Presidente da Ucrânia Envia Carta a Dilma Cobrando Obras da ACS

Olá leitor!

Segue abaixo uma pequena nota publicada dia (10/08) no site da revista “VEJA” destacando que a o atual presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, enviou carta para a presidentA do Brasil cobrando ação em relação as obras da ACS.

Duda Falcão

Internacional

De Petro Para Dilma

Por Lauro Jardim
Domingo, 10 de agosto de 2014 - 09:26

Poroshenko: cobrando atraso em obra no Maranhão.

Em meio ao caos instalado no país, Petro Poroshenko, presidente da Ucrânia, separou um tempo para enviar uma carta para Dilma Rousseff.

A correspondência não trata de Vladmir Putin ou a posição do Brasil no conflito. Nela, Poroshenko cobra o que chama eufemisticamente de “desaceleração no ritmo de construção das instalações de infraestrutura” do projeto Alcântara-Ciclone 4, uma plataforma de lançamento de foguetes e mísseis que os dois países estão erguendo desde 2006 no Maranhão.

Em 2013, as obras pararam porque Dilma segurou os 140 milhões de reais previstos no Orçamento.


Fonte: Site da Revista VEJA - 10/08/2014

Comentário: Pois é leitor, olha aí.

Comentários

  1. Será que ele também apresentou um relatório ou cronograma de atividades de produção do Cyclone 4 pelos Ucranianos, com investimentos feitos e estágio real atual do processo de fabricação ( não somente imagens de satelites anteriormente feitos pela Ucrania), ou simplesmente quer justificar o não cumprimento pela Ucrania de sua parcela de responsabilidade contratual, usando as obras inacabadas como justificativa.... (ou pior quer Mais dinheiro se quiserem continuar o projeto com eles, sem oferecer garantias reais de nada para isso...). A utopia continurá pelo visto por mais algum tempo.... Só para relembrar as notícias vindo do mundo da fantasia AEB/ACS:
    "A cooperação espacial entre o Brasil e a Ucrânia em serviços de lançamento tem origens no final da década de 1990. Mas, foi em 2003, com a assinatura do Tratado sobre Cooperação de Longo Prazo na Utilização do Veículo de Lançamento Cyclone 4 no Centro de Lançamento de Alcântara, que começaram as definições. Três anos depois, foi criada a Alcântara Cyclone Space com a finalidade de viabilizar o projeto, administrar o complexo de lançamento e explorá-lo comercialmente. A expectativa é que em 15 de novembro de 2013, levando ao espaço um pequeno satélite japonês (o jasmine... coitado esta esperando ate hoje...) e marcando o dia da Proclamação da República, seja registrada como a data do primeiro lançamento comercial de um satélite a partir do território nacional."
    http://www.tecnodefesa.com.br/materia.php?materia=215

    "The current events in Ukraine have not impacted the Cyclone-4 Project development. Currently, the Launch Vehicle development is progressing as scheduled, and it will be ready for delivery to Alcantara in the second half of 2015. A significant portion of the Launch Site civil construction activities has been completed as well. Most of Ground Support Equipment has been contracted, and some has already been received in Alcantara."
    http://alcantaracyclonespace.com/en/for-customers/project-status

    http://cadoz.wordpress.com/2011/01/18/conheca-o-projeto-alcantara-cyclone-space-brasil-ucrania/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O IAE foi criado há mais de 50 anos e todos os satélites brasileiros cansaram de esperar e foram passear em outros países.

      Excluir
  2. Vai entender a esquizofrenia direitista né?
    A Veja, desde o primeiro dia do acordo com a Ucrânia, cospe fogo contra o mesmo, pois queria que dito acordo fosse feito com os EUA (que bloqueariam a base , que passaria ser território americano no Brasil).
    Agora vem, na maior cara de pau, "denunciar" o suposto atraso no repasse de dinheiro.
    Ora, mas esse não era o contrato que, segundo a Veja, nem deveria ter sido assiando?
    Aliás, muito suspeita a pressa do presidente da Ucrânia em cobrar mais repasse de dinheiro quando muito dinheiro já foi pra lá e nenhum foguete decolou ainda, passados quase dez anos de parceria...e estando o seu país conflagrado pela guerra, que sabemos, consome muito dinheiro.
    Só no Brasil mesmo, nossa imprensa é o lixo dos lixos.

    ResponderExcluir
  3. Energúmenos de ambos os lados...

    Do lado de lá eles ignoram a população sendo dizimada numa guerra civil não declarada, e do lado de cá eles vão empurrando esse Mundo de fantasias populistas com a barriga até a próxima eleição.

    De qualquer forma, nenhum dos dois lados consegue ter um programa espacial efetivo, mas seus "líderes" parece que já vivem em outro planeta.

    Seria engraçado se não fosse tão triste...

    ResponderExcluir
  4. Essas notas da coluna "Radar", de Lauro Jardim, já estão conhecidas por serem informações plantadas com fins específicos, geralmente o de condicionar o governo ou alguma autoridade a respeito de alguma questão em pauta no momento (Luís Nassif, inclusive, fala algo sobre inverdades colocadas lá). É realmente muito estranho que a Veja agora venha pressionar pela ACS.

    Espero que o blog siga acompanhando os desdobramentos da comissão constituída para avaliar o futuro da ACS, e que nos traga informações sobre o total investido pela União, e o destino a ser dado ao complexo no caso de a empresa binacional ser dissolvida.

    ResponderExcluir
  5. Pelo pouco que sei desse projeto os ucrainos ficaram responsáveis pelo foguete e tecnologias para lançamento, enquanto o Brasil pela base. Então supondo que os mesmos tenham concluído o foguete, eles esperam uma base para lança´-lo. E tem que cobrar mesmo se já tiverem cumprido a parte deles. Eu também sou contra esse projeto, mas pelo que li na internet a família desses foguetes é bem confiável (exceto pelo combustível tóxico). Assim torço para que criem um ambiente de lançamentos no solo brasileiro, fazendo com que a população comece a ver a coisa funcionando e passe a cobrar o lançamento dos nossos foguetes. Apenas minha opinião.

    ResponderExcluir
  6. Bom estratégicamente por um olhar diferente na minha opinião os americanos estão influenciando o Presidente Ucraniano para adentrar no programa Brasileiro spacial, bom verificando por este lado éra bom o Brasil desistir deste programa ucraniano o quanto antes e se aprofundar em tecnologia com os Russos e Chineses mas sem se envolver militarmente com ambos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para você que não sabe, a tecnologia ucraniana é a mesma russa. Os mísseis e foguetes, na antiga união soviética eram predominantemente produzidos em território que hoje é a Ucrânia. As empresas são as mesmas da antiga união soviética, só que agora pertencem à Ucrânia. Por fim, os chineses também herdaram a tecnologia da antiga união soviética, ou você acha que eles começaram do zero?

      Excluir
  7. Pois é. E, depois de gastar bilhões de dólares, eu vou, como contribuinte honesto, ver dinheiro dos impostos que eu pago sendo jogados fora. Quem vai ser preso no fim da historia? Uma vergonha! Uma repulsiva vergonha. Além de ser incompetente para ter uma tecnologia nacional funcionando, joga dinheiro fora. É vergonhoso ser brasileiro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial