto pela Agencia Espacial Europeia (ESA), a Austrália, a Federação Russa e bem recentemente o Brasil, este capitaneado pela Agencia Espacial Brasileira (AEB), tem como o objetivo o desenvolvimento de um planador hipersônico de 3 m de comprimento, para ser lançado do CLA em cima de um foguete de sondagem de um único estágio até uma altitude de quase 90 km.

Protótipo de HEXAFLY- INT.

Acontece leitor que segundo todos os documentos que eu encontrei na net até o momento sobre este projeto, indicam que o foguete brasileiro escolhido para essa missão será o foguete de sondagem VS-43, inclusive o “Periodic Report Summary 3 - HEXAFLY-INT”, documento publicado pelo “CORDIS - EU Research Results” que tem como a ultima data de atualização 07 de junho de 2019. O documento diz:

INGLÊS: The Hexafly-INT flight mission is based on the VBS-43 vehicle. The telemetry coverage plan comprises TM stations at CLA, Fortaleza and Natal to provide telemetry reception at all points.

With the successful S43 static firing in June 2017 the vibration loads of the S43 could be determined.

PORTUGUÊS: A missão de voo Hexafly-INT é baseada no veículo VBS-43. O plano de cobertura de telemetria inclui as estações da TM no CLA, Fortaleza e Natal para fornecer a recepção de telemetria em todos os pontos.

Com o sucesso da descarga estática S43 em junho de 2017, as cargas de vibração do S43 poderiam ser determinadas.”

Pois então leitor, note aqui que o documento chama o VS-43 de VBS-43. Teria sido um erro do digitador, ou o mesmo estaria se referindo a um VS-43 modificado e potencializado??? Não sei, mas o problema aqui é que a edição de dezembro do ano passado do “Jornal do SindCT” (veja aqui) publicou que em entrevista ao jornal, o então diretor do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), o Brigadeiro Engenheiro Augusto Luiz de Castro Otero (hoje o instituto é dirigido pelo Brigadeiro Engenheiro César Demétrio Santos que foi diretor do CLA - Centro de Lançamento de Alcântara), afirmou que por falta de recursos o projeto do foguete de sondagem VS-43 havia sido abortado.

Assim sendo leitor, o atualizado “Periodic Report Summary3 - HEXAFLY-INT” publicado pelo “CORDIS - EU Research Results”, e todo e qualquer documento da equipe de desenvolvimento deste projeto publicado na net após esta declaração do Brigadeiro Augusto Otero, não deveria está indicando mais o uso deste foguete abordado, mas não é o que acontece.

Além do mais, pelo que vem sendo divulgado pela FAB, e isto já há algum tempo (veja aqui nos comentários do post) é de que na realidade o foguete que será usado nesta missão será o esperado e agora em desenvolvimento foguete de sondagem VS-50.

Pois então caro leitor, o que será que está acontecendo??? Será que a parte estrangeira dessa missão (Europeus, Russos e Australianos) estão desinformados a tal ponto, ou é a parte brasileira que está viajando na maionese???

Sinceramente é curiosa toda essa situação leitor, e quem sabe possamos contar  de uma vez por todas com o esclarecimento do prestativo e antenado Coronel Aviador Lester de Abreu Faria, já que o mesmo é diretor do Instituto de Estudos Avançados (IEAv), que é uma das instituições brasileiras envolvidas com esta missão. Vamos aguardar.

Duda Falcão

Comentários

  1. Oi, amigo... É o Cel lester, Diretor do IEAv, para elucidar (ou pelo menos tentar) as suas dúvidas...
    Até onde eu estou acompanhando, as informações são as seguintes...
    VBS-43... não foi erro de digitação... é realmente o VS-43 com alterações para atender aos requisitos do HXI-INT, principalmente na parte de controle de atitude....
    É este que consta ainda nos documentos oficiais... e isso tem um motivo bem específico...
    Eles estão mantendo a coerência com os estudos iniciais que consideravam o VBS-43 até que o acordo seja formalmente atualizado e assinado por TODOS OS PARCEIROS.... A partir de então, entende-se que que eles vão atualizar os relatórios oficiais do projeto, mas isso não quer dizer que "eles estejam desinformados", como sugeriu.,... acho que tudo é pensado... o que deve estar acontecendo é que todos os parceiros estão cientes e refinando os estudos para o novo lançador... assim que todos assinarem, devem lançar uma nova versão dos relatórios, os quais devem estar "no forno" com os novos cálculos...
    Outra coisa que me chamou atenção e que desconheço, é que o projeto do VS-43 tenha sido abortado.. até onde eu sei, caso necessário lançar com este lançador, temos os recursos sim... não vai ser problema...
    Por enquanto é só, meu amigo...
    Um forte abraço e vamos voar!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Cel. Lester!

      Primeiramente uma vez mais obrigado pela sua pronta resposta. Bom coronel as informações passados pelo senhor são bem esclarecedoras, porém tenho mais algumas perguntas: O sistema de controle de atitude citado pelo senhor será fornecido pelo Brasil ou pelas outras contrapartes estrangeiras? E outra, esse novo foguete VBS-43 fará parte do portfólio de foguetes de sondagens brasileiro ou será filho único?

      Já quanto a informação de que o projeto do foguete VS-43 havia sido abortado, partiu do Brigadeiro Engenheiro Augusto Luiz de Castro Otero (na época diretor do IAE) que, em entrevista publicada na edição de dezembro de 2018 ao Jornal do Sindct afirmou:

      O Brigadeiro Otero admitiu que o foguete VS-43, que pretendia qualificar o sistema de navegação do VLM (também herdado do VLS-1), foi abortado por falta de recursos. “O VS-43 foi uma proposta, quando descontinuamos o VLS, para usarmos aquilo que tínhamos em estoque e cumprir uma das missões contidas no Plano Plurianual (2016-2019), que era realizar o voo de qualificação do sistema de navegação. Com um veículo de dois estágios, nós atingiríamos grande parte da missão prevista para o quarto protótipo do VLS [que nunca ficou pronto]. Nós propusemos este veículo, mas infelizmente não tivemos recursos para executar este projeto. Agora vamos qualificar o sistema de navegação também no VS-50”, concluiu.

      Sendo assim Cel. Lester, esta informação foi o ponto de partida de minha duvida, pois se o projeto havia sido abortado, não havia como ser usado no lançamento do Hexafly-INT e até aquele momento, não havia nada na net sobre este tal VBS-43, enfim...

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
    2. Maravilha , Cel lester, Diretor do IEAv, o novo lançador VSB-43 ou VBS-43 que dá no mesmo ! , é muito bom saber que este novo Projeto está Ativo e em breve teremos mais um Foguete na nossa Coleção de Foguetes Sondas Sub-Orbitais , estamos contentes com esta notícia.

      estamos aqui sempre torcendo POSITIVO para cada vez constatar uma Evolução do nosso PEB.

      Excluir
    3. Caros amigos, boa noite... pode ser que eu tenha me enganado então com relação ao VS-43... vamos manter a informação do Brig. Otero, Diretor do IAE e maior conhecedor dos projetos daquele Instituto naquela oportunidade... Como o Duda citou, houve uma declaração oficial e pode ser que eu tenha me equivocado quanto ao VS-43, ou VBS-43. Desconsiderem isso por enquanto... se eu tiver maiores detalhes eu informo...

      Excluir
    4. Boa noite Cel. Lester!

      Uma vez mais obrigado pela sua pronta resposta. Bom coronel e as duvidas vão aumentar ainda mais com a nota que vou postar no mais tardar amanhã. Em nossa opinião já passou da hora do COMAER publicar uma nota oficial esclarecendo o que está se passando, pois está parecendo um verdadeiro 'Samba do Crioulo Doido' onde ninguém demonstra está se entendendo neste projeto.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial