Satélite OT Irá Ajudar Brasil, Portugal e Moçambique


Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (23/11) no site do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) destacando que o Brasil irá junto com Portugal e Moçambique desenvolver um sistema de informação suportado por imagens de observação da Terra, que permita às autoridades dos três países quantificarem e monitorizarem o processo de desertificação.

Duda Falcão

Brasil, Portugal e Moçambique
Vão Monitorar Desertificação Via Satélite

23/11/2009 - 08:25

Desenvolver um sistema de informação suportado por imagens de observação da Terra, que permita às autoridades brasileiras, portuguesas e moçambicanas quantificar e monitorizar o processo de desertificação, auxiliando-as na produção de dados críticos para reportar no âmbito da United Nations Convention to Combat Desertification(UNCCD). Este é o objetivo do Desertwatch, um projeto financiado pela Agência Espacial Européia (ESA – Sigla em Inglês).

A implantação do projeto junto ao Brasil, Portugal e Moçambique será discutida em um workshop, que começa hoje (23) e vai até quarta-feira (25), no Instituto Nacional do Semiárido (Insa/MCT), em Campina Grande (PB).

O evento é promovido pelo Programa Nacional de Combate à Desertificação (PAN-Brasil), do Ministério do Meio Ambiente (MMA), e tem a participação do Instituto Geográfico Português e Instituto Superior Técnico (Portugal), MMA, Insa, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCT), Agência Nacional de Águas (ANA), Embrapa Semiárido (CPATSA) e do Ponto Focal da Paraíba.

Segundo o coordenador do PAN-Brasil, José Roberto de Lima, a intenção é desenvolver um conjunto de cadeias de processamento que permita produzir cartografia atualizada da Ocupação das terras nos ambientes áridos, semiáridos e sub-úmidos secos dos países envolvidos e consolidar os Indicadores mais expressivos dos processos de Desertificação. O objetivo final do projeto é obter uma ferramenta informática que possa ser utilizada pelos três países para atualizar todas as informações relativas a esses processos.

“Este trabalho será desenvolvido de acordo com os requisitos dos diferentes utilizadores, possibilitando, por meio de imagens de satélite e informações georreferenciadas, importante base de conhecimentos para combater a desertificação. Vale ressaltar que as novas tecnologias de detecção remota, em particular os Sistemas de Observação da Terra e metodologias de integração de informação, têm um papel fundamental nesse processo”, explica.

Juntamente com a ferramenta informática, será entregue um conjunto de mapas em formatos digital e impresso, com a ocupação das terras e indicadores de desertificação produzidos para os três países.

Em Tempo

De acordo com a UNCCD, a desertificação é definida como a degradação das terras em zonas áridas, semiáridas e sub-úmidas secas, resultantes de vários fatores, incluindo as variações climáticas e atividades humanas. A utilização de satélites de Observação da Terra (OT) representa uma técnica poderosa e pouco onerosa para suporte à monitorização e combate aos processos de desertificação, permitindo avaliar a dinâmica e as alterações de ocupação que levam a este desgaste.

Nas últimas décadas, a OT tem sido aplicada extensivamente em diferentes escalas, uma vez que favorece a disponibilização de levantamentos espacialmente contínuos e atualizáveis periodicamente.


Fonte: Site do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT)

Comentário: Um grande exemplo de como a tecnologia espacial pode ser benéfica para sociedade brasileira e para humanidade. É inadmissível a falta de informação da classe política brasileira quanto à importância no mundo de hoje de se investir na tecnologia espacial. Os exemplos através do mundo são incontáveis e mesmo na época da internet nossos políticos continuam sem entender o erro estratégico que estão cometendo em não apoiar com os recursos necessários o Programa Espacial Brasileiro. Lamentável!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial