Mercadante Cita no Senado Projeto da UnB na Ucrânia

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (15/12) no site da “Universidade de Brasília (UnB)” destacando que o ministro Aloizio Mercadante citou a importância do intercâmbio na Ucrânia de alunos de engenharia da UnB para o programa aeroespacial do Brasil.

Duda Falcão

TECNOLOGIA

Ministro Cita Projeto da UnB na Ucrânia

Aloízio Mercadante destacou importância do intercâmbio de
alunos de engenharia para o programa aeroespacial do Brasil

Pedro Rafael Ferreira
Da Secretaria de Comunicação da UnB
Com informações da Agência Senado
15/12/2011

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloízio Mercadante, apresentou nesta quinta-feira 15, no Senado Federal, a estratégia nacional para o desenvolvimento científico e tecnológico do país no triênio 2012-2015. Ao detalhar os planos da política aeroespacial, Mercadante citou o intercâmbio que dez estudantes de engenharia da UnB estão fazendo na Ucrânia, que detém uma das sofisticadas tecnologias de lançamento de foguetes do mundo (veja aqui).

“Queremos incrementar fortemente a nossa relação estratégica na área de ciência e tecnologia com a Ucrânia”, enfatizou. Ele se referia especificamente ao projeto do Cyclone-4, um foguete de 1,6 toneladas que está sendo construído pelos dois países. Um dos objetivos é ampliar a inserção do Brasil no mercado internacional de satélites. “Vai aumentar muito mais a capacidade de observação da Amazônia, do cerrado, para o planejamento territorial”, projetou.

Mercadante também fez um longo balanço da situação econômica internacional e dos programas relacionados à produção científica. Segundo ele, a política do setor estaria fundada num tripé: promoção da inovação, formação de capacitação de recursos humanos e fortalecimento da pesquisa e da infraestrutura tecnológica. As conquistas dependeriam ainda, acrescentou em seguida, do aperfeiçoamento do marco regulatório de fomento à inovação e de um novo padrão de financiamento do desenvolvimento científico e tecnológico.

BOLSAS – No cenário de investimentos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação para os anos de 2011 a 2014, o programa Ciência sem Fronteiras ocupa posição de destaque. A projeção de gastos para o período é de R$ 3,4 bilhões, dinheiro que deverá viabilizar a concessão de 100 mil bolsas, das quais 75 mil financiadas pelo governo e 25 mil pela iniciativa privada.

Ciências básicas, engenharias e áreas tecnológicas são o foco da iniciativa, que deverá aperfeiçoar a formação de estudantes brasileiros a partir da graduação - com bolsas de um ano de duração - e tentar atrair jovens cientistas com grande talento e pesquisadores visitantes estrangeiros ao Brasil com bolsas de três anos. “A consulta aos editais já está disponível no site www.cienciasemfronteiras.gov.br”, informou o ministro. Ele também pediu o apoio do Congresso para lançar 2013 como o Ano da Ciência e Tecnologia no país.

Para ler a íntegra da apresentação do ministro, clique aqui.


Fonte: Site da Universidade de Brasília (UnB)

Comentários

  1. Estou fazendo um curso técnico de Automação Industrial, daqui 2 anos começo a faculdade de Mecatrônica, Mecânica ou eletrônica (estou indeciso) após isso farei pós graduação no Inpe de Tecnologia e desenvolvimento aeroespacial e vou botar ordem na casa.

    ResponderExcluir
  2. Ok Lucas!

    Desejamos para você sucesso e quem sabe no futuro você possa colaborar com o "Programa Espacial Brasileiro". Boa sorte amigo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Eu formei em engenharia de controle e automação pela universidade federal de itajubá e atualmente faço mestrado no Inpe na Engenharia Espacial! E tenho como orientador um dos papas do assunto na área de controle e navegação de foguetes do Brasil, o professor Waldemar de Castro.

    Mas o que eu fico me perguntado o porque dos políticos terem escolhidos a UNB para fazer acordo com a ucrânia, já que as únicas pessoas do Brasil capacitadas na área de engenharia espacial estão no CTA!

    Fica a pergunta? Tomara que de algum fruto!!

    ResponderExcluir
  4. Caso Mensageiro,

    Engenharia Aeroespacial já existem também na UFABC, na UFMG e na UFSC e deverá ser implantada a partir de 2012 na UnB, apesar dessa universidade já mexer com atividades espaciais desde 2001, tanto na área de propulsão híbrida (onde ela é a líder no Brasil), quanto em propulsão a plasma (onde ela divide a liderança com o INPE). Entretanto, nesse caso quem procurou a UnB foi à embaixada da Ucrânia que intermediou o convênio entre a UnB (talvez pela proximidade e pelas atividades espaciais já em andamento nessa universidade), e a ACS e o governo apenas estão colhendo os louros. Recentemente (dia 08/12) houve na sede na AEB em Brasília o “1º Encontro dos Coordenadores de Cursos de Engenharia Aeroespacial" que contou com a participação dessas quatro universidades e o ITA. Outra coisa Mensageiro, nada impede essas universidades como também o ITA buscarem parcerias com esta universidade ucraniana ou qualquer outra, principalmente agora com o “Programa Sem Fronteiras”.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial