Missão ASTER - Indo Aonde Ninguém Jamais Foi

Olá leitor!

Segue abaixo um interessantíssimo artigo publicado na edição de Novembro/2012 da Revista Ciência Hoje, editada pelo Instituto Ciência Hoje e postado no site dessa instituição ontem (13/11) dando destaque a fantástica “Missão ASTER”, primeira missão brasileira de espaço profundo.

Duda Falcão

Astronomia – Exploração Espacial

Missão ASTER - Indo Aonde Ninguém Jamais Foi

Pesquisadores brasileiros preparam a primeira missão de
exploração espacial do país, cujo plano ambicioso é lançar, em 2017,
a sonda Áster e fazê-la orbitar um asteroide triplo dois anos depois.
A missão Áster é o tema de capa da CH de novembro.

Por: Elbert Macau, Othon Winter,
Haroldo de Campos Velho e
Alexander Sukhanov
Revista Ciência Hoje
Edição 298 - Novembro/2012
Publicado em 13/01/2012
Atualizado em 13/11/2012

Foto: T. Pyle/ NASA JPL-Caltech
A missão Áster se apoia nos valiosos desenvolvimentos tecnológicos
sobre satélites espaciais que o Brasil acumulou nos últimos 30 anos.
O país terá a chance de colocar em prática esse amplo conhecimento.

Áster deverá ser a primeira missão brasileira de exploração espacial. Sua meta é ambiciosa: orbitar um asteroide triplo e descer no maior deles. Batizado 2001-SN263, esse sistema é formado por um objeto central (2,8 km de diâmetro) e outros dois menores (1,1 km e 0,4 km de diâmetro) – os dois últimos descrevem órbitas em volta do corpo central.

O 2001-SN263 dá uma volta em torno do Sol a cada 2,8 anos, em trajetória que vai de uma região além da órbita de Marte (a meio caminho de Júpiter) até perto da Terra. O plano da missão Áster é lançar a sonda em 2017 e entrar em órbita do sistema de asteroides dois anos depois.

A missão se apoia nos valiosos desenvolvimentos tecnológicos que, ao longo dos últimos 30 anos, o Brasil acumulou sobre satélites espaciais. O país tem agora a chance de testar em voo esse amplo conhecimento, produto do esforço e da dedicação de décadas de muitos especialistas.

A missão Áster visa não só fazer avançar a ciência, mas também incrementar, no país, tecnologias sensíveis capazes de permitir outras missões espaciais de igual complexidade e (principalmente) de gerar subprodutos que possam trazer riqueza e bem-estar para a sociedade.

Essa iniciativa arrojada deverá esquentar seguramente o debate sobre a questão espacial no Brasil, colocando o Programa Espacial Brasileiro na ordem do dia, como política de estado prioritária, compatível com a vocação espacial do país e com sua atual posição geopolítica e econômica no cenário global.

A missão Áster visa não só fazer avançar a ciência, mas também
incrementar tecnologias capazes de gerar subprodutos que
possam trazer riqueza e bem-estar para a sociedade

Fósseis e Remanescentes

Entre os asteroides, há aqueles que se formaram a partir da nuvem primitiva que deu origem ao sistema solar e não mais sofreram processos radicais que os modificassem. Outros são os remanescentes do processo de colisão entre objetos maiores.

Os primeiros são verdadeiros ‘fósseis’, pois nos permitem conhecer a composição e a distribuição dos elementos que estavam presentes na nuvem primitiva. Os segundos revelam pistas preciosas sobre os mecanismos que levaram à formação dos objetos maiores de nosso sistema solar.

Centenas de milhares de asteroides já foram identificados, e os principais dados de suas órbitas catalogados. A grande maioria deles tem extensão na casa das centenas de metros. Estima-se que haja mais de 1 milhão deles maiores que 1 km – alguns com centenas de quilômetros.

Grande parte dos asteroides se distribui na região entre as órbitas de Marte e Júpiter. Mas vários têm trajetórias que se aproximam da órbita da Terra: são os objetos próximos da Terra ou OPTs.

Surpresas: Duplos e Triplos

Surpreendentemente, em 1994, descobriu-se que o asteroide Ida tinha um satélite, sendo, portanto, um sistema binário – até então, pensava-se nos asteroides como corpos solitários.

Nos anos seguintes, dezenas de outros binários foram descobertos. Em 2005, outra surpresa: Sylvia, um asteroide com dois satélites. Hoje, é conhecida cerca de uma dezena desses sistemas triplos.

Nosso interesse recai sobre o 2001-SN263, OPT descoberto em 2001 e que somente em 2008 foi identificado como sendo um sistema triplo. Em 2019, chegará a cerca de 150 milhões de km da Terra, a mesma distância que separa o Sol de nosso planeta.

Imagens: Radiotelescópio Arecibo
Duas imagens do sistema triplo 2001-SN263, reproduzidas a
partir de dados obtidos pelo radiotelescópio de Arecibo,
Porto Rico, em fevereiro de 2008.

O 2001-SN263 é o alvo da missão Áster, que pretende não só colher dados sobre a formação desse sistema triplo, mas também pousar na superfície de seu objeto principal.

É uma missão ousada. Poucas nações fizeram algo similar. Apenas três sondas espaciais foram enviadas para explorar asteroides: i) em 2000, a norte-americana Near-Shoemaker pousou no asteroide Eros; ii) três anos depois, a japonesa Hayabusa enviou imagens e coletou material do asteroide Itokawa; iii) lançada em 2007, a sonda Dawn, da Nasa (agência espacial norte-americana), visitou o asteroide Vesta em 2012.

No entanto, a Áster – igualmente uma missão de espaço profundo – será a primeira a ter como alvo um sistema triplo. E, diferentemente do Eros, Itokawa e Vesta, o 2001-SN263 tem características de um meteorito primitivo – portanto, pode conter material orgânico, tema sempre relevante para o estudo da vida.

Elbert Macau
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Othon Winter
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Haroldo de Campos Velho
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Alexander Sukhanov
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
Instituto de Pesquisas Espaciais da Rússia

OBS: Você leu apenas o início do artigo publicado na CH 298. Para baixar a versão integral desse artigo em PDF clique aqui.


Fonte: Revista “Ciência Hoje” - Postado no site do Instituto Ciência Hoje  - http://cienciahoje.uol.com.br/

Comentário: Caro leitor, considero essa Missão ASTER um divisor de água para o Programa Espacial Brasileiro e um passo importantíssimo para uma maior interação da Astronomia Brasileira (em franco desenvolvimento) com a tecnologia Astronáutica desenvolvida no país, caso realmente venha ser realizada. A missão é fantástica e inacreditável se consideramos a atual situação do nosso PEB e os de...loides que fazem carreira política em Brasília, mas a verdade é que a missão não é só viável como importantíssima, pois permitirá o desenvolvimento de diversas tecnologias sensíveis e estratégicas para o futuro do Programa Espacial Brasileiro, fora a possibilidade de geração de subprodutos que possam trazer riqueza e bem-estar para a nossa sociedade e também a imagem positiva que o Brasil poderá alcançar a nível internacional resultada de uma bem sucedida missão espacial como essa. Outro ponto importante que até então não havia sido divulgado é que a missão não só prevê orbitar a sonda em torno do asteroide 2001-SN263, como também descer no maior deles, o que é uma meta extraordinária, e se realizada, resultará no primeiro artefato de origem brasileira a pousar na superfície de outro astro.

Comentários

  1. Se a missão sair na data prevista será realmente um feito fantástico para o nosso PEB, principalmente se a sonda for ao espaço por um lançador nacional. Duda, qual a possibilidade de ambos acontecer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carlos!

      A luta dessa galera capitaneada pelos pesquisadores que assinam esse artigo tem sido grande e eles acreditam que irão conseguir lançar a Sonda, mas pelo que sei tanto a plataforma como o lançador devem ser de origem russa, já os propulsores a plasma da sonda serão brasileiros, além dos equipamentos científicos.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. Bom,

    Claro que "no papel" tudo é lindo e maravilhoso. Estive lendo agora a pouco a descrição completa do projeto. Um item importantíssimo foi saber que essa sonda na verdade vai ser uma plataforma de sonda russa equipada com instrumentação e motores iônicos brasileiros.

    Essa parte já me leveou a seguinte dúvida: vão colocar na sonda motores iônicos sem nenhuma história espacial? Ora para lançar em 2017, haveria tempo suficiente para certificar esses motores em apenas 5 anos? Quantos lançamentos seriam necessários para isso? A parte de instrumentação, me parece que o Brasil já domina o suficiente, e já mandou artefatos ao espaço, não muitos mas mandou... Já esses motores, são totalmente novos, inclusive na tecnologia empregada.

    A segunda dúvida, é que absolutamente nada foi divulgado em termos de custo dessa missão. E salvo engano, essa é SEMPRE a primeira pergunta a ser feita por quem vai participar, patrocinar ou autorizar um projeto desse vulto.


    Quem lê o título da matéria julga que já está tudo acertado e que o projeto já está em andamento. Está? Já virou lei? Só lembrando que no nosso regime legalista, os administradores públicos só podem tentar executar os projetos que já viraram lei...

    De qualquer forma, apesar de na minha opinião ser mais um belo texto a ser colocado na nossa longa lista de promessas, desejo boa sorte aqueles que estão tentando fazer esse projeto andar.

    Abs.

    ResponderExcluir
  3. Vamos lá amigo. Os propulsores a plasma citado por você vem sendo desenvolvidos no Brasil a quase 10 anos em duas frentes, ou seja no INPE e na UNB, apesar de ainda não terem sido testados em vôo, mas acredito que o INPE deve ter uma missão prevista para teste em vôo desses propulsores antes do lançamento da Missão ASTER. Quanto o valor da missão ela foi anunciada que deverá ficar em torno de 35 a 40 milhões de reais. Já quanto a aprovação, creio que eles vem tentando realizar a missão pelas bordas, ou seja, conseguindo dinheiro através de projetos apresentando a FAPESP e a FINEP visando primeiro o desenvolvimento dos equipamentos, experimentos científicos e dos propulsores a plasma que cabem ao Brasil, para depois então comprar a plataforma e fechar o serviço de lançamento que cabem aos russos. Uma maneira que talvez seja mais fácil de conseguir a realizar esta missão. Além disso, talvez essa missão já esteja prevista pelo novo PNAE que ainda não foi divulgado pela AEB. Vamos torcer, pois ela é importantíssima para o futuro do Programa Espacial Brasileiro.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  4. Só pra registrar, fiz uma pesquisa agora a pouco no Gg usando "PNAE" e só recebi "Programa Nacional de Alimentação Escolar"...

    Bem mais popular e pesquisado portanto.

    É o problema de sempre. Enquanto nossas crianças continuarem indo às escolas para alimentar o estomago e não o cérebro, mais distantes estaremos do espaço, das estrelas, do fundo do mar, ou de qualquer outra área da ciência...

    #triste

    ResponderExcluir
  5. Bom, encontrei uma notícia de maio de 2011, dando conta que o nosso PNAE (o de atividades espaciais e não o de alimentação escolar) estava em revisão... É desse que estamos falando?

    Então estamos esperando as diretrizes que estão sendo revisadas a mais de um ano para tentar saber o que vamos fazer nos próximos anos? Se for isso mesmo, vou ser obrigado a procurar o meu "kit palhaço".

    Como a garotada costuma usar nas redes sociais:

    Huahuahuahuahua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Busca a verdade por detrás desse programa. Até onde sei, a Rússia seria parceira, com circulação livre dentro do Brasil, mas tudo sendo uma cortina de fumaça para a criação da URSAL pela Dilma e seus aliados bandidos. Hoje a Venezuela recebe o apoio da Rússia = os aviões que pousaram lá é apenas o início. Parece que o impéachment da Dilma nos livrou desse destino

      Excluir
  6. Duda, porquê não utilizar a PMM?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carlos!

      Seria ótimo, né verdade? Entretanto, veja bem amigo, a PMM é uma plataforma para operar em órbita da Terra e o que precisamos é uma plataforma que opere em espaço profundo, ou seja, além da órbita da Lua. Assim sendo, ela precisa ser bem mais robusta e infelizmente ainda não temos tecnologia para fabricar uma dessas. Quem sabe um dia, né verdade?

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  7. Sera que em termos de países emergentes poderíamos comparar esta missão a missão indiana Chandrayaan-?

    Que logicamente teve destino e funções diferentes mas colocou a Índia em um outro patamar em pesquisa espacial, lembro que quando a Chandrayaan-1, chegou a lua, todas os jornais e sites de noticias destacaram em primeira pagina o feito, teve uma repercussão imensa no mundo, eu mesmo desconhecia o programa espacial da Índia depois deste fato que atiçou minha curiosidade passei a acompanhar o programa indiano mais de perto.

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Olá André!

    Em minha opinião não. É preciso que todos entendam as implicações políticas para a imagem do Brasil caso essa missão se concretize. A Chandrayaan-1 se limitou a ir até a Lua, ou seja, operou no espaço sob influência orbital da Terra. A Missão ASTER é uma missão de espaço profundo, ou seja, além da órbita da Lua e fora de qualquer influência orbital de nosso planeta. Só para você ter uma ideia, somente os EUA, a ESA, a Rússia e o Japão realizaram até hoje missões de espaço profundo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  9. Como levantaram o assunto do programa espacial Indiano, vale a pena lembrar alguns fatos. A India ficou independente em 1947 e se tornou república em 1950.

    A grande diferença, é que lá, em 1966 a Sra. Indira Gandhi, tornou o programa espacial indiano um programa de estado, que vem sendo tratado dessa forma desde então.

    Com um orçamento equivalente a cerca de um bilhão de dólares ao ano, e com a prioridade que um programa de estado merece, tem até sofrido críticas, pois devido ao sucesso, começam a questionar se vale a pena mandar uma sonda a Marte se existem tantos problemas sociais na India.

    Sim eles tem problemas, mas não diretamente no programa espacial.

    #refletir

    ResponderExcluir
  10. Uma notícia do mês passado, mas vale a pena tomar conhedimento:

    India steps up space program with big budget

    Abs.

    ResponderExcluir
  11. Nos anos 70 e 80, técnicos indianos chegavam a vir ao Brasil para "aprender" um pouco sobre nosso programa espacial. Agora, somos nós que devemos aprender o deles.

    #triste!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial