Operação Brasil-Alemanha

Descrição da Campanha

Data do início da campanha: 16/11/2011
Operação: Operação Brasil-Alemanha (primeira etapa)
Foguete: Improved Orion VO5
Numero do vôo do foguete: 5
Data de lançamento: 25/11/2011
Horário: 20:00h (horário local)
Local: Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI)
Apogeu do vôo: Não divulgado
Tempo de vôo: Não divulgado
Objetivos: Treinamento dos profissionais do CLBI para operar a estação Móvel de Telemedidas e o Lançador Móvel, interligar as estações (Telemetria, Radar e CTDL) do CLA e do CLBI e continuar o processo de avaliação do veículo ORION como foguete de treinamento de centros de lançamento brasileiros.
Resultado: Operação bem sucedida

Carga Útil Embarcada:

- Carga Útil tecnológica de interesse do DLR

Operação: Operação Brasil-Alemanha (segunda etapa)
Foguete: VS-30 VO8
Numero do vôo do foguete: 8
Data de lançamento: 02/12/2011
Horário: 19:00h (horário local)
Local: Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI)
Apogeu do vôo: Não divulgado
Tempo de vôo: Não divulgado
Objetivo: Lançar e rastrear o foguete de sondagem VS-30 V08 com uma carga útil científica portando experimentos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e do IAE.
Resultado: Operação bem sucedida

Experimentos Embarcados:

- Sonda de Langmuir (LP) do INPE para realizar medidas do perfil da densidade numérica de elétrons a partir do perfil da corrente recolhida por um sensor de aço inox montado na ponta da coifa do foguete

- GPS para Foguetes de Satélites da UFRN/IAE que tem como função básica informar com precisão a posição e a velocidade do foguete ou de um satélite no espaço. A principal inovação é a incorporação de certas características, principalmente de software, como a capacidade de funcionar em elevadas altitudes e em altas velocidades sem perder o sincronismo com o sinal recebido da constelação de satélites GPS.

Instituições Envolvidas:

AEB - Agência Espacial Brasileira
DCTA - Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial
IAE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
DLR - Centro Aeroespacial Alemão
IFI - Instituto de Fomento e Coordenação Industrial
INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte
CLA - Centro de Lançamento de Alcântara - Alcântara-MA
CLBI - Centro de Lançamento da Barreira do Inferno - Natal-RN

Primeira Etapa - 25/11/2011
Foguete Improved Orion

Foi realizado com sucesso dia 25/11 às 20:00h (horário local) o lançamento do foguete Improved Orion V05, primeira etapa da “Operação Brasil-Alemanha”, no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) em Parnamirim (RN).

A operação fez parte da comemoração dos 40 anos do exitoso acordo tecnológico internacional entre o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e o Centro Espacial da Alemanha (DLR).

O Improved Orion é um veículo mono-estágio de origem norte-americana que utiliza propelente sólido, tendo, neste vôo, 5,7 m de comprimento (dos quais 3,0 m de carga útil) e a carga útil 71 kg.

A equipe do IAE começou a trabalhar na montagem do foguete, juntamente com a equipe do DLR (Agência Espacial Alemã), no dia 16/11, sendo o propulsor e a carga útil do foguete as primeiras partes a serem montadas.

Operação Brasil-Alemanha

Vídeo do Lançamento do Foguete Improved Orion VO5

Vídeo alternativo do lançamento do foguete Improved Orion VO5

Segundo vídeo alternativo do lançamento do foguete Improved Orion VO5


Segunda Etapa - 02/12/2011
Foguete VS-30

Foi realizada com sucesso o dia 02/12 às 19:00h (horário local) o lançamento do foguete brasileiro VS-30 VO8, segunda etapa da “Operação Brasil Alemanha, no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) em Parnamirim (RN).

A operação fez parte da comemoração dos 40 anos do exitoso acordo tecnológico internacional entre o “Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA)” e o Centro Espacial da Alemanha (DLR).

O principal objetivo desta operação foi lançar e rastrear o foguete com uma carga útil científica portando experimentos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), sendo que para rastreamento do foguete utilizou-se a Estação de Telemedidas Móvel, operada por equipe do IAE e do DLR.

O VS-30 é um veículo mono-estágio que utiliza propelente sólido, tendo, neste vôo, 7,1 m de comprimento (dos quais 3,1 m de carga útil) e uma massa total da ordem de 1500 kg.

Vídeo do Lançamento do Foguete Brasileiro VS-30 VO8

Vídeo Alternativo do Lançamento do Foguete Brasileiro VS-30 VO8

Vídeo 2 Alternativo do Lançamento do Foguete Brasileiro VS-30 VO8



Fonte: Diversas

Comentários

  1. Bom , espero que o Brasil não demore tanto para ter o seu foguete e também seu avião caça hipersonico. Já passou da hora, é preciso mais rapidez.

    ResponderExcluir
  2. Olá Patriota!

    É o que todos nós esperamos, mas com o governo que temos, não acredito que isso venha ocorrer num período curto de tempo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo Blog e o canal no YouTube.. Nossa Pátria esta a passos lentos alcançando o nível tecnológico das grandes potências, fico muito contente ao ver o sucesso das operações de lançamento e ao mesmo tempo frustado por saber que temos gente qualificada mas que, por conta da mesquinharia do governo não consegue avançar mais rapidamente!!! Independente de qualquer coisa: Viva ao Brasil, Viva o Progresso... antes tarde do que nunca!!

    ResponderExcluir
  4. Olá Emerson!

    Obrigado amigo pelo reconhecimento ao nosso trabalho. Bom Emerson, realmente o Brasil está avançando apesar do governo. Entretanto, o avanço é muito lento e assim o buraco tecnológico espacial entre o Brasil e as outras nações que possuem programas espaciais aumenta a cada ano, e está ficando cada vez mais difícil acompanhar. Temo infelizmente que isso irá causar sérios problemas ao Brasil no futuro.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  5. vejo que o Brasil está, até certo ponto adiantado, pode parecer irônico mas adiantado sim, parabenizo a todos que estão atuando nessa área da astronáutica, vejo todo dia um Modelo Educacional perverso que ano após ano desperdiça cérebros fantásticos, crianças e adolescentes que vão para a escola por que falaram que tem que ir, mas a escola não tem significado prático, imediato, e nem perspectiva de futuro, afinal falamos para os alunos que devem ir à escola para que? (passar de ano? passar no vestibular? ENEM? ser alguém na vida?) precisamos mostrar o trabalho desses Brasileiros do INPE, AEB, CLA,CLBI ... que realmente são heróis, penso que dessa forma iremos mostrar que mesmo com a corrupção e o descaso é possível ter orgulho de ser Brasileiro, pois criticar é fácil, o difícil é ter atitude, parabéns a todos que estão envolvidos no programa espacial brasileiro (os verdadeiros heróis).

    ResponderExcluir
  6. HUm... Não querendo desmerecer. Lá na terra do tio Sam, os amadores, aficionados pelo espaçomodelismo conseguiram colocar um artefato a uma altura de 110Km. Sem equipamento muito sofisticado. Tinha até câmeras onboard. Isso mostra a competência para as tecnologias envolvidas nos motores desses foguetes.
    Aqui no Brasil, eles precisam "comprar" foguetes de "terceiros", pois os daqui explodem na cara. É no mínimo vergonhoso. Acho que se deve mudar o esquema "politico" e todas suas instâncias antes de soltar rojão de vareta caro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Renato!

      Perdoe-me, mas qual foguete de sondagem brasileiro que explode na cara? Esse foguete "Improved Orion" de origem norte-americana utilizado acima é fruto de um acordo com o Centro Aeroespacial Alemão (DLR) que é muito mais amplo. Justamente por conta desse acordo, foguetes brasileiros VS-30, VS40 e o foguete VS-30/Orion (este em parceria com o DLR) vem ganhando mercado na Europa, e isso acontece pela sua grande confiabilidade e baixo custo (somente no ano de 2013 são oito missões europeias confirmadas com foguetes brasileiros). Nenhum foguete brasileiro de sondagem explodiu até hoje, o que é um marco para a tecnologia de foguetes de sondagem brasileira. O único foguete que explodiu foi o terceiro protótipo do VLS-1 em 2003, e esse é um veículo Lançador de Satélites.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial