Operação Salina foi Encerrada com Êxito

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (20/07) no site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), destacando que no dia de ontem foi encerrada no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) as atividades do instituto relativas à “Operação Salina”.

Duda Falcão

Operação Salina foi Encerrada com Êxito

Campo Montenegro, 20/07/2012

No dia 19 de julho de 2012 foram concluídas as atividades do IAE relativas à Operação Salina, com a realização do debriefing dessa Operação, no Centro de Lançamento de Alcântara.

Durante os 26 dias de campanha foram ensaiados e simulados os diversos sistemas da Torre Móvel de Integração (TMI), visando à verificação da integração física, elétrica e lógica, utilizando-se do mock-up do VLS-1.

Essa Operação serviu para treinar as equipes nas operações de montagem e integração do veículo à Torre, bem como os procedimentos de segurança e escape da TMI.

Com o cumprimento de todas as metas estabelecidas, e o retorno da equipe a São José dos Campos, mais um importante passo para realização do voo do VLS-1 foi dado.



Fonte: Site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE)

Comentário: Bom leitor, está encerrada a “Operação Salina” e com o êxito da mesma surge a pergunta: Se houve êxito na operação em questão, porque foi anunciado que o foguete só será lançado no segundo semestre de 2013, já que notícias anteriores davam conta que essa operação era o passo final para o lançamento do VLS-1 XVT-01? Ora leitor, a resposta parece ser óbvia, constrangedora e simplória, ou seja, não há dinheiro, e com o corte no orçamento por dois anos seguidos protagonizado pela presidente DILMA ROUSSEFF e seus energúmenos de plantão, muito provavelmente tecnologias e equipamentos que estavam sendo desenvolvidos e construídos, sofreram atrasos, que inviabilizaram o lançamento no período previsto anteriormente (segundo semestre de 2012). Chamo a atenção do leitor para essa questão, pois começa a parecer que esse novo prazo estipulado não passa de um desejo dos valorosos profissionais do IAE e não de um verdadeiro objetivo a ser alcançado, já que é clara a ciranda de incertezas geradas para o PEB pela desastrosa administração DILMA ROUSSEFF. Espero sinceramente está errado.

Comentários

  1. Duda

    Esse mockup já tava com a parte eletrônica incorporada? É o que tá parecendo.

    Outra coisa em relação ao VS40 ou o Sonda IV serem usados como lançadores de nano-satélites. Não poderiam ser lançados acoplados a aviões cargueiros, como no caso do Pegasus e da iniciativa da Virgin Galatic, e assim conseguirem a velocidade de satelização.

    Outra coisa. Os motores L5 e L15 poderiam ser usados em cachos, garantindo assim maior empuxo, e acelerando o PEB, enquanto se desenvolve o L75?

    ResponderExcluir
  2. Olá Anonimo!

    Eu acredito que forram instalados equipamentos para que se pudesse realizar os testes de compatibilidade elétrica entre o veículo e a TMI.

    Quanto a lançar o VS-40 ou o Sonda IV (já esta desativado), mesmo que isso fosse realizado, esses foguetes só subiriam mais alto, mas não satelitizariam suas cargas úteis, pois os mesmos não tem capacidade de atingir a velocidade de escape, ou seja 28.000 Km. Em outras palavras, eles iriam mais alto, mas a gravidade do planeta puxaria o satélite que espatifaria no Oceano Atlântico. Já o Pégasus alcança essa velocidade.

    Quanto a sua pergunta sobre os motores L5 e L15, eu creio que sim, mas não sou um especialista no assunto e assim não posso lhe responder com certeza se isso é possível.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial