Empresa Brasileira Firma Acordo com Chineses no Setor Aeroespacial

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (20/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que a empresa brasileira Orbital Engenharia firmou um “Acordo de Cooperação” com a China no Setor Aeroespacial.

Duda Falcão

Empresa Brasileira Firma Acordo com
Chineses no Setor Aeroespacial

Coordenação de Comunicação Social (CCS-AEB)


Brasília, 20 de agosto de 2014 – A empresa Orbital Engenharia Ltda, de São José dos Campos (SP), firmou Acordo de Cooperação no setor aeroespacial com a China Great Industry Corporation (CGWIC) e com o Shanghai Institute of Space Power-sources (Sisp).

A empresa nacional é a primeira do país a assinar parceria com instituições chinesas. O acordo é fruto da rodada de negociações realizada na China entre empresas brasileiras e do país promovida com o apoio da Agência Espacial Brasileira (AEB), em dezembro de 2013, quando do lançamento do quarto satélite do programa Satélite Sino-Brasileiro de Sensoriamento Remoto (CBERS, na sigla em inglês), em Taiyuan.

Segundo Célio Costa Vaz, diretor da Orbital, a empresa representará comercialmente as duas instituições chinesas no Brasil, mas o acordo prevê também o desenvolvimento de projetos e produtos. “Inicialmente, vamos atuar no país, mas, futuramente, pretendemos prospectar o mercado latino-americano”, destaca Vaz.

Para o empresário, o acordo é uma demonstração de que a indústria aeroespacial do país goza de prestígio e é avaliada com respeito e seriedade pelos chineses. Em sua opinião, a parceria também contribui para uma aproximação mais estreita entre empresas do setor dos dois países.

De acordo com o presidente da AEB, José Raimundo Braga Coelho, esse acordo mostra o bom potencial de negociações que podem ser firmadas entre entidades dos dois países. Para ele, a parceria também deve contribuir para que outras empresas do setor busquem ampliar negociações no exterior.


Fonte: Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Olha leitor inicialmente essa notícia parece ser positiva, mas em nossa opinião a notícia não foi clara suficiente para podermos avaliá-la com mais propriedade, já que a mesma não explica de forma clara quais serão mesmos os objetivos dessa cooperação e quais serão as áreas objetos da mesma. É sabido que a Orbital tem boa experiencia em painéis solares para satélites, alguma experiência em propulsão líquida, tambem está buscando desenvolver uma plataforma de microgravidade para foguetes suborbitais e está também envolvida com o desenvolvimento de um estágio de propulsão líquida, mas enfim... vamos aguardar o desenrolar dessa história e esperar que mais detalhes sobre este acordo venham a ser divulgados pela empresa.

Comentários

  1. Bom, pelo que eu entendi, eles vão começar simplesmente representando comercialmente essas duas instituições chinesas aqui e devem prospectar o mercado latino americano.

    É muito óbvio que qualquer empresa privada vive de lucros, e se ela puder ganhar dinheiro investindo pouco e ganhando comissões razoáveis, essa vai ser a opção.

    A conta é fácil. Esse nosso "governo" não está nem aí para o PEB, consequentemente não gera demanda suficiente para que as empresas se mantenham, tanto é que eles estão sendo repassadas a grandes conglomerados estrangeiros. Então, eu não vejo essa notícia como algo positivo. Pelo contrário. Acho que a Orbital está começando a pensar no lado dos seus acionistas (como deve ser numa economia de mercado), e está pendendo para uma estratégia onde se diminuam as despesas e se aumente os lucros.

    Entendam bem, capitalismo é uma coisa, patriotismo é outra.

    Haja visto o exemplo da Sra. Graça Foster que coincidentemente, acabou de transferir todos os seus bens para os filhos...

    Depois dessa, quem conseguir, que tenha um bom dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcos!

      Como você disse é o que parece ser um dos objetivos desse acordo. Entretanto o Sr. Celio Vaz disse também: "mas o acordo prevê também o desenvolvimento de projetos e produtos", e por isso precisa ser melhor esclarecido antes de fazer uma avaliação se o mesmo é positivo ou não. Até onde eu sei a Orbital é uma empresa sólida e acordos na área espacial entre empresas e instituições publicas é algo comum neste setor. Entretanto as suas colocações tem pertinência sim e esta notícia precisa ser melhor esclarecida. Representar como? Desenvolver conjuntamente quais projetos e produtos? Quais os benefícios para a Orbital? A Orbital corre o risco de ser assimilada pela China Great Industry Corporation como ocorreu com a Aeroeletrônica? Enfim, são muitas questões que precisam ser esclarecidas ainda.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
    2. E eu nem sabia dessa "absorção" da Aeroeletrônica pela China Great Wall Industry Corporation (CGWIC).

      Isso foi noticiado aqui? Quando foi? Soubemos dos "detalhes" ?

      Excluir
    3. Olá Marcos!

      Talvez tenha me expressado mal motivado pela minha crença de que você tivesse conhecimento sobre a história da Aeroeletrônica. Esclarecendo para você, a Aeroeletrônica é a atual "AEL Sistemas" que está localizada em Porto Alegre, empresa que foi aos poucos, (após um acordo semelhante a este), sendo absorvida pelo grupo israelense Elbit Systems. Tá ok amigo?

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. Ah tá, então a Aeroeletrônica começou a representar a Elbit Systems aqui, depois mudou de nome para AEL Sistemas e foi absorvida pela multinacional passando a ser uma "empresa do grupo" Elbit Systems que em si, é uma empresa israelense. É isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcos!

      Exatamente isso. A absorção da Aeroeletrônica foi feita gradualmente e hoje infelizmente ela pertence ao grupo Elbit Systems, apesar de ser beneficiada pelo governo como se fosse uma empresa brasileira o que ela não é. Isso foi crime contra o patrimônio nacional porque apesar de ser uma empresa privada ela se beneficiou quando brasileira (e ainda se beneficia) de recursos públicos para desenvolver tecnologia no país. Este por exemplo é o caso do tal projeto do nanosatélite MMM-1, onde a proposta da empresa é desenvolver este projeto usando recursos humanos de instituições gaúchas e recursos financeiros do governo, e ao final ficará com o know-how desenvolvido. Parece piada né, mas este é o Brasil da DILMA ROUSSEFF? Enfim...

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022