O Foguete da Operação HIFIRE 5 Foi Mesmo o VS-30/Orion

Olá leitor!

Desde o dia 15/10 quando aqui postei a nota “Deu Xabu na Operação HIFIRE 5 Lançada em Abril Pelo DLR” venho buscando uma informação que me incomodava, já que notícias anteriores ao lançamento davam conta de que o foguete que seria utilizado nessa missão internacional seria o brasileiro VS-30/Orion.

Ora, tentei por diversas fontes chegar a uma resposta que fosse segura e confiável e assim então postar uma nota definitiva esclarecendo aos nossos leitores se realmente o foguete utilizado foi o brasileiro.

Assim sendo, depois de perambular de um lado para o outro na net e através de consultas a profissionais do ramo, cheguei ao arquivo em pdf “HIFIRE: An International Collaboration to Advance the Science and Technology of Hypersonic Flight” que faz uma descrição de todo esse programa, comprovando assim que o lançamento  da “Operação HIFIRE 5” realmente ocorreu com falha da Base de Andøya (Noruega) no dia 25/04/2012 através de um foguete VS-30/Orion, e em breve farei o relatório dessa missão.

Vale dizer que segundo o mesmo arquivo uma nova operação denominada “Operação HIFIRE 5B” deverá ser lançada em setembro de 2013, mas sem identificar de onde será lançado e qual foguete será utilizado, apesar de ser provável que o lançamento ocorra do mesmo local e com o mesmo foguete.

Além disso, vale pontuar que com a comprovação da realização da “Operação HIFIRE 5”, a informação postada pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) em seu site no dia 13/09 (Lançado com Sucesso o VS-30/ORION V07), sobre a "Operação HIFIRE 3", dando entender que esse seria o sétimo voo nomeado do VS-30/Orion, estava correta, apesar do mesmo ser fisicamente o oitavo foguete desse tipo a ser lançado.

Assim sendo, a lista que apresentamos aqui na nota IAE Prepara-se para Dar Início a "Operação Iguaíba" sobre as “Operações de Lançamento do Foguete VS-30/Orion - Realizadas e a Realizar” não estava correta, já que a mesma dava conta que a “Operação HIFIRE 5” não havia ainda ocorrido e que ela seria referente ao VO7.

Diante disso, tudo leva a crer que como só haviam sido lançados até essa operação seis foguetes VS-30/Orion, o lançamento do foguete da “Operação HIFIRE 5” foi referente ao sétimo lançamento físico desse tipo foguete (e é assim que irei a partir de agora considerá-lo), mas fica difícil identificar como o mesmo foi nomeado, ou seja, V06 ou VO9, já que o ICI-3 (2011) parece ter sido nomeado VO8, o HIFIRE-3 como sabemos foi nomeado VO7 e a "Operação Iguaíba" (que deve ser realizada em breve do CLA) foi nomeada de V10.

Abaixo trago para o leitor (com uma noticia muito boa para o PEB) uma descrição de todos os lançamentos do Programa HIFIRE que já foram realizados e os que ainda serão realizados.

Operação  --- Data de Lançamento --- Local ------- Foguete

HIFIRE - 0       07/05/2009                    Woomera     Terrier/Orion

HIFIRE - 1       23/03/2010                    Woomera     Terrier/Orion

HIFIRE - 5       25/04/2012                    Andøya        VS-30/Orion

HIFIRE - 2       01/05/2012                    PMRF           Terrier/Terrier/Oriole

HIFIRE - 3       13/09/2012                    Andøya        VS-30/Orion

HIFIRE - 7          Jun. 2013                    Andøya        VSB-30

HIFIRE - 5B      Set. 2013                    Andøya (?)   VS-30/Orion (?)

HIFIRE - 4          Abr. 2014                    Andøya        VSB-30

HIFIRE - 8         Out. 2014                    Andøya        VS-40

HIFIRE - 6         Nov. 2014                    PMRF          Talos/Terrier/Oriole

OBS: PMRF significa “Pacific Missile Range Facility” que é uma base de lançamento pertencente a Marinha Americana e que fica localizada no distrito de Kekana, na cidade de Kauai, Hawai (EUA).

Pois é leitor, como você mesmo pode notar na lista acima, além dos voos programados do VSB-30, o nosso versátil e gigantesco foguete de sondagem VS-40 conseguiu mais uma missão internacional, muito provavelmente pela boa repercussão alcançada com o seu sucesso durante a realização da “Operação SHEFEX II”.

Avante VS-40

Duda Falcão


Fontes: The University of Queensland e Boeing

Comentários

  1. A maior parte das operações que utilizavam do foguetes VSB-30/Orion foram bem sucedidas? Porque nessa última operação na Noruega parece que o foguete Orion deu pau. O nível de confiabilidade nesse sistema de foguetes é elevado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Israel!

      Pelo que sei o Improved Orion é um dos motores-foguetes mais confiáveis do mundo e seu índice de acerto é muito alto, mas essas coisas acontecem.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. Realmente, seria muito importante para o Brasil, que o pessoal diretamente envolvido nos projetos do VS-30 e do VS-40, pressionassem seus superiores e os superiores deles, a agir de forma mais enérgica para tornar esses dois excelentes foguetes em produtos mais comerciais.

    É hora de "malhar o ferro quente", aproveitando os sucessos conseguidos até aqui, e oferecer esses excelentes produtos a outros possíveis clientes.

    Estou na torcida.

    ResponderExcluir
  3. Aproveitando que estamos falando sobre o mercado de foguetes de sondagem, gostaria de postar algumas informações interessantes, algumas perguntas e uma sugestão.

    As informações:

    O primeiro foguete de sondagem japonês, como não podia deixar de ser, era pouco maior que uma caneta. Foi o foguete Pencil. Vale a pena dar uma olhada também no maior foguete de sondagem japonês, o SS-520.

    Uma mistura de informação e pergunta, é sobre um combustível novo que é mais que simplesmente um motor híbrido. Usa um composto do tipo tixotrópico. Mais informações aqui. Gostaria de saber se tem alguma pesquisa sobre isso aqui no Brasil.

    E a sugestão: Vi um sistema de lançamento portátil muito interessante, o Instant Eyes, seria bem interessante o desenvolvimento de um sistema semelhante por aqui. Quem sabe nas universidades, ou uma iniciativa privada. O original tem fins militares, mas acredito que seria muito útil em missões policiais urbanas (aqui no Rio, com certesa) e também para fins de pesquisas topográficas e outras em voos de alcance relativamente curto.

    Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcos!

      Se sua pergunta se refere a foguetes com propulsão hibrida, a resposta é sim, existe pesquisa no Brasil sobre esse tipo de propulsão e o maior centro dessa pesquisa é a UnB. Eles estão desenvolvendo no momento o foguete SD-2 (Santos Dumont 2) e você pode obter maiores informações olhado as notas intituladas "O Motor Foguete Híbrido da UnB","A UnB e o Programa Uniespaço","Conheça o Grupo de Propulsão Híbrida da UnB".

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
    2. Valeu Duda, mas parece que não é bem isso...

      Como eu disse, eu não sou nenhum expert, mas parace que esse caso, se for um híbrido, é um híbrido diferente, mas eles afirmam ser um monopropelente.

      O tal composto se apresenta sólido em condições normais mas durante o uso, quando se aplica pressão, se transforma em líquido, com todas as vantagens deste, incluindo controle de empuxo, podendo ser também desligado e religado.

      Além disso, até onde eu entendo, os híbritos até aqui, pré supõem, um combustível sólido e um oxidante líquido, já esse aí, pelo que eles afirmam, é um monopropelente, usando um composto de alta densidade, imagino uma espécie de graxa bem dura nas condições ambientais normais, tendo todas as vantagens de armazenagem de manipulação de um combustível sólido, e ao ser aplicada pressão e iniciar a combustão, se transforma em líquido, com todas as vantagens deste, como: maior regularidade na queima, controle de empuxo podendo ser desligado e religado.

      É isso.

      Excluir
    3. Olá Marcos!

      Veja bem, o que eu disse é que o Brasil está desenvolvendo propulsão híbrida e que a UnB é o maior centro de desenvolvimento nessa área no país. Entretanto, existe diversos tipos de Propulsão Híbrida sendo desenvolvidos mundo a fora, e esse que você apresentou parece ser mais um.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
    4. Oi Duda,

      Eu entendi a sua colocação, porém, nesse caso, parece não se tratar de propulsão híbrida, pois isso pré supõe componentes em estados diferentes (geralmente um sólido e um líquido).

      Nesse caso, é um monopropelente, como uma das propostas do Miraglia, usando apenas Peróxido de Hidrogênio. Só que este componete proposto por ele, é líquido. Já esse que o pessoal da Rocket Lab etá propondo, é uma espécie de graxa bem dura que se torna líquida quando se aplica pressão.

      Os conceitos (em minha opinião) são diferentes.

      Abs.

      Excluir
    5. Opa!

      Achei uma descrição mais detalhada aqui:

      Viscous Liquid Monopropellants (VLM).

      Abs.

      Excluir
  4. Opa!

    Informações mais objetivas com uma imagem, sobre o sistema de vigilância portátil Instant Eyes, pode ser obtido aqui.

    Achei essa idéia básica muito legal para iniciativas universitárias e de empresas privadas.

    Muito legal !

    Abs.

    ResponderExcluir
  5. E olha os americanos "tomando conta" do Instant Eyes...

    A mim parece que o pessoal da L2 Aerospace pegou o produto do pessoal da Nova Zelândia numa "parceria" e estão só aperfeiçoando.

    Reparem que a Cella Energy, já fornece baterias de hidrogênio e se dedica a pesquisas sobre escudos radioativos de baixo custo (já falei sobre isso num outro post).

    Os caras não perdem tempo...

    Abs.

    ResponderExcluir
  6. Aprendendo a empreender.

    Acho que esta é uma das coisas que falta por aqui. Vejam a evolução do projeto Instant Eyes.

    Os caras pegam uma excelente idéia e injetam $ 600.000,00 para o rápido desenvolvimento de um sistema que vai ajudar a "salvar vidas dos seus soldados". Claro que assim, se torna uma idéia muito fácil de ser vendida.

    No nosso caso, por aqui, (fora a "caixinha" dos políticos), poderia ser usado para localizar contrabandistas em fuga, traficantes nos morros, ou atividades mais científicas como topografia, e outras.

    É isso!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial