UFRN / INEspaço Irão Enviar Experimento para o Espaço


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia publicada dia 02/11 no site do “Jornal Diário de Natal On-Line - DN” destacando que pesquisadores do Instituto de Estudos do Espaço (INEspaço) e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) irão enviar a cana-de-açucar para o espaço em missão da AEB.

Duda Falcão

Pesquisadores da UFRN Vão Enviar Cana-de-Açucar
em Foguete para o Espaço

Por Adriana Amorim,
da redação do DIÁRIO DE NATAL
02/11/2009


O comportamento do clima em todo o mundo - que tem vivenciado alterações bruscas de temperatura nos últimos anos - é apontado como um dos responsáveis pela redução significativa do crescimento e produtividade de produtos agrícolas economicamente importantes. Embora não haja dados conclusivos, pesquisas desenvolvidas pelo Instituto Nacional de Estudos do Espaço (INEspaço) adotaram a cana-de-açúcar como modelo visando a compreensão do que acontece quando sua estrutura genética é submetida a estresses como calor, seca e até microgravidade. Um grupo de pesquisadores potiguar vai estudar os efeitos da gravidade zero sobre a espécie vegetal, através de amostras que serão enviadas para o espaço.

O grupo submeteu à Agência Espacial Brasileira duas solicitações para sua pesquisa e agora aguarda o envio ao espaço de amostras de cana-de-açúcar em um foguete modelo VSB-30, do Brasil, onde permanecerão por seis minutos em estado de microgravidade. O outro pedido também foi aceito, mas aguarda um lançamento à Estação Experimental Internacional (ISS), onde o mesmo material poderá permanecer por até sete dias no espaço. Kátia explica que o crescimento de plantas no ambiente de gravidade zero permitirá a prospecção de genes e proteínas que são ativados ou reprimidos durante esta condição de microgravidade e sua caracterização.

À frente do estudo 'Caracterização funcional de genes associados ao processo de floração em cana-de-açúcar', a pesquisadora Kátia Scortecci, do Departamento de Biologia Celular e Genética da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), explica que a escolha pelo produto se deve, principalmente, ao fato de o Brasil contribuir com 25% da produção mundial de cana-de-açúcar, sendo o Nordeste responsável por 14,32% da produção nacional, número que poderia ser bem mais alto. "A contribuição da região é reduzida não por causa da área plantada, mas por causa da baixa produtividade da cultura, levando a um baixo rendimento na indústria sucro-alcooleira", explicou.

"A gente quer compreender como a planta vai se adaptar àquela condição e, assim, tentar encontrar soluções ao melhoramento genético, visando melhorar a produção não apenas dessa, mas de outras espécies agrícolas, e conseqüentemente reduzir as perdas na agricultura", diz, contando que toda a estrutura exigida ao envio do material já está pronto, incluindo os testes de qualificação. "Estamos apenas aguardando o lançamento, previsto para o ano que vem", espera. Em relação à Estação Espacial, continuou a pesquisadora, o Brasil está negociando parceria com a Rússia e não há previsão acerca da missão.

Calor

A pesquisadora, pós-doutora em genética, é responsável pelo monitoramento do Laboratório de Transformação de Plantas, onde exemplares de cana-de-açúcar foram submetidos ao calor e, no momento, o grupo, composto de cinco pesquisadores e dois alunos-bolsitas, observa o comportamento genético sob a condição da seca. Os resultados das experiências só serão possíveis em meados de 2010, mas as observações listarão genes ativados e reprimidos em cada condição. "Até os resultados negativos são importantíssimos", diz.


Fonte: Site do Jornal Diário de Natal Online - DN Online

Comentário: Pelo que essa matéria diz, parece que esse experimento do INEspaço/UFRN esta marcado para voar na próxima missão do foguete VSB-30 no Brasil, que já foi abordada aqui no blog (veja a nota CLBI Realiza Reunião para Definir Operação Maracati II) e que pelo visto ficou para o ano que vem. Já quanto à outra missão do experimento para a Estação Espacial Internacional, também citada na matéria, tal qual a primeira foram previstas pelo terceiro AO (Anuncio de Oportunidade) da AEB. Espera-se uma definição para logo das datas de lançamento de ambas as missões, já que o blog acredita que será necessário lançar um quarto AO em breve, visando assim selecionar novos experimentos, caso venha se confirmar o vôo da SARA Suborbital em 2010.

Comentários

  1. Como anda o processo de industrialização do VSB-30 ?

    ResponderExcluir
  2. Olá Ramir!

    Veja bem, o foguete VSB-30 após uma série de sete lançamentos bem sucedidos, sendo dois em território brasileiro e cinco na Suécia foi certificado em agosto desse ano pela Agência Espacial Sueca (veja aqui no blog a nota Agência Espacial Sueca Certifica o VSB-30 Brasileiro) como um produto apto para ser utilizado pelo Programa Europeu de Microgravidade (PEM).

    Em outubro, (veja aqui a nota VSB-30 é Certificado em Evento em São José dos Campos) o foguete recebeu a certificação do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI) o que possibilitará a sua industrialização. No entanto Ramir, esse processo é lento e ainda levará algum tempo para que o mesmo venha se tornar uma realidade.

    Abs

    Duda Falcão

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial