Palesta de Roberto Amaral na FIESP


Olá leitor!

Como o blog havia anunciado anteriormente o diretor-geral brasileiro da Alcântara Cyclone Space (ACS), Roberto Amaral, ministrou ontem (05/04), uma palestra sobre o “Programa Espacial Brasileiro” e sobre a ACS na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), em São Paulo. A palestra foi realizada na reunião plenária do Comitê da Indústria de Defesa (COMDEFESA), integrada por militares, membros do governo, academia e indústrias do setor.

A convite do presidente da FIESP, Paulo Skaf, a apresentação de Amaral teve por objetivo apresentar a parceria espacial Brasil - Ucrânia, o status atual do projeto, além de suas perspectivas futuras.

Segundo diz o companheiro jornalista André Mileski (que esteve presente no evento, apesar de não poder acompanhá-lo até o final) em seu blog “Panorama Espacial” como era de se esperar, não houve qualquer novidade. Amaral destacou o caráter estratégico da ACS, o atraso do Programa Espacial Brasileiro (frente a outros países), seu enquadramento na Estratégia Nacional de Defesa (END), e a burocracia que emperra os avanços de vários projetos nacionais.

Citando dados de 2009, o ex-ministro de C&T destacou que dos BRICs, o Brasil é o que menos investe em espaço: US$ 164 milhões, número que se reduz a frações dos US$ 2,4 bilhões da Rússia, US$ 1,3 bilhão da China, e US$ 1,01 bilhão da Índia.


Fonte: Blog “Panorama Espacial“ - André Mileski

Comentário: Dizer algo mais sobre este mal engenhado programa do Cyclone-4 não acreditamos que seja necessário leitor, pois o mesmo fala por si só. E o pior disso tudo é que a outra opção genuinamente brasileira, ou seja, o VLS-1, também não vai bem das pernas. A verdade é que infelizmente para o país o programa espacial brasileiro é um verdadeiro barco sem rumo e certamente as gerações futuras da sociedade brasileira pagarão um preço alto por esta incompetência de agora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial