Minas Gerais Faz Decolar Novo Complexo Aeroespacial

Olá leitor!

Segue uma noticia publicada dia (20/07) no site do jornal “Brasil Econômico” destacando que o estado de Minas Gerais está fazendo decolar seu novo Complexo Aeroespacial.

Duda Falcão

Indústria

Minas Gerais Faz Decolar Novo
Complexo Aeroespacial

Estado atrai para Tupaciguara, no Triângulo Mineiro,
fabricantes de aeronaves e centros de pesquisa.

Ana Paula Machado
Brasil Econômico
20/07/12 - 08:47

Anastasia, governador: Minas
terá independência tecnológica 
Um novo polo aeronáutico começa a decolar no país. Tupaciguara, município do Triângulo Mineiro, vai abrigar a primeira fábrica da brasileira Axis Aeroespace.

A empresa está desenvolvendo um avião executivo com capacidade para transportar até 8 pessoas que deverá ser produzido a partir de 2015.

O polo faz parte do Complexo Aeronáutico, iniciativa do governo de Minas Gerais para atrair companhias de tecnologia de ponta e, dessa forma, diversificar a economia do estado, de acordo com o governador Antonio Augusto Anastasia.

"A atração de investimentos com alto valor agregado tem como base o aproveitamento das potencialidades das diversas regiões, da excelência do capital humano e dos centros de pesquisas, criados em torno das universidades aqui instaladas", disse ao Brasil Econômico.

Avião Executivo

O diretor superintendente da Axis, Daniel Marins Carneiro, disse que, num primeiro momento será instalado um centro de pesquisa e desenvolvimento. Só depois é que a empresa buscará recursos para viabilizar a produção da aeronave.

"Já fizemos o mock-up [esboço] do avião executivo e agora entramos na fase de produção do protótipo. A expectativa é que o primeiro voo seja realizado em 2014", disse o executivo que criou a Axis em 2009.

"Não queremos ser apenas um fabricante de aviões, mas sim desenvolvedores de processos."

Segundo Carneiro, todo o projeto da Axis consumirá cerca de R$ 200 milhões, incluindo o centro de pesquisa e desenvolvimento e a fábrica. Para a construção do mock-up, ressaltou Carneiro, a empresa contou com o financiamento do governo de Minas Gerais, que investiu R$ 28,5 milhões no projeto.

"Com essa aeronave, vamos concorrer num mercado que demandará 81 mil unidades nos próximos 20 anos, entre renovação e ampliação da frota". disse. O AX2 Tupã, como foi batizado o avião da Axis, vai concorrer de perto com o King Air, da americana Hawker Beechcraft.

Fontes do mercado, no entanto, acreditam ser superestimada a projeção da Axis, devido à retração do mercado aeroespacial, sem perspectiva de melhora no curto prazo.

Outra empresa que já anunciou a intenção de se instalar no polo de Tupaciguara é a Air Vantis. Também iniciativa nacional, a companhia toca dois projetos. Um deles é o desenvolvimento de um dirigível (aeronave mais leve que o ar) para transporte de carga.

Esse projeto, que está em desenvolvimento há mais de 20 anos, é realizado em parcerias com empresas do Canadá, China, Rússia, França e Alemanha. Lucas de Mendonça Fonseca, diretor executivo da empresa, disse que a ideia é, em três anos, ter o protótipo construído.

"O consórcio quer incluir o Brasil no projeto por questões estratégicas. O fluxo comercial no país é enorme".

Segundo ele, para colocar o dirigível no ar serão necessários R$ 7,4 bilhões , mas a instalação de um centro de pesquisas custará R$ 1,5 milhão. "Buscamos parceria da iniciativa privada para iniciar as pesquisas."

Outro projeto em desenvolvimento pela Air Vantis é na área aeroespacial: propulsão líquida para foguetes.

Hoje, o país utiliza propulsão sólida para realizar lançamentos. Esta empreitada, diz Fonseca, vai demandar cerca de R$ 4,6 milhões. "Os estudos estão avançados e são em parceira com o CTA (Centro Técnico Aeroespacial) em São José dos Campos (SP)".


Fonte: Site do Jornal Brasil Econômico

Comentário: Bom leitor não resta dúvida que esse complexo aeroespacial chega em boa hora, mas sinceramente espero e torço que não fique restrito somente a área Aeronáutica. A notícia nessa matéria que mais chama a nossa atenção é a do envolvimento dessa empresa “Air Vantis” no desenvolvimento de propulsão líquida para foguetes. Confesso leitor que nunca ouvi falar nessa empresa, o que faz com o seu envolvimento com CTA também fosse totalmente desconhecido por mim. Se o diretor da empresa, Lucas de Mendonça Fonseca, está se referindo ao Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) do DCTA (pode está se referindo ao ITA), até onde eu sei a única empresa envolvida em projetos de propulsão líquida e tecnologias associadas com esse instituto é a “Orbital Engenharia” que está desenvolvendo conjuntamente o “Sistema de Alimentação Motor-Foguete (SAMF)”  e o “Motor-Foguete Líquido L15”. Entretanto, outras empresas brasileiras já trabalham nessa área de propulsão líquida, como a Edge Of Space (propulsão verde sólida e líquida), a INOTECH e também se não me engano a Acrux Aerospace Technologies.

Comentários

  1. E muito bom ver que o complexo aeroespacial de minas esta sendo realmente implantando e o governo de Minas também parece esta se esforçando para trazer ao seu estado o melhor em tecnologia . E no site da áxis aeroespacial aperece a parceria desta empresa com o Ieav na área de Hipersonica e propulsão a laser ,essa empresa me parecesse muito promissora

    ResponderExcluir
  2. Torcer para dar certo! Só não entendi porque a escolha desta cidade, não seria mais racional escolher Itajubá, onde realmente já existe um polo aeroespacial se formando encabeçado pela Helibrás.

    ResponderExcluir
  3. Olá Rafael!

    Verdade amigo, estive olhando e confesso que também fiquei surpreso com o que eu vi. Vamos torcer que essa empresa realmente seja promissora e que o governo fique atento, caso seja ela a empresa escolhida para se beneficiar das tecnologias hipersônica e a laser que estão sendo desenvolvidas no IEAv. Evitando com isso que após assimilar essas tecnologias a empresa seja vendida para uma empresa estrangeira, como alias já correu com diversas pequenas e médias empresas brasileiras (estratégicas) que foram vendidas para empresas estrangeiras após se beneficiarem ou desenvolverem tecnologias estratégicas por anos, se utilizando de recursos públicos, o que em nossa opinião constitui crime contra a nação.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  4. Olá Ramir!

    Boa colocação amigo. Com a palavra o governo do Estado de Minas Gerais.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial