Imprensa Portuguêsa Destaca Programa CBERS


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (06/11) no site da LUSA (Agencia de Notícias de Portugal) destacando que o Programa Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres (CBERS) irá beneficiar a África.

Duda Falcão

Singular Parceria Sino-Brasileira no
Domínio Espacial vai Beneficiar África

Por António Caeiro, da Agência Lusa
06-11-2009 - 13:32


Pequim, 06 Nov (Lusa) - Brasil e China desenvolvem há mais de duas décadas um programa de cooperação espacial único no mundo e que a partir de 2010 irá também beneficiar o continente africano.

“É um dos aspectos mais relevantes da nossa cooperação, que se traduz por uma efectiva transferência e partilha de conhecimento”, realçou à agência Lusa a conselheira científica da Embaixada do Brasil na China, Luciana Mancini.

Esta singular parceria é encarnada hoje pelo CBERS-2B, o terceiro satélite de investigação de recursos terrestres inteiramente desenhado, fabricado e lançado por dois países em vias de desenvolvimento, e que está em órbita desde Janeiro de 2007.

O primeiro, o CBERS-1, foi lançado em Outubro de 1999: “Estamos a transformar o Cabo das Tormentas no Cabo da Boa Esperança”, disse na altura o responsável da equipa brasileira envolvida no projecto, o professor José Raimundo Coelho.

Depois foram lançados mais dois satélites do mesmo tipo, que, em media duram no máximo 5 anos, e o quarto está previsto para 2010.

“Os nossos satélites já forneceram mais de 400 mil imagens, o que dá 250 imagens por dia. Antes, o Brasil tinha de recorrer aos satélites norte-americanos”, salientou Luciana Mancini.

As imagens fornecidas por aqueles satélites têm “muitas aplicações”, entre as quais planejamento agrícola e urbano, estudo da poluição e controlo das florestas, o que no caso da Amazônia é crucial.

“Só no Brasil há 15.000 utentes (instituições governamentais ou privadas) que usam essas imagens”, referiu Luciana Mancini.

A parceria com a China, acordada em 1987, “proporcionou ao Brasil um salto qualitativo”, acrescentou.

Segundo a diplomata, “a qualidade das imagens já é boa, mas ainda pode ser melhorada” e “está em estudo a ampliação da cooperação a outras áreas”, nomeadamente quanto ao fabrico de componente eletrônicos dos satélites de sensoriamento terrestre”.

Brasil e China acordaram, entretanto, estender a África os resultados da sua cooperação espacial, fornecendo gratuitamente as imagens captadas pelos CBERS quando sobrevoam aquele continente.

Para beneficiar daquele serviço, África necessita, contudo, de cinco estações terrestres, situadas em pontos estratégicos do continente, além de técnicos especializados.

Três das estações - em Assuam, Egipto, na África do Sul e nas Ilhas Canárias - encontram-se já “em estado de finalização” e deverão estar operacionais durante o próximo ano, adiantou a diplomata brasileira.

As outras duas estão projectadas para o Ghana e no Quénia, na costa ocidental e oriental do continente, respectivamente.

“No fundo, África não se conhece a si própria e com estas imagens aumentará a massa de informação sobre o seu próprio território”, rematou Luciana Mancini.

AC.
Lusa/Fim



Fonte: Site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE)

Comentário: Como o leitor pode notar, esse Programa CBERS é um grande sucesso de reconhecimento internacional. Infelizmente esse sucesso não se estende a outras áreas do PEB, mesmo na área de satélites, onde só agora quase 10 anos depois esta se finalizando outro satélite genuinamente brasileiro, o Amazônia-1.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial