Small Satellite Launcher Rocket Lab Unveils Plans to Recover Its Rockets Midair With Helicopters

Hello reader!

It follows a news published day (08/06), in the website of THE VERGE, noting that the Rocket Lab unveils plans to recover its small launcher rockets midair with helicopters.

Duda Falcão

SCIENCE - SPACE

Small Satellite Launcher Rocket Lab Unveils Plans to Recover Its Rockets Midair With Helicopters

‘Rocket Lab is going reusable’

By Loren Grush
Aug 6, 2019, 7:13pm EDT

Image: Rocket Lab
An animation of how Rocket Lab’s recovery process will work.

Small satellite launcher Rocket Lab is following in the footsteps of rocket behemoth SpaceX with plans to make its rockets reusable. But Rocket Lab won’t be landing its vehicles in the same fashion as SpaceX’s Falcon 9. Instead, the company plans to catch its rockets in mid-air with a helicopter after they’ve fallen back to Earth.

Rocket Lab announced these plans today at the Small Satellite Conference in Utah. The company says the goal is to increase the frequency of launches of its primary rocket, called the Electron. By saving the vehicles when they return to Earth, Rocket Lab hopes to turn them around and re-launch them again as soon as possible. And that shouldn’t be too difficult since some of the vehicle’s machinery runs on electric batteries.

“The grand goal here is if we can capture the vehicle in wonderful condition, in theory, we should be able to put it back on the pad, charge the batteries up, and go again,” Peter Beck, Rocket Lab’s CEO, said during today’s announcement.

“WE SHOULD BE ABLE TO PUT
IT BACK ON THE PAD, CHARGE
THE BATTERIES UP, AND GO AGAIN.”

To recover its rockets, Rocket Lab envisions a complicated system involving ships, helicopters, and parachutes. After launch, the Electron rocket will ascend and break apart in space, with the upper portion of the rocket continuing deeper into orbit and the lower portion falling back to the planet. That bottom portion of the rocket will reenter Earth’s atmosphere — hopefully intact — and then deploy a parachute to slow its fall. In the meantime, a helicopter will take off from a ship and attempt to snag the rocket’s parachute in the sky. The helicopter will then deposit the rocket back at the ship.



The method shares a few similarities to how SpaceX lands its rockets, but the key difference is that the Electron won’t be landing itself on a solid platform with its own engine — what’s known as a propulsive landing. Beck says that’s because the smaller sized Electron couldn’t really accommodate this kind of recovery. “The fundamental reason for that is that takes a small launch vehicle and turns it into a medium-sized launch vehicle,” says Beck. “And we’re not in the business of building medium-sized launch vehicles. We’re in the business of building small launch vehicles.”

Rocket Lab’s entire business model is centered around the small satellite revolution. Originally, satellites cost millions of dollars to make and were built the size of school buses. But over the past decade, manufacturers have developed ways to make satellites smaller and smaller, thanks to standardization and miniaturization of consumer electronics.

“I FIND MYSELF IN THE
POSITION OF EATING MY HAT.”

Now, satellite operators are able to make vehicles the size of washing machines or cereal boxes. And those are the kinds of vehicles that Rocket Lab is focused on. The company’s 55-foot-tall rocket is only capable of lofting a maximum of 500 pounds (225 kilograms) into low Earth orbit. That’s a very small load compared to SpaceX’s Falcon 9 rocket, which can put up more than 50,000 pounds into low Earth orbit.

Originally, Beck thought it was impossible for the Electron to be recovered after launch, especially since the rocket generates a lot of heated shock waves when it comes back to Earth. But after having launched the rocket seven times now, the company gathered enough data from each flight that convinced the team something like this could be done. “I’ve said publicly a few times the various things that Rocket Lab would never do,” Beck says. “So unfortunately, I find myself in the position of eating my hat.”

Photo: Rocket Lab
  Rocket Lab’s Electron rocket at liftoff. 

This method of recovering rockets with helicopters isn’t a completely new idea. The United Launch Alliance proposed a similar process for recovering the engines on its future Vulcan rocket the company has been developing — though there hasn’t been much of an update on those plans.

Over the next few missions, Rocket Lab will add some major updates to the Electron leading up to the first attempted helicopter catch to help make the vehicle recoverable. The first major goal is to get the Electron through the atmosphere in one piece before attempting a helicopter recovery. Beck also says any future Rocket Lab customers should not be concerned about their payloads as changes are made to the rocket. “If you’re flying on us, don’t anybody panic, because all of these upgrades are completely standalone to Electron,” he says. “They don’t interface with any of the current flight systems. They’re all passive.”

“LAUNCH FREQUENCY IS THE
THING THAT IS GOING TO
CHANGE THIS INDUSTRY.”

While Rocket Lab hopes to eventually reduce prices of its Electron with reusability, the primary goal is to increase the company’s launch cadence. The company’s stated goal is to get to a point where it is launching up to 120 rockets a year — an unprecedented amount for a single company. So far Rocket Lab, which first went to space in 2017, has launched three missions this year. But the company is developing a second launch site in Virginia, apart from its primary site in New Zealand, in order to accommodate more launches annually.

“Launch frequency is the thing that is going to change this industry and quite frankly, going to change the world,” says Beck. “Because if we can get these systems up on orbit quickly and reliably and frequently, we can innovate a lot more and create a lot more opportunities.”


Source: Website THE VERGE - https://www.theverge.com

Comentário: Pois é leitor, tá ai a notícia. Enquanto aqui no Brasil continuamos deitados em berço esplendido esperando a banda passar, as inovações tecnológicas na área de pequenos lançadores continuam avançando rapidamente através de startups internacionais como esta Rocket LAB. Pois então amigo leitor, vou aqui continuar insistindo junto ao Governo Bolsonaro (e espero que esse apelo chegue ao presidente e ao ministro Marcos Pontes) para que se tome imediatamente um posição, pois o caminho mais rápido, eficiente e competitivo para que possamos entrar neste mercado está na iniciativa privada, através de nossas startups espaciais como a Acrux Aerospace Tecnologies, Airvantis, Criar Space Sistems, CLC Consultoria, ENSISTIS Sistemas, VSAT Aeroespace, entre outras, que já deviam ter sido desafiadas, e para tanto o governo tem de tomar a iniciativa se reunindo imediatamente com os seus representantes. Presidente Bolsonaro, Programa Espacial não é brincadeira, é coisa muito séria, gera recursos gigantescos, proporciona emprego, gera tecnologia de alto conteúdo tecnológico e de alto valor agregado (sem falar na área de defesa, estratégica para a nossa segurança como nação),  para ser utilizada em todas as áreas da sociedade, e presidente, o espaço é o futuro da humanidade, e estamos ficando para trás a passos largos. Já disse aqui que como seu eleitor, tenho consciência das dificuldades que o senhor tem enfrentado no campo politico lutando contra esses marginais vermelhos, e econômico devido ao caos que esses vermes causaram a economia do país, mas continuar utilizando isso como desculpa presidente é continuar colocando o setor espacial em segundo ou terceiro plano, ou seja, cometer os mesmos erros cometidos por governos anteriores e pior, perder ainda mais tempo correndo o risco de no final não realizar coisa nenhuma. Não quero aqui com isso dizer que o que está sendo feito sob o Comando da AERONÁUTICA deva ser abandonado, até porque por questões de Defesa as Forças Armadas brasileiras precisam ter acesso ao Espaço por seus próprios meios, mas para que sejamos realmente competitivos precisamos de soluções inovadoras, competitivas e dinâmicas presidente, só encontradas neste momento nas startups espaciais brasileiras. No inicio do ano passado presidente eu havia decidido finalizar as atividades do Blog BRAZILIAN SPACE por não mais acreditar no PEB e em suas fantasias, mas resolvi esperar a realização do “I Congresso Aeroespacial Brasileiro (CAB)”, evento este que foi realizado com sucesso de 01 à 03 de novembro em Foz do Iguaçu-PR,  e onde a comunidade espacial formulou um documento chamado “CARTA DE FOZ D0 IGUAÇU” entregue na época ao futuro Ministro Marcos Pontes para ser entregue em suas mãos. Este documento presidente (assinado que foi por mais de cem congressistas) continha 24 sugestões para o seu governo adotar, visando com isso o desenvolvimento do setor e do Programa Espacial Brasileiro como um todo, mas até agora poucas destas sugestões foram aceitas e o tempo está passando e continuamos no mesmo caminho de outrora, ou seja, deixando de ouvir quem realmente conhece os problemas do nosso ‘patinho feio’. Enquanto aguardava o Congresso presidente, mais precisamente em maio de 2018, ouvir falar pela primeira vez no senhor e principalmente seu filho (meu xará) Eduardo, que em 10 de maio daquele ano fez parte de uma comitiva parlamentar que visitou o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e no mesmo dia publicou um vídeo baixando o sarrafo na situação do PEB e fazendo promessas aos militares em defesa do Programa Espacial Brasileiro (PEB), bem como de outros importantes programas da Ciência Brasileira. Imediatamente presidente. fiz naquela época uma nota que postei no Blog (veja aqui) com o vídeo dele e dizendo que até que me provassem do contrário, não acreditava sequer em uma única palavra dita por seu filho, sendo ele um integrante  de uma 'Classe de Piratas' sem o menor compromisso com o desenvolvimento do país. A verdade é que, com o passar dos meses, fui aprofundando o meu conhecimento sobre a sua luta no Congresso contra os marginais, suas bandeiras, sua coragem e fui me convencendo de que surgia ali um luz no final do túnel. Assim sendo presidente, em outubro daquele ano dei um fim na minha longa trajetória de votos nulos (oito eleições de vereador a presidente) votando no senhor e no seu projeto de governo, e confesso Presidente Bolsonaro que lhe daria nesse momento uma nota oito, e certamente repetiria o meu voto. Porém presidente, voltando a questão espacial, o PEB precisa seguir o seu rumo, tirar um atraso de décadas causadas por decisões errôneas e estupidas motivadas por questões outras por demais conhecidas pelo setor, setor este que continua aguardando uma politica espacial condizente com o novo modelo “New Space” adotado mundo afora.  Já diz o ditado presidente: “Nada se cria, tudo se transforma” então presidente, vamos parar de tentar inventar a ‘roda, e sim botá-la para rolar. O senhor precisa dar o primeiro passo, e minha sugestão é que o senhor compareça hoje no 7 de agosto ao “I Workshop sobre Encomendas Tecnológicas” a se realizar no Parque Tecnológico São José dos Campos (SP), não só para mostrar o seu interesse pelo setor, bem como também para ter contato direto com os CEOS destas Startups, e quem sabe até se reunir com eles. E outra presidente, como disse meses atrás aqui no Blog, o senhor já deveria ter ido ao CLA ter contato direto com as Comunidades Quilombolas, sua presença na área é de fundamental importância para gerar credibilidade nas ações que estão por vir com a aprovação do AST, principalmente tendo no Governo maranhense um comunista vermelho. Bom é isso presidente, espero que o senhor ouça o apelo deste cidadão brasileiro. Quero aqui uma vez mais agradecer ao nosso amigo leitor Rui Botelho por nos ter enviado este interessante artigo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022