ITASAT-1 no Voo Inaugural do Cyclone 4?

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (15/10) no blog “Panorama Espacial” do companheiro jornalista André Mileski, levantando a hipótese de que o Satélite Universitário ITASAT-1 pode ser lançado através do trambolho tóxico ucraniano Cyclone-4.

Duda Falcão

ITASAT-1 no Voo Inaugural do Cyclone 4?

André Mileski
15/10/2012

Previsto para novembro de 2013, se tudo acontecer conforme o planejado, o voo inaugural do foguete ucraniano Cyclone 4, a ser operado a partir do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão (MA), deve levar não apenas o nano-satélite japonês Nano-JASMINE, acrônimo de Japan Astrometry Satellite Mission for Infrared Exploration.

Segundo informações recebidas pelo blog Panorama Espacial, a Alcântara Cyclone Space (ACS), binacional responsável pela comercialização e operação do binômio Cyclone 4 / CLA, ofereceu à Agência Espacial Brasileira (AEB) espaço para lançamento de uma carga útil no voo inaugural, que pode vir a ser ocupada pelo satélite universitário ITASAT-1, em desenvolvimento pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), subordinado ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), de São José dos Campos (SP).

Nos cronogramas de lançamentos apresentados publicamente pela AEB, o lançamento do ITASAT-1 aparece como planejado para 2013, justamente o ano em que o Cyclone 4 deve ter o seu primeiro lançamento.

Financiado pela AEB, o ITASAT-1 tem sua execução a cargo do ITA, que responde ainda pelos subsistemas (estrutura, controle térmico, suprimento de energia, controle de atitude e computador de bordo). O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) é provedor de consultoria técnica, de infraestrutura laboratorial e gestor financeiro. As cargas úteis que comporão a missão serão oriundas de algumas universidades brasileiras, dentre as quais a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e a Universidade Estadual de Londrina (UEL).


Fonte: Blog “Panorama Espacial“ - André Mileski

Comentário: Realmente leitor essa possibilidade é real, desde que o cronograma de desenvolvimento e lançamento do ITASAT-1 seja cumprido e o trambolho tóxico ucraniano esteja pronto para o lançamento. Afinal no Cyclone 4 haverá bastante espaço gratuito para isso, já que o nano-satélite japonês Nano-JASMINE (como o nome já diz) é bem pequeno. O real problema da ACS será quando começar a cobrar pelos seus lançamentos, já que devido aos seus problemas operacionais e de mercado, deverá ficar restrita a lançamentos de algumas cargas úteis ucranianas e brasileiras. Confesso que ainda tenho esperança  que o “Greenpeace” venha se sensibilizar e impedir as operações de lançamento desse trambolho de Alcântara.

Comentários

  1. Ué, que estranho?

    De acordo com as informações divulgadas, me parece que é (ou será) tudo novo, a plataforma de lançamento, o foguete...

    Não vão nem fazer UM lançamento de teste com carga inerte? Vale a pena correr o risco? qual é o custo desses satélites? Ou mais importante, quanto tempo levaria para fazer outro igual?

    Eu acho meio esquisito...

    ResponderExcluir
  2. Olá Marcos!

    Esse primeiro lançamento é o vôo de qualificação do foguete e como as cargas uteis são satélites universitários, tanto a AEB como a a organização japonesa resolveram assumir os riscos. Além do que o lançamento de ambos, caso ocorra, será inteiramente gratuito.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. pode ate ser um trambolho tóxico duda , mas só por levar cargas brasileiras ja é uma ótima notícia . o problema mesmo é a tranfêrencia de tecnologia , mesmo com a experiência indireta obtida ja que vai ser um dos primeiros foguetes '' grandes'' a conseguir decolar do brasil ( ai sim vai aparecer uma notícia espacial no jornal nacional da famosa emissora energúmena globo )

    ResponderExcluir
  4. Por um lado deixe que lancem o Cyclone-4, porque daí virá mais dinheiro para o PEB por excelência (isto é, deixará de ser investido nesse foguete). Espero que durante o percurso do Cyclone-4 não parem as pesquisas com o fim de encontrar uma alternativa mais ecológica para ele (se entrar dinheiro no programa).

    Os diretores do Cyclone-4 precisarão de dobrar os joelhos, porque com o embargo americano e com o preço do lançamento precisarão de uma ajudinha dos céus. Admira-me que não tenha entrado o greenpeace na história também, mas veremos o que projeta esse programa.

    ResponderExcluir
  5. Caros João Paulo e Israel!

    Perdoe-me, mas discordo frontalmente de vocês. Nada justifica esse crime ecológico absurdo que está para acontecer no estado do Maranhão. Pelo visto vocês não tem ideia do que seja Hidrazina. Recordo-me que durante os preparativos para a "Operação São Luiz" em 2003, o IAE preparou uma verdadeira 'operação de guerra" para transportar de São José dos Campos (SP) até Alcântara algo em torno de 2 litros dessa substância para ser usada nos motores de rolamento do VLS-1. O comboio levou pouco mais de uma semana para fazer o transporte terrestre acompanhados por um exercito de pessoas, devido a alta periculosidade dessa substância tóxica. O que acontece é que no caso do Cyclone-4, 'toneladas' dessa substância serão jogadas na atmosfera sobre as cabeças dos pobres maranhenses a cada lançamento. Hoje em dia essa substância só é usada em motores-foguetes que atuam no vácuo (no espaço) em pequenas quantidades e não na atmosfera, como os motores de satélites e de sondas espacias e em alguns casos em motores de estágios superiores de foguetes que atuam fora da atmosfera terrestre. O acordo com a Ucrânia é um desastre em todos sentidos, não só ecológico, como tecnológico e comercial, e quem lhe disse que prevê transferência de tecnologia João Paulo? Nem de um simples parafuso isso acontecerá com relação ao Cyclone-4. O que existe é um memorando de entendimento para o desenvolvimento conjunto de um eventual Ciclone-5 e só. Entretanto, isso só vai a frente se a empresa der certo, coisa que não irá acontecer devido a uma serie de problemas. Nem mesmo o mercado (a concorrência) leva a ACS a sério. Por que você acha que o Projeto do Cyclone-4 não foi aceito para ser lançado da Rússia? Só mesmo nesse país de 'mãe joana' é que isso acontece. Entretanto felizmente ainda há a esperança de que o 'Greenpeace' venha a se manisfestar.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  6. Só resta ver no que vai dar em 2013

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E torcer que não saia nada de errado, pois caso isso ocorra quem vai pagar um preço altíssimo será a população da região de Alcântara, já que o verdadeiros responsáveis estarão comendo pizza em alguma pizzaria próxima da Praça dos Três Poderes em Brasília. E pior, sem correr qualquer risco de vida ou jurídico. Brazil Zil Zil Zil.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  7. Periculosidade da Hidrazina:

    Ingestão-> Tóxico, possivelmente um agente CANCERÍGENO.
    Inalação-> Muito perigoso, EXTREMAMENTE destruidor do sistema respiratório
    Pele-> Pode causar queimaduras SEVERAS. Pode ser absorvido pelo sangue.
    Olhos-> Pode causar danos permanentes.

    É, não tem como apoiar depois de pesquisar.

    ResponderExcluir
  8. Olá Israel!

    Agora você está entendendo como as coisas são realmente. Esse acordo não é só um desastre ecológico como você mesmo pôde pesquisar (Imagine se ocorre uma explosão? A capital São Luís fica a apenas 50 km em linha reta de Alcântara), mas também econômico e tecnológico que só poderia ser assinado por um de..loide como o Roberto Amaral.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  9. Olá! Sou totalmente leigo no assunto.
    Então pergunto se não cabe uma adaptação para uso de substancia e combustíveis menos poluentes e agressivos ao meio-ambiente no cyclone4, ou teria de ter um novo modelo de foguete para que isso ocorra?

    E qual séria a alternativa aceitável para um foguete deste nível? Total abandono deste tipo de foguete(cyclone4), investimentos em desenvolvimento estritamente nacional, parcerias internacionais, ou ainda tu acredita em adaptações?

    Só pra finalizar, qual tipo de combustível é usado no VLS?

    Muito Obrigado!

    P.S. Parabéns pelo blog. É de estrema importância que aja mais espaço para informações do desenvolvimento de tecnologias avançadas no nosso país, e seu blog contribui muito para o acesso de informações importantes como estas. Vida longa ao blog e muita sorte ao programa espacial brasileiro. Vlw.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Azevedo!

      O acordo que gerou a ACS não prevê mudanças na concepção do foguete, nem agora, nem nunca. Se existe essa possibilidade? Claro que sim, mas parte-se do principio de que ambas as partes envolvidas caminhem nessa direção e isso no momento nem é cogitado.

      Quanto a sua pergunta sobre a alternativa aceitável em minha opinião seria a que envolvesse o desenvolvimento conjunto com uma outra nação mais desenvolvida (a Rússia por exemplo) sempre tendo em mente a busca por soluções tecnológicas mais modernas e mais ecologicamente corretas.

      Quanto ao combustível utilizado no VLS-1 o mesmo é o sólido compósito, que é composto por vários produtos que também não são exatamente ecológicos, mas que estão extremamente longe dos problemas que o uso da "Hidrazina" irá causar quando começarem os lançamentos de Alcântara desse trambolho tóxico ucraniano. Lamentável!

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  10. Então se tudo der certo, os Quilombolas da área, coitados, em breve estarão pescando peixes e colhendo mandioca contaminados com esse lixo tóxico.

    Huumm, tô começando a entender o plano...

    Isso é que é, um "governo" preocupado com o povão!

    Que vergonha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o pior Marcos é que não foi por falta de aviso da comunidade científica e do próprio Comando da Aeronáutica (COMAER) que desde o início foi contra esse absurdo. Entretanto nesse país os interesses políticos sempre falaram mais alto do que os interesses do povo. Brazil Zil Zil.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space_

      Excluir
  11. É Duda, se depender dos ucranianos isso vai ser lançado aqui mesmo. O primeiro ministro Azarov diz que o governo aprovou instruções para novas atividades espaciais, incluindo a continuação do projeto com o Cyclone-4. Essa ladainha só vai acabar quando essa empresa for esmagada pela concorrência de outras estrangeiras mais viáveis... http://en.for-ua.com/news/2012/10/17/131423.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Heverton!

      Disso eu não tenho dúvida, afinal é melhor jogar esse lixo sobre a cabeça dos otários brasileiros do que sobre a cabeça do povo ucraniano. Quanto ao fim da empresa, isso infelizmente deverá durar ainda um bom tempo, pois existe uma demanda brasileira e ucraniana de satélites a caminho que se aproveitará desse foguete, fora o subsídio que esses de..loides de Brasilia darão a essa empresa até não ter mais jeito.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  12. esta que e situaçao dos brasileiros apenas critcam e nao apresentam solucoes

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial