Curso no INPE Avalia Técnicas Para Monitorar Exploração Seletiva da Madeira Com Dados LIDAR

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (13/11) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que curso no instituto avalia técnicas para monitorar a Exploração Seletiva da Madeira com Dados LIDAR.

Duda Falcão

Curso no INPE Avalia Técnicas Para
Monitorar Exploração Seletiva da Madeira
Com Dados LIDAR

Quarta-feira, 13 de Novembro de 2013

Em parceria com o Serviço Florestal Brasileiro (SFB), a capacitação no mapeamento e monitoramento da exploração seletiva de madeira vem sendo realizada desde 2010 pelo Centro Regional da Amazônia (CRA) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), situado em Belém (PA). As pesquisas na área de detecção do corte seletivo estão avançando e novos sensores, como o LIDAR (sigla para Light Detection and Ranging), estão sendo avaliados quanto à sua potencialidade para análises da estrutura florestal.

Para facilitar as pesquisas será realizado no CRA/INPE, de 18 a 22 de novembro, um curso específico para o uso de dados LIDAR.

O curso é resultado de parceria entre o CRA/INPE, o SFB e a Embrapa Monitoramento por Satélite, que realiza o projeto Paisagens Sustentáveis, destinado a desenvolver capacidade técnica para atuar em ações de REDD+ com foco no monitoramento, relato e verificação. Também conta com o apoio do United States Forest Service (USFS) e da United States Agency for International Development (USAID), que financia o projeto.

Técnicos do SFB e parceiros já participaram de um curso em Brasília, em outubro deste ano, onde foi apresentada a metodologia para detecção de áreas de exploração seletiva de madeira desenvolvida pelo INPE no contexto do projeto DETEX. Agora, o curso para dados LIDAR faz parte do Projeto Paisagens Sustentáveis, que prevê o uso desta tecnologia para avaliar em detalhe a área de estudo, fornecendo informações mais precisas sobre a superfície do terreno e da estrutura da vegetação.

Participarão do curso em Belém técnicos de diferentes instituições nacionais e internacionais, como Embrapa, INPE, SFB, Universidade Federal do Pará, Instituto Evandro Chagas, Ministério do Meio Ambiente do Equador e Instituto de Hidrologia, Meteorologia e Estudos Ambientais (IDEAM) da Colômbia.

“A heterogeneidade da equipe permitirá e incentivará o desenvolvimento de novas metodologias para utilização de dados LIDAR em conjunto com dados orbitais e também aqueles extraídos em campo. Estes dados auxiliam a contabilização de carbono no âmbito do REDD+, que é um dos objetivos do projeto Paisagens Sustentáveis”, explica Alessandra Gomes, Chefe do CRA/INPE.

O aumento na capacidade de monitorar o carbono e outros gases e o levantamento de estimativas locais poderão auxiliar na formulação do inventário nacional de emissões de gases de efeito estufa e, também, devem beneficiar outras ações municipais, estaduais e federais.

Os instrutores do curso serão os especialistas em Sensoriamento Remoto do United States Forest Service (USFS), o Serviço Florestal Americano, Brent Mitchell e Jess Clark.

Prédio do Centro Regional da Amazônia do INPE, em Belém,
onde será realizado o treinamento no uso de dados LIDAR
para monitoramento da exploração seletiva.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes