Mais Massa Para os Raios Cósmicos


Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada na “Revista Pesquisa FAPESP” (edição 170) destacando que a equipe de físicos do Observatório Pierre Auger com participação de físicos brasileiros concluiu que os “Raios Cósmicos de Energias Ultra-Altas” possuem mais massa.

Duda Falcão

Laboratório

Mais Massa Para os Raios Cósmicos

Edição Impressa 170 - Abril 2010

© Observatório Pierre auger
Em Malargue: detectores do Pierre Auger

Os físicos do Observatório Pierre Auger concluí­ram que os raios cósmicos de energias ultra-altas podem ser constituídos por aglomerados de prótons, partículas com carga elétrica positiva, e de nêutrons, partículas sem carga elétrica – e não simplesmente prótons, como se pensou por muitos anos. “Os raios cósmicos de energias mais altas tendem a ser núcleos de átomos de ferro, com muitos prótons e nêutrons”, diz Carlos Escobar, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), um dos coordenadores da equipe brasileira no Pierre Auger. Os resultados mais recentes dão mais massa aos bastante raros raios cósmicos de energias mais altas (Physical Review Letters). Se forem real­mente núcleos de ferro, um dos elementos químicos mais abundantes no Universo, podem tomar a forma de bolotas superenergéticas de 28 nêutrons e 26 prótons. Outra possibilidade é que sejam núcleos de carbono, com apenas seis prótons e seis nêutrons, produzidos pela fragmentação de núcleos de ferro. “Os raios cósmicos de energias mais altas parecem ser, na verdade, um coquetel, uma mistura de partículas”, diz Escobar. “Quanto maior a energia, aparentemente maior é a participação dos núcleos mais pesados.”


Fonte: Revista Pesquisa FAPESP - Edição 170 - Abril 2010

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes