CLA - Centro de Lançamento de Alcântara



Centro de Lançamento de Alcântara - CLA

Nas últimas décadas, o avanço nos setores tecnológicos, industrial e econômico restringiu a poucos paises a capacidade de colocar no espaço equipamentos altamente sofisticados de pesquisa, de coleta de dados, de telecomunicações, de sensoriamento remoto e de inúmeras outras aplicações.

Em 1979, por proposta da Comissão Brasileira de Atividades Espaciais - COBAE, o governo federal aprovou a realização da Missão Espacial Completa Brasileira - MECB, que visava a estabelecer competência no país para gerar, projetar, construir e operar um programa espacial completo, tanto na área de satélites e de veículos lançadores, como de centros de lançamentos.

Dentro MECB, coube ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, do Ministério de Ciência e Tecnologia, o desenvolvimento de satélites e do segmento de solo correspondente. E, coube à Aeronáutica a implantação do centro de lançamento e o desenvolvimento dos veículos lançadores de satélites. Foi designado o Centro Técnico Aeroespacial - CTA, sediado em São Jose dos Campos - SP, por intermédio do Instituto de Aeronáutica e Espaço - IAE, para conduzir o projeto desses veículos, em decorrência da capacitação obtida desde a década de 60, com o desenvolvimento de foguetes de sondagem.

Nos estudos da MECB, ficou evidenciado que o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno - CLBI, da Aeronáutica, situado na cidade de Natal - RN, apesar de possuir várias características vantajosas, experiência acumulada e qualidade comprovada, apresenta importantes restrições para lançamentos de veículos maiores, do porte do VLS-1 e superiores.

Em face disso, a Aeronáutica propôs ao governo federal a implantação de um novo centro de lançamento que atendesse às necessidades da MECB e com capacidade de crescimento para o futuro.

Após criteriosa avaliação dos possíveis locais, foi selecionada uma área na região de Alcântara - MA para abrigar todo o complexo de instalações e de sistemas do novo centro de lançamento.

Foi então criado o Grupo para Implantação do Centro de Lançamento de Alcântara - GICLA, em 1982, com a incumbência de gerenciar todas as atividades necessárias à implantação desse centro.

Sendo assim já em 01 de março de 1983, foi ativado o Núcleo do Centro de Lançamento de Alcântara - NUCLA, com finalidade de proporcionar o apoio logístico e de infra-estrutura local, assim como garantir segurança à realização dos trabalhos a serem desenvolvidos na área do futuro centro espacial do Brasil.

Após um período 6 anos de implantação foi realizada de 11 a 15 de dezembro de 1989 a Operação Pioneira, onde foram lançados 15 foguetes militares SBAT-70 e dois SBAT-152.

E finalmente em 21 de fevereiro de 1990 foi realizada a Operação Alcântara, onde foi lançado um foguete de sondagem Sonda II, dando início assim às operações do CLA.

Desde então várias operações foram realizadas no CLA, tais como:

Operação Guará - De 12 de agosto a 15 de outubro de 1994 em conjunto com a NASA, quando foram lançados 47 foguetes FFAR, 03 foguetes Super Loki, 20 foguetes Viper Dart, 04 foguetes Nike Orion, 04 foguetes Black Brant Vc, 04 foguetes Nike Tamahawk e um foguete Black Brant X.

Operação Ema - De 21 de maio a 10 de maio de 2001. Lançamento de sondas meteorológicas atavés de balões, quando houve uma intercomparação de radiossondagens dos sistemas VAISALA (Finlândia), INTERMET/GEOLINK (França), SIPPICAN (Estados Unidos) e Dr. GRAW (Alemanha) com a participação do INMET, CTA/ACA, Marinha Brasileira, DEPV, CINDACTA 1, HOBECO e LEX Internacional.

Operação Brasil - Lançamento em 02 de novembro de 1997 do o VLS-PT1 contendo a bordo o Satélite SCD-2A. o foguete teve de ser destruído a 65 segundos de vôo.

Operação Livramento - Lançamento com sucesso em 21 de março de 1998 do foguete de sondagem VS-40 que continha a bordo o experimento da empresa FOKKIR SPACE - Holandesa.

Operação Almenara - Lançamento em 11 de dezembro de 1999 do o VLS-PT2 contendo a bordo o Satélite SACI-2. o foguete teve de ser destruído a 3m33 segundos de vôo.

Operação Lençóis Maranhenses - Lançamento com sucesso em 06 de fevereiro de 2000 do foguete de sondagem VS-30 - XV05, o 5º vôo do foguete.

Operação Baronesa - Lançamento com sucesso em 21 de agosto de 2000 do foguete de sondagem VS-30/Orion - XV01, o 1º vôo do foguete.

Operação Pirapema - Lançamento com sucesso em 23 de novembro de 2002 do foguete de sondagem VS-30/Orion - XV02, o 2º vôo do foguete.

Operação Cumã - Lançamento com sucesso em 01 de dezembro de 2002 do foguete de sondagem VS-30 - V06, o 6º vôo do foguete.

Operação Cumã II - Essa operação foi realizada no período de 26 de junho a 19 de julho. Durante a operação foi feito o lançamento com sucesso em 19 de julho de 2007 do foguete de sondagem VSB-30 - V04, o 4º vôo do foguete.

Além disso, foi no CLA que aconteceu o acidente que matou os 21 técnicos brasileiros durante a realização da Operação São Luís do veículo lançador de satélites VLS-PT3. O foguete explodiu na plataforma de integração três dias antes do lançamento matando os técnicos e destruindo o satélite tecnológico SATEC-1 do INPE e o primeiro Satélite Universitário Brasileiro (nanossatélite) conhecido como UNOSAT - Undergraduate Orbital Student Satellite, que havia sido construído pelos estudantes da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná.

Fonte: Site do CLA

Comentário: A consolidação do Centro de Lançamento de Alcântara e extremamente importante para a implantação no país de um programa espacial de referencia tecnológica e de importância sócio econômica para a nossa sociedade. Infelizmente essa implantação não tem tido pelos poderes públicos e pelos órgãos reguladores a devida atenção e a devida competência para que esse projeto atinja finalmente um caminho que traga reais benefícios ao Programa Espacial Brasileiro. A AEB há poucos anos elaborou o projeto de criação do CEA - Centro Espacial de Alcântara que consistia na instalação numa área próxima do CLA de um centro tecnológico voltado para as atividades espaciais com a participação de universidades, institutos, empresas e da infra-estrutura necessária para a instalação do mesmo. Algo parecido com o Centro Espacial Kenedy em Cabo Canaveral, na Florida (EUA). Entretanto, devido a problemas de convivência (criados e não resolvidos por descaso ou por incompetência, desde o início da implantação do CLA pela Aeronáutica) com as comunidades quilombolas que habitavam a região há séculos e que orientadas por ONGs estrangeiras suspeitas ganharam na justiça grande parte da área que estava planejada para a instalação do CEA. Com isso, parece que o projeto do CEA foi inviabilizado definitivamente, apesar de não haver ainda uma posição da AEB ou do governo brasileiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial