Bactérias Sobreviveriam a Explosão de Estrela, diz Estudo

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada dia (23/10) no site do “Jornal Folha de São Paulo” e postada no site do “Jornal da Ciência” da SPBC destacando que estudo conduzido pelo astrobiólogo brasileiro Douglas Galante, do IAG-USP, demonstra que bactérias sobreviveriam à explosão de uma estrela.

Duda Falcão

Notícias

Bactérias Sobreviveriam a Explosão
de Estrela, diz Estudo

Salvador Nogueira
Folha de São Paulo
23/10/2012

Cientistas recriaram em laboratório os efeitos de uma supernova - detonação explosiva de uma estrela gigante - para saber se a vida seria capaz de aguentá-los. Aparentemente, ao menos no que diz respeito à radiação produzida, a resposta é sim, com um pouco de sorte, é claro.

O estudo foi apresentado na 37ª reunião anual da Sociedade Astronômica Brasileira, que ocorreu em Águas de Lindoia (interior de SP). A bactéria escolhida foi a Deinococcus radiodurans, famosa por sua notável resistência à radiação.

O experimento, conduzido por Douglas Galante, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG-USP), foi realizado no Diamond Light Source, um laboratório de luz síncrotron no Reino Unido. "Esse é um dos primeiros estudos em que tentamos simular os efeitos biológicos de uma supernova em laboratório", afirma Galante. O estudo expôs as bactérias a um nível de radiação similar ao que seria gerada num evento de supernova.

Proteção - Três modalidades do experimento foram conduzidas, com exposição direta dos micro-organismos e com exposição sob uma camada de grãos de arenito ou basalto. A ideia era verificar se o substrato daria mais proteção às criaturas bombardeadas.

Daí veio a primeira surpresa: aparentemente, tanto o basalto quanto o arenito (em quantidade menor) emitem radiação secundária quando irradiados, o que torna a sobrevivência ainda mais difícil para as bactérias. Viveram mais as que estavam livres.

Boa notícia - E a boa notícia é que elas resistiram - ou pelo menos uma parte delas. "Uma supernova estando até cerca de 30 parsecs de distância conseguiria matar 90% de uma população dos organismos mais radiorresistentes que conhecemos", diz Galante. Um parsec é a medida favorita dos astrônomos e equivale a 3,26 anos-luz, ou 31 trilhões de quilômetros.

O estudo se restringiu aos efeitos da radiação. Nada sobre a onda de choque ou modificações atmosféricas causadas por uma supernova próxima foi investigado, o que torna as estimativas de sobrevivência mais otimistas.

Contudo, também é improvável uma detonação de uma supernova a meros 30 parsecs daqui. E o fato de que, mesmo a essa pequena distância (em termos astronômicos), uma parcela das bactérias pôde resistir mostra que extinguir a vida completamente pode ser bem difícil. Não que os humanos devessem se confortar. Mas há razão para festa entre as bactérias radiorresistentes.


Fonte: Site do Jornal da Ciência de 23/10/2012

Comentário: Fantástico, isso vem demonstrar que como a Astronomia e a Astrofísica, a Astrobiologia brasileira vem crescendo muito no Brasil nos últimos anos, e um dos grandes responsáveis por isso, sem dúvida nenhuma, é o astrobiólogo Douglas Galante. Assim sendo, meus parabéns ao Douglas e a toda sua equipe do IAG-USP.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial