Exerc. de Com. e Controle da FAB Simula o Uso de Satélites

Olá leitor!

Segue abaixo a nota postada dia (12/11)  no site da Força Aérea Brasileira (FAB) destacando que Exercício de Comando e Controle simula o uso militar de satélites.

Duda Falcão

CRUZEX

Exercício de Comando e Controle
Simula o Uso Militar de Satélites

Agência Força Aérea
12/11/2012 - 10h53

A CRUZEX C2 2012 treina o uso de aeronaves em um conflito moderno, como aviões de caça, helicópteros e Veículos Aéreos Não-Tripulados (VANT). Mas, pela primeira vez, o exercício inclui a simulação do uso de satélites. “É um cenário bem realista para as guerras da atualidade”, diz o Coronel José Vagner Vital, da Força Aérea Brasileira. Durante todo o exercício, o planejamento e a execução das missões ocorrem com o apoio das informações enviadas por uma constelação simulada de satélites em órbitas que vão até os 36.000 km de altitude.

Do espaço é possível, por exemplo, fazer imagens da área em conflito, facilitar as comunicações e até espionar as forças hostis. Um dos aspectos mais explorados da constelação de satélites simulada, no entanto, é a guiagem de bombas. Com informações mais precisas sobre a localização dos alvos, as aeronaves de combate podem fazer ataques com precisão maior que com o uso de guiagem laser. “Os satélites tornam a guerra mais eficiente e eficaz”, explica o Coronel Vital, que lembra ainda que a precisão também ajuda a evitar danos colaterais, como atingir a população civil por engano.

Os primeiros ataques reais com bombas guiadas por satélite ocorreram durante a Operação Allied Force, em 1999, quando uma coalizão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) atuou na região dos Balcãs para acabar com a escalada de violência no Kosovo. Em um contexto bastante semelhante com o que agora é simulado na CRUZEX C2 2012, a tecnologia ajudou a reduzir erros dos bombardeios e hoje é utilizada por países que fazem parte da OTAN.

Projetos no Brasil

A constelação de satélites na CRUZEX C2 2012 é simulada, mas a Força Aérea Brasileira utiliza o exercício para definir seus projetos na área. “Não se concebe no século XXI uma Força Aérea que não utilize o espaço para executar suas missões”, afirma o Coronel João Batista Xavier, da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), grupo que planeja o lançamento em 2017 do primeiro satélite de uma futura constelação que irá cobrir todo o país.

De acordo com o Coronel Xavier, esta simulação que ocorre agora é fundamental para que os brasileiros possam conhecer as potencialidades dos satélites e também definir os requisitos operacionais para os satélites que o país necessita. “A CRUZEX é um cenário ideal para iniciar uma doutrina de uso antes mesmo de possuí-los. A gente precisa ter a doutrina para saber exatamente o que precisamos”, explica.

O Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE) da FAB prevê ainda que a constelação de satélites brasileiros terá funções civis, além das militares. Segundo o Coronel Xavier, dentre outras utilidades, a constelação poderá ajudar na previsão do tempo, na prevenção de catástrofes naturais, no apoio à agricultura e na segurança da navegação marítima, dentre outras.

Fotos: Cabo Vinícius Santos


Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB)

Comentário: Pois é leitor, as nossas Forças Armadas estão há anos luz dos de..loides que nos representam em Brasília, tanto no comprometimento com a sua missão constitucional, como em planejamento e na execução e realização de ações dentro do que é possível fazer nas atuais condições. Parabéns a FAB.

Comentários

  1. Isso pode dar a dimensão da importância de um programa espacial completo (e outras atitudes em relação a atualização tecnológica das nossas forças armadas).

    Quem pode "puxar a tomada"? Hoje em dia por exemplo, basta contrariar algum interesse dos Estados Unidos, que eles podem "puxar a tomada" do sistema GPS, por exemplo.

    Aviões militares que sofrem "modernizações" de instrumentos nos estados unidos, sequer sairiam do chão pelo mesmo motivo.

    Então Srs. Ministros, é como disse o hérói "grandes poderes trazem grandes responsabilidades", esses assuntos devem ser tratados de forma séria.

    #tenso

    ResponderExcluir
  2. Vejo essa iniciativa de uso de satélites pelas Forças Armadas muito boa. Irá criar uma boa demanda no mercado nacional, principalmente para satélites de sensoriamento remoto, comunicação e meteorológico..

    ResponderExcluir
  3. Olá Ramir!

    É verdade amigo, mas temo que o governo seja um empecilho intransponível para esses planos das Forças Armadas.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial