Propulsão e Energia Nuclear no Espaço


Segue abaixo uma nota publicada no site do CTA - Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial em 12/05/2008 abordando as pesquisas que estão sendo realizadas pelo IEAv - Instituto de Estudos Avançados na área de propulsão e energia nuclear para aplicações espaciais.

Duda Falcão

IEAv PESQUISA PROPULSÃO E ENERGIA NUCLEAR NO ESPAÇO

12/05/2008

O Instituto de Estudos Avançados (IEAv), do CTA, está empenhado em pesquisas preliminares acerca da tecnologia nuclear com aplicações espaciais como propulsão, produção de energia elétrica e calor. A pesquisa - batizada com o nome Programa Terra: Tecnologia de Reatores Rápidos Avançados - tem como objetivo principal possibilitar o desenvolvimento de navegação autônoma no espaço, utilizando naves impulsionadas por meio de Energia Nuclear.

Segundo o doutor Lamartine Guimarães, pesquisador responsável pelo estudo, a propulsão nuclear é capaz, teoricamente, de proporcionar velocidades muito maiores que as outras formas de propulsão espacial em uso atualmente, além de utilizar menos combustível e ter maior autonomia. Essa tecnologia é fundamental para garantir, no futuro, a participação do país no acesso às riquezas minerais ainda inexploradas no espaço.

Guimarães explica a importância da pesquisa, fazendo uma analogia: “Guardadas as devidas proporções, a propulsão nuclear no espaço é o equivalente de hoje ao que foi o motor a vapor frente à propulsão a vela, utilizada na época das primeiras grandes viagens marítimas”. Ele complementa: “Hoje sabemos lançar objetos no espaço de forma bastante artesanal. Com a propulsão nuclear, podemos reduzir tempo de viagem, escolher trajetórias mais convenientes para o elemento humano, enfim, determinar quando, como e por onde ir”.

Nesse estágio inicial das pesquisas, está sendo feito o acompanhamento do estado da arte na área de reatores para uso no espaço, sistemas de conversão e tipos de combustível. Com relação aos reatores, duas possibilidades estão sendo estudadas: uma delas é o redesenho de uma turbina do tipo Noelle 60290, utilizada em aeronaves Mirage (figura). A outra, consiste na adaptação de um motor térmico do tipo Stirling, fabricado pela Embrapa.



Redesenho da turbina Noelle 60290 para ciclo Brayton fechado

“Por enquanto, a pesquisa brasileira conta com um pequeno time de pesquisadores e com recursos limitados. Contudo, se o panorama se tornar favorável, poderemos elaborar em breve experimentos demonstrativos”, conclui Guimarães.

Comentário: A preocupação do IAEv em se manter atualizado com tecnologias espaciais de origem nuclear é bastante louvável e demonstra uma grande visão estratégica deste instituto e de seu administrador. O IAEv é menos conhecido (por parte do público) que os seus primos INPE e IAE dentro do Programa Espacial, mas tem uma importância bem significativa para o programa e para as pesquisas avançadas de ordem aeroespacial.

Comentários

  1. Como esta este projeto? Considero extremamente importante o desenvolvimento de tecnologia brasileira nesta área, o que me parece inadimissivel é que o povo brasileiro não dê a mesma importante, pelo menos aparentemente.

    ResponderExcluir
  2. Olá Templates!

    Não existe maiores informações sobre como anda esse "Projeto TERRA", desde que saiu essa notícia em maio de 2008. No entanto, acredito que o mesmo esteja ainda em fase embrionária.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. E foda, brasil gasta milhos, não finaliza quase nada com susso, os caras mal tem uma ideia de pesquisar ja noticiaaa, e não finaliza a pesquisa. porraaa o brasil tem capacidade só que tem muitos semvergonhas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial