Agitam-se os Bastidores da AEB, Novo Comitê a Caminho, Será Mesmo?

Olá leitor!

Bom, como eu disse que faria no meu comentário na matéria anterior, trago agora pra você uma ação em curso que me parece muito positiva neste momento, mesmo que (em minha opinião) tenha chegado com um ano de atraso e DESDE QUE SEJA CONDUZIDA COM COMPETÊNCIA E LISURA pela Agência Espacial Brasileira (AEB).

Porém antes de entrar neste assunto leitor, é preciso dizer que das três ações básicas (na minha opinião) que o Governo Bolsonaro deveria ter tomado em 2019, apenas uma foi realizada. Senão vejamos:

* Programa de Estado: Ação fundamental para passar credibilidade e o compromisso governamental para com todo o setor, inclusive para assim atrair possíveis investidores privados e mostrar a sociedade o compromisso do governo com essa atividade importantíssima para o futuro do Brasil e da humanidade. Pois é, leitor infelizmente não foi feito e bastava apenas um ‘Decreto Presidencial’ para isso, cadê o compromisso???

* Estabelecimento de um Projeto de um Veículo Lançador Nacional: Pois então leitor, esta ação junto com a de ‘política de estado’ citada acima, era básica e crucial, pois é inadmissível após quase 60 anos continuamos sem acesso ao espaço por nossos próprios meios.  O governo deveria ter usado o ano de 2019 para planejar, estabelecer e contratar junto a quem realmente tem competência, motivação e seriedade, um veículo lançador de pequenos satélites, pois o ano de 2020 seria o ano de início de execução deste projeto, diminuído assim prazos e custos, e principalmente tirando da jogada grupos que só pensam em saquear o erário público do país. Isto não foi feito infelizmente pelo governo, e pior, se continuou dando espaço a esses grupos nefastos de maus brasileiros.

* Assinatura Com os EUA do AST e a Sua Aprovação no Congresso: Bom leitor, esta foi a única ação básica do Governo Bolsonaro no setor espacial brasileiro durante o ano de 2019, e compreendeu a 'primeira fase' desta ação que segundo o próprio Ministro Marcos Pontes seguirá agora com a sua ‘segunda fase’, fase esta que se espera seja concluída até o final de 2020.

Pois então leitor, essas eram (em minha opinião ) as três ações básicas e cruciais que o Governo Bolsonaro deveria ter tomado no ano de 2019 para assim passar credibilidade e compromisso com o setor, e apenas uma delas foi implementada, o que me deixou muito frustrado e cada vez mais descrente com o futuro do nosso “Patinho Feio”.

É claro que outras ações tão importantes quanto descritas na histórica “Carta de Foz do Iguaçu” também poderiam ter sido tomadas (creio que algumas delas até foram), mas estas três ai de cima eram de fundamental importância, pois se o próprio governo não acredita no setor, como pode esperar que o setor acredite nele???

Dito isto leitor, vamos a notícia motivo desta nota que está diretamente ligada a segunda ação citada acima por mim, ou seja, a do projeto de um veículo lançador de satélites.

Pois então amigo leitor, eu soube que a nossa AEB está pretendendo fazer em breve uma ‘encomenda tecnológica’, e para tanto estaria se movimentando para buscar profissionais especialistas (expertise em cada área) para montar uma espécie de Comitê de Avaliação e Acompanhamento (fiscalizar)  visando o projeto de um veículo lançador de satélites relativo a esta encomenda tecnológica, sendo que o mesmo inicialmente seria denominada de ‘VSISNAV’.

Ainda segundo a minha fonte, esse Comitê seria formado por especialistas da área advindos de empresas do setor, sendo que aqueles que participassem do mesmo, não poderão participar da execução do projeto, ponto este leitor que considero muito importante e crucial para o sucesso desta ação. Isto é, DESDE QUE A MESMA SEJA CONDUZIDA COM COMPETÊNCIA E LISURA pela AEB.

O curioso nesta história toda amigo leitor, é que o nome ‘VSISNAV’ deste suposto novo projeto, também foi usado anos atrás pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) para denominar o protótipo do VLS-1 VSISNAV, protótipo este que testaria em voo o VSISNAV (Sistema de Navegação Inercial) desenvolvido pelo instituto, e também substituiria o antigo protótipo denominado de VLS XVT-01, que nunca voo (muito menos o seu substituto) e diante disto fica a pergunta: Qual será a participação do IAE nesta história???

Enfim... só resta agora amigo leitor esperar e torcer, torcer muito para que dê tudo certo, e espero mesmo, como cidadão brasileiro, que esta ação seja realizada com a COMPETÊNCIA E A LISURA ESPERADA.

Duda Falcão

Comentários

  1. Hum...
    Aquela história de Aquila seria abandonada?
    Quais empresas participariam?
    O lançador seria baseado no motor S-50?
    Pq Vsisnav, esse nome remete a um passado tosco

    Pra quando será esse anúncio? O tempo voa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Blog Luiz!

      Não há informações suficientes para responder aos seus questionamentos, se eu tentasse, estaria somente especulando. Teremos de aguardar o final dessa história e torcer pelo melhor.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite

Da Sala de Aula para o Espaço