Mais Sobre o Novo Supercomputador do INPE


Olá leitor!

Segue abaixo mais uma noticia postada ontem (14/04) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) informando que o novo supercomputador adquirido pelo o instituto amplia em 50 vezes a capacidade de processamento do INPE.

Duda Falcão

Novo Supercomputador Amplia em
50 Vezes a Capacidade de Processamento no INPE

14-04-2010

O novo supercomputador adquirido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) permitirá ao Brasil melhorar a qualidade de suas previsões meteorológicas e investir no desenvolvimento de cenários climáticos futuros globais e regionais para a América do Sul e outras áreas de interesse, além de sistemas de informação para prevenção de desastres naturais. Adquirido com recursos do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), o novo supercomputador será fornecido pela empresa norte-americana Cray Inc., vencedora da licitação internacional encerrada no mês passado.

O equipamento permitirá avanços em pesquisa e geração de informações mais confiáveis em várias áreas, entre as quais se destacam:

1. Melhorias na previsão numérica de tempo, nas previsões climáticas sazonais, e de qualidade do ar realizadas operacionalmente pelo INPE, e aumento das atividades associadas de pesquisa e desenvolvimento.

2. Geração de novos conhecimentos científicos e desenvolvimento de pesquisas, produtos e modelagem do sistema climático global, com vistas a prover cenários climáticos futuros que vão orientar políticas públicas de mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

3. Aumento da confiabilidade dos prognósticos de eventos meteorológicos e climáticos extremos deflagradores de desastres naturais e desenvolvimento da modelagem dos próprios desastres naturais, como deslizamentos em encostas, inundações, secas, etc.

O novo sistema de supercomputação será instalado no INPE de Cachoeira Paulista (SP) e será utilizado pelos Centros de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto (CCST) do próprio Instituto, além dos grupos de pesquisa, instituições e universidades integrantes da Rede Brasileira de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas (Rede CLIMA) do MCT, do Programa FAPESP de Pesquisa em Mudanças Climáticas Globais e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) para Mudanças Climáticas.

Com a aquisição do novo supercomputador, serão geradas previsões de tempo mais confiáveis, com maior prazo de antecedência e de melhor qualidade, ampliando o nível de detalhamento para 5 km na América do Sul e 20 km para todo o globo. Será possível prever ainda eventos extremos com boa confiabilidade, como chuvas intensas, secas, geadas, ondas de calor, entre outros. As previsões ambientais e de qualidade do ar também serão beneficiadas, gerando prognósticos de maior resolução, de 15 quilômetros, com até seis dias de antecedência.

O novo supercomputador também será fundamental para o desenvolvimento e implementação do Modelo Brasileiro do Sistema Climático Global, que incorporará todos os elementos do Sistema Terrestre (atmosfera, oceanos, criosfera, vegetação, ciclos biogeoquímicos, etc), suas interações e como este sistema está sendo perturbado por ações antropogênicas (por exemplo, emissões de gases de efeito estufa, mudanças na vegetação, urbanização, etc.). Este esforço envolve um grande número de pesquisadores do Brasil e do exterior, provenientes de diversas instituições, o que se constitui num projeto interdisciplinar de desenvolvimento de modelagem climática sem precedentes entre países em desenvolvimento.

Com este novo recurso computacional, que amplia em 50 vezes a capacidade de processamento no INPE, será possível implementar uma série de inovações já em curso. A atual infraestrutura computacional está operando no limite de sua capacidade, o que tem impedido a incorporação de avanços já desenvolvidos nas áreas de modelagem numérica, modelagem de mudanças climáticas, assimilação de dados, química e aerossóis, atmosfera, oceanos e vegetação, que deverão trazer melhorias às previsões de tempo e clima e às simulações de mudanças climáticas.

A velocidade de processamento de pico deste novo supercomputador, de 244 Teraflops por segundo, é superior àquela da maioria das máquinas em operação nos principais centros meteorológicos e de modelagem climática do mundo, de acordo com a última lista do Top500 da Supercomputação (http://www.top500.org/), divulgada em novembro do ano passado. Quando instalado, estará entre os cinco supercomputadores mais poderosos do mundo em uso para aplicações meteorológicas, climáticas e ambientais, em termos de velocidade efetiva de processamento.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas espaciais (INPE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial