Agência Espacial Revela Plano de Negócios para a Base de Alcântara

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria com uma entrevista do Presidente da AEB, o Sr. Carlos Moura, publicada hoje (17/02) no site do "Jornal Pequeno", vale a pena conferir.

Duda Falcão

Agência Espacial Revela Plano de Negócios para a Base de Alcântara

Engenheiro Carlos Augusto Teixeira de Moura, presidente da Agência Espacial Brasileira, revela as ações de 2020. 

Fonte: Gil Maranhão
Jornal Pequeno 
Data de publicação: 17/02/2020 

Foto: Reprodução
O presidente da AEB, Carlos Augusto Teixeira de Moura, explica “Plano de Negócios” para a Base de Alcântara.

Uma das primeiras ações do governo federal, após a promulgação, este mês, do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) é a elaboração de um Plano de Negócios, que vai envolver vários ministérios e agências, o governo do Maranhão, a comunidade e autoridades de Alcântara e região da Baixada Ocidental Maranhense, onde está instalado o centro espacial que terá uso comercial para lançamento de foguetes e satélites pelos Estados Unidos (com proteção da sua tecnologia) e de outros países, como Israel.

Em entrevista exclusiva à reportagem do Jornal Pequeno, em Brasília, o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), engenheiro Carlos Augusto Teixeira de Moura, esmiuçou detalhes
dessa ação. “Esse Plano deverá abranger todas as questões técnicas, logísticas, legais, ambientais, só para citar algumas, de maneira que toda a região possa acolher e bem aproveitar as oportunidades que os empreendimentos espaciais irão acarretar”, destacou.

A AEB intensificará sua atuação em Alcântara, a partir desta semana, quando receberá a visita de uma comitiva de senadores e deputados federais, e ainda acompanhará visitas de campo de grupo de empresários que pretendem investir no Maranhão. Carlos Moura também fala as ações e serviços neste primeiro semestre de 2020 na base maranhense, e  da possibilidade do Maranhão se transformar em um novo polo de desenvolvimento tecnológico, “com desdobramentos para a indústria, a educação, o turismo e toda uma gama de serviços do terceiro setor”.

Segue a entrevista. 

JORNAL PEQUENO – Promulgado o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) pelo presidente da República, o que a Agência Espacial Brasileira vai fazer agora?

CARLOS MOURA – Temos que estruturar as atividades da AEB como agência licenciadora das atividades espaciais e como interface primeira com os potenciais utilizadores do Espaçoporto
de Alcântara, para que possamos ter um ambiente atrativo aos operadores de transporte espacial. Segurança e eficiência têm que ser nossa tônica. Em paralelo, coordenamos, com o Comando da Aeronáutica e outros entes de governo, a preparação dos sistemas técnicos e logísticos do centro espacial, assim como da região como um todo, de forma a que tenhamos condições de atrair e manter clientes e investidores para o empreendimento espacial em si, assim como para os serviços complementares. 

JP – Como será elaborado este Plano de Negócios e como se dará na prática?

CM – Estamos, em coordenação com o MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), elaborando a estrutura básica de um Plano de Desenvolvimento Integrado. Naturalmente, haverá que se recorrer à participação de alguns ministérios e agências diretamente envolvidos no aprimoramento da infraestrutura da região. Esse Plano deverá abranger todas as questões técnicas, logísticas, legais, ambientais, só para citar algumas, de maneira que toda a região possa acolher e bem aproveitar as oportunidades que os empreendimentos espaciais irão acarretar. Naturalmente, para cada possível operador espacial que deseje atuar em Alcântara, iremos discutir as necessidades técnicas e logísticas, assim como cronogramas e cadência de lançamentos. A partir dessas informações básicas, deverão ser elaborados planos de negócio específicos, a serem aprofundados vis-à-vis a capacidade de prestação de serviços de que dispomos. 

JP – Quais são ações e serviços previstos para este primeiro semestre de 2020 na Base de Alcântara?

CM – O CLA (Centro de Lançamento de Alcântara) tem participado do levantamento de todas as capacidades disponíveis e desejáveis para que possa prover serviços em classe mundial. Esse diagnóstico dever ser concluído nesses próximos meses, permitindo-nos planejar as eventuais necessidades de complementação ou melhorias. A título de exemplo, está em curso o projeto das instalações complementares para que se disponha, na localidade, de um aeroporto (civil/militar), capaz de receber voos internacionais com cargas e passageiros. Esse investimento, com apoio da Secretaria de Aviação Civil, deve injetar, na região, cerca de setenta milhões de reais. São oportunidades de negócios e empregos, tanto na implantação, como na futura exploração das atividades da parte civil do Aeroporto de Alcântara. 

JP – Há algum encontro ou debate programado com a comunidade local, autoridades e parlamentares do estado para este semestre?

CM – Certamente, assim que a estruturação para elaborar o Plano de Desenvolvimento Integrado estiver disponível, os entes envolvidos deverão atuar não somente junto ao executivo federal, mas com o Parlamento e as instâncias públicas do Maranhão e de Alcântara. Nos aspectos que envolvam a comunidade local, ela também será chamada a participar desse momento histórico e disruptivo para o desenvolvimento socioeconômico da região. Como temos apregoado, as atividades espaciais devem trazer não apenas progresso tecnológico, mas oportunidades e benefícios para todos. 

JP – Tem algum lançamento ou teste no Centro Espacial de Alcântara agendado para 2020?

CM – O CLA deverá manter seu programa de manutenção continuada da operacionalidade. Deveremos, também, efetuar lançamento de veículo de sondagem, dentro do programa de ensaios em microgravidade. 

Comitiva do Congresso Nacional Visitará Base de Alcântara na Quarta-Feira 

Ao ser questionado pela nossa reportagem sobre a sua próxima viagem ao estado do Maranhão, Carlos Augusto revelou que a Agência Espacial Brasileira iniciará sua agenda de 2020 a partir deste mês, e acompanhando uma comitiva do Congresso Nacional à base maranhense.

“A AEB intensificará sua atuação em Alcântara, a começar da primeira visita de congressistas representantes da Frente Parlamentar Mista para o Programa Espacial Brasileiro, que deverá
ser lançada em 19 de fevereiro próximo. Essa Frente está composta por cerca de duas dezenas de senadores e duas centenas de deputados, todos com elevado interesse em conferir, ao Brasil, um Programa de Estado à altura das necessidades de um país continental como o nosso”, acentuou.

“Deveremos, também, acompanhar as visitas de campo (“site survey”) que as empresas deverão empreender em Alcântara e São Luís, com vistas a bem aquilitar o nível de atendimento com que poderão contar quando vierem operar na região. Será um ano intenso de verificações, análise e planejamento rumo à decolagem de nosso Espaçoporto de Alcântara”, acrescentou Carlos Augusto. 

“População alcantarense vem sonhando com o futuro de oportunidades para todos”, diz Carlos Moura 

O presidente da AEB, Carlos Moura, também acredita na conciliação de desenvolvimento tecnológico, cultura e turismo em Alcântara. “A sociedade brasileira investiu muito no desenvolvimento de nossas capacidades tecnológicas relativas à exploração do espaço. Investiu, também, em Alcântara, colocando- a no mapa mundial do circuito científico e tecnológico”, explicou.

“Essa cidade, assim como o Maranhão, possuem uma riqueza histórica singular, que nos permite não apenas admirar e honrar nossa história, tradição e folclore, como nos valer de toda essa cultura maranhense para atrair e encantar os que visitam ou vêm trabalhar na região”, destacou Carlos Moura. 

FUTURO 

“Em particular, a população alcantarense vem sonhando com o futuro em que oportunidades surjam para todos. É chegada a hora de aproveitar esse cavalo selado: o mercado espacial necessita de sistemas de lançamento adequados às novas tendências (o chamado “new space”). Temos, sim, condições de nos inserirmos nesse contexto, semeando condições para o surgimento de um polo de desenvolvimento tecnológico, com desdobramentos para a indústria, a educação, o turismo e toda uma gama de serviços do terceiro setor”, aposta o presidente da AEB.

Carlos Moura disse que a AEB “conta com todas as entidades representativas da sociedade local, e com cada cidadão em particular, na busca de opções pragmáticas e viáveis para que o progresso venha para todos, para que a qualidade de vida seja um objetivo e uma realização concreta. Aqui tem espaço!”


Fonte: Site Jornal Pequeno do Maranhão - https://jornalpequeno.com.br

Comentário: Pois é, olha aí leitor, e é engraçado Israel ter surgido bem sutilmente nessa matéria, né verdade, rsrsrsrsrs? Enfim... Pois então, o presidente da AEB foi muito sucinto quando perguntado sobre as ações de lançamento nesse ano no CLA, e também com relação ao PEB como um todo, coisa que o entrevistador pecou por não questionar. Entretanto leitor segundo tenho conhecimento ações importantes ligadas a foguetes estão realmente previstas para acontecer e poderão ser realizadas no CLA e fora dele em 2020 como não acontece no PEB há vários anos, mas três delas dependerão infelizmente de empresas ainda ligadas ao “Old Space” (engraçado ver o Sr. Carlos Moura falar em “New Space” quando não se observa nenhuma ação dessa agencia nesse sentido) e com isso leitor o certo mesmo é só levar em conta a já divulgada na mídia, ou seja a ‘Operação Cruzeiro’ do veículo hipersônico 14-XS. Vale lembrar que o nosso pífio Programa espacial ainda prevê para o ano de 2020 o lançamento do satélite Amazonia-1 e dos nanossatélites Nanosatc-Br2, SPORT, VCUB e Tancredo-2, mas volto a relembrar ao leitor o que já disse: “A única coisa certa no PEB é que não há nada certo”. Aproveitamos para agradecer publicamente ao nosso leitor maranhense Edvaldo Coqueiro pelo envio dessa matéria.

Comentários

  1. Muita curiosidade sobre as novidades na aérea de foguete..kk
    Será o Vs-50?
    Será um novo teste do motor L-5?
    Será um novo lançador desenvolvido secretamente pela Avibras!? Kkkkkk sonhar não custa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Blog Luiz!

      Realmente sonhar não custa amigo, mas sonhar com um novo lançador desenvolvido secretamente pela Avibras, não seria sonho, seria pesadelo, kkkkkkkk, plagiando os religiosos de plantão, Deus nos livre disso.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Ouviu o Barulho no Céu? Entenda o Fenômeno Que Assustou os Brasileiros no Último Final de Semana

Operação CRUZEIRO: Primeiro Ensaio em Voo de um Motor Aeronáutico Hipersônico Brasileiro