Sistema de Monitoramento Brasileiro Vira Referência Mundial

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (05/11) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que o monitoramento de florestas brasileiro vira referência mundial.

Notícias

Sistema de Monitoramento Brasileiro
Vira Referência Mundial

TeleSíntese
05-11-2011

Os 20 anos de experiência do Brasil em monitoramento de florestas estão se convertendo em transferência de conhecimento e tecnologia para outros países elaborarem seus sistemas de controle sobre o desmatamento. Desde 2010, o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) iniciou um programa de capacitação oferecido a nações interessadas em adotar o modelo brasileiro.

Em pouco mais de um ano, 18 países enviaram delegações para treinamento em Belém, no Pará, e nas cidades de Campinas e São José dos Campos, ambas no estado de São Paulo. “Os diferenciais do Brasil são a experiência e a qualidade do monitoramento. Somos pioneiros na área”, afirma o chefe do INPE Amazônia, Cláudio Almeida. “O mundo todo terá benefícios com a transferência de conhecimento do Brasil para outros países que possuem floresta tropical, já que a finalidade é combater o desmatamento e, conseqüentemente, as emissões de gases de efeito estufa”, diz.

Os cursos de capacitação estão programados até 2013, firmados em parceria do INPE com a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA). Serão pelo menos nove cursos no período, ministrados em inglês, francês e espanhol.

As delegações que chegam ao Brasil têm todas as despesas, como transporte e hospedagem, custeadas pela JICA, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA). A capacitação - conduzida por profissionais do INPE, e as imagens de satélites são gratuitas. O software de monitoramento de florestas Terra Amazon, do INPE, o primeiro desenvolvido no mundo, cuja primeira versão é de 1988, também sai a custo zero para os participantes.

“O Brasil quer permitir mais do que um simples acesso às imagens de satélite. Quer transferir tecnologia e dar condições para os países montarem suas estratégias de gestão da área florestal”, afirma a pesquisadora Alessandra Gomes, chefa-substituta do INPE Amazônia.

Novos Satélites

Um dos tópicos mais relevantes durante a capacitação oferecida pelo Brasil é a interpretação das imagens de satélites. Atualmente, o Brasil desenvolve os satélites CBERS-3, em parceria com a China, e o Amazônia-1, com tecnologia 100% nacional, que serão lançados em 2012 e 2013, respectivamente. As imagens colhidas pelos novos satélites serão distribuídas gratuitamente aos países que desejarem monitorar suas florestas.

Delegações capacitadas no Brasil em 2010 e 2011

América Latina: Equador, Guatemala, Venezuela, Paraguai, Bolívia, México, Suriname e Guiana

África: República Democrática do Congo, Moçambique e Angola

Ásia: Vietnã, Malásia, Tailândia, Indonésia, Papua Nova Guiné, Filipinas e Camboja

Delegações para capacitação no primeiro trimestre de 2012

América Latina: Suriname, Equador e Peru


Fonte: Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial