Brasil Tem Papel-Chave na Construção do Maior Olho da Humanidade

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada dia (13/11) no “Portal TERRA” destacando que o Brasil tem papel-chave na construção do maior olho da humanidade.

Duda Falcão

ESPAÇO

Brasil Tem Papel-Chave na Construção
do Maior Olho da Humanidade

Matheus Pessel
Direto de Cerro Paranal
13 de Novembro de 2013 - 08h30
Atualizado às 09h42

Foto: ESO/L. Calçada / Divulgação
O E-ELT será o maior telescópio óptico e infravermelho próximo. 

Hoje, o ser humano tem a capacidade de olhar longe e com grande qualidade no céu. Telescópios como o Hubble, o Newton e o Fermi em órbita, e o VLT e o Gemini no chão levaram a descobertas antes impossíveis para os astrônomos. Mas uma nova geração vêm aí e promete expandir os limites dessa área da ciência. E o Brasil, ao contrário de todos os observatórios mencionados antes, pode ser um pilar dessa nova fase.

Projetado para ter um espelho de 42 metros, o Telescópio Europeu Extremamente Grande (E-ELT, na sigla em inglês) pode ter, apesar do nome, sangue sul-americano. Ele será construído na árida região do Atacama, no Chile, considerada a melhor do planeta para a astronomia. O observatório teria capacidade para registrar os espectros óptico e infravermelho próximo da luz muito superior aos telescópios atuais. E a construção, que deve custar em torno de 1 bilhão de euros, está esperançosa com a possível aprovação no Congresso de um acordo que faria do Brasil um dos membros do Observatório Europeu do Sul (ESO) e que custaria ao País R$ 1,1 bilhão.

"Requer um significante aporte de dinheiro para construí-lo e muito virá de contribuições extras de todos os países-membros e também de contribuições anuais transferidas do Brasil", diz Tim de Zeeuw, diretor-geral do ESO, se referindo ao valor do acordo a ser pago pelo País. Zeeuw diz que o telescópio sairá mesmo que o Congresso não aprove o texto, mas pode levar mais tempo que o esperado.

O diretor-geral afirma que a entrada do Brasil no ESO não pode ser vista como uma questão financeira, e sim como uma parceria científica e tecnológica. “O ESO quer trabalhar com a vibrante e fortemente crescente comunidade astronômica do Brasil, que já é bem conectada internacionalmente. Queremos também conectar com a indústria brasileira, em especial a de alta tecnologia, para nos ajudar a construir.”

Foto: Matheus Pessel / Terra
O Cerro Armazones, no Chile, terá o topo explodido
para dar espaço à construção do E-ELT.

E o consórcio internacional não deve esperar o Brasil. Em breve, o topo de Cerro Armazones será explodido para que tenha espaço para abrigar o E-ELT. Atualmente, o local abriga apenas um pequeno telescópio, que mede a “turbulência” da atmosfera, que interfere na qualidade das imagens, e uma estação meteorológica para garantir a segunda grande qualidade do Atacama: a falta de nuvens – são cerca de 320 noites de céu claro por ano.

Foto: Matheus Pessel / Terra
Atualmente, no local há apenas um
pequeno telescópio para medir a turbulência
da atmosfera e uma estação meteorológica.
Se o Congresso aprovar o acordo, as empresas brasileiras poderão participar das concorrências do ESO – e, para começar, já terão uma de 1 bilhão de euros. “Alguns projetos podem ser muito pequenos, mas o domo e a estrutura principal do E-ELT são grandes projetos. Elas (as empresas) certamente têm capacidade de construir grandes estruturas”, diz Zeuuw.

Para o diretor-geral do ESO, a capacidade tecnológica brasileira a capacita também para participar do projeto. “Vocês atualmente constroem os próprios aviões. Isso é alta tecnologia. O Brasil atualmente tem instalações para instrumentos astronômicos que não temos na Europa”, diz, referindo-se ao Laboratório Nacional de Astrofísica, em Itajubá, que produz instrumentos com fibras ópticas.

“O Brasil, na hora que assinou o acordo, foi tratado como um país-membro, com a exceção da componente industrial. Quando há licitação para construção de um componente novo, para fazer a atualização de um componente que já existe ou para construir um telescópio novo – por exemplo, o E-ELT, que vai começar a construção no próximo ano –, a indústria brasileira não pode participar. Ela só pode participar de uma licitação quando o acordo estiver ratificado pelo Congresso”, diz Claudio Melo, diretor científico do ESO no Chile.

ESO: indústria brasileira está preparada
para telescópio de 1 bi de euros

Melo diz que, na área tecnológica, o Brasil já produz equipamentos para telescópios, mas deve crescer muito ainda. “Ainda está muito longe do potencial que o País tem. Se você olha as universidades brasileiras, a capacidade que elas têm de participar de projetos desse porte, existe um potencial enorme que não é aproveitado. A entrada do Brasil no ESO vai permitir que essa área de pesquisa e desenvolvimento tecnológico se incorpore a uma aplicação prática do desenvolvimento instrumental, que é necessária à astronomia”.


Telescópio Europeu Extremamente Grande (E-ELT)
em comparação com a Allianz Arena.

O jornalista viajou ao Chile a convite do ESO.


Fonte: Portal Terra - 13/11/2013 - http://noticias.terra.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial