Operação TEXUS 42 - EML-1


OPERAÇÃO TEXUS 42 - EML-1

Descrição da Campanha

Operação: Texus 42 -EML-1
Foguete: VSB-30 - VO2
Numero do vôo do foguete: 2
Data de lançamento: 01/12/2005
Horário: 09h04 (local)
Apogeu do vôo: 263 km
Local: Centro de Lançamento Esrange (Suécia)
Objetivo: Vôo de três experimentos europeus abordo da plataforma Texus 42.
Resultado: Sucesso Absoluto.

Carga Últil Embarcada
- Experimento TEM EML-1 (Electro Magnetic Levitator Experiment)
- Experimento TEM 06-24
- Capillary Channel Flow Experiment

Instituições Envolvidas
ESA - Agencia Espacial Européia
DLR - Centro Espacial Alemão
EADS-ST - Aeronautic Defence and Space Company - Space Transportation
SSC - Swedish Space Corporation
UU - University of Ulm (Alemanha)
ZARM Bremen (Alemanha)
AEB - Agência Espacial Brasileira
IAE - Instituto de Aeronáutica e Espaço
CLE - Centro de Lançamento de Esrange (Suécia)

Vídeo de Lançamento do VSB-30 de Esrange na Suécia
Essa missão nasceu de uma consulta do DLR ao CTA/IAE sobre a possibilidade de desenvolver um propulsor a ser utilizado como booster (motor de decolagem) para o veículo de sondagem VS-30, de forma a incrementar seu desempenho para o emprego no Programa Europeu de Microgravidade.

O veículo resultante dessa solicitação poderia substituir, de forma quase integral, o foguete britânico Skylark-7. Ou seja, entre outras vantagens do novo veículo, a substituição seria mais adequada que usando o foguete VS-30/Orion, devido ao maior desempenho do VSB-30.

Considerando que tal desenvolvimento era também de interesse para o Brasil, não somente pelo aspecto comercial, mas também pela possibilidade de emprego do foguete no Programa Brasileiro de Microgravidade, o CTA assumiu o compromisso de desenvolver o veículo completo em pareceria com o DLR-MORABA, em 2001.

O tempo de desenvolvimento foi um pouco maior que os anteriores devido à necessidade de se desenvolver um novo propulsor, de se aplicar técnicas modernas de gestão de projeto que permitissem a uma qualificação do veículo para uso da ESA, e execução de muitas outras atividades em paralelo.

O novo propulsor booster foi qualificado em solo em 2003 e o primeiro vôo de qualificação do VSB-30 ocorreu em 23 de outubro de 2004, no CLA - Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, durante a Operação Cajuana.

Finalmente o VSB-30, primeiro foguete brasileiro a ser qualificado pela Agência Espacial Européia (ESA), foi lançado de Esrange, na Suécia em 01 de dezembro de 2005. Esse foi o primeiro vôo do veículo, após a sua qualificação, realizada em 2004 no Centro de Lançamento de Alcântara.

O lançamento foi considerado perfeito, já que todos os eventos de vôo ocorreram exatamente da forma programada, com apogeu de 263 km, o que proporcionou que os experimentos embarcados permanecessem por 6 minutos e 37 segundos em ambiente de microgravidade.

Os três experimentos de interesse do Centro Espacial Alemão (DLR) e da ESA, também foram realizados com êxito, o que deixou os cientistas europeus entusiasmados e agradecidos pelo excelente trabalho das equipes do IAE.

Por se tratar do primeiro vôo operacional desse veículo partindo de solo europeu, a ESA requisitou a presença de uma equipe brasileira, composta por 16 especialistas, para coordenar a integração do foguete e realizar os testes finais antes do lançamento. O desafio encontrado pelos engenheiros e técnicos do IAE foi muito grande, pois o campo de lançamento de Esrange tem uma estruturação totalmente diferente dos demais centros onde as equipes já trabalharam. Além disso, as condições climáticas são totalmente adversas, tendo as equipes do IAE enfrentado um frio de até 30 graus abaixo de zero.

Todas essas condições serviram para ratificar a competência e dedicação da equipe do CTA, e representam o coroamento do primeiro projeto desenvolvido pelo IAE e qualificado pela ESA para ser usado comercialmente em vôos na Europa.

Relatório - A competência brasileira esta evidenciada no relatório que a ESA produziu por ocasião de suas visitas as instalações do IAE. Nele, os visitantes destacam “que deve ser agradável trabalhar no CTA... Em geral, outras organizações desse tipo voltam-se à pesquisa e desenvolvimento, sem a existência de foguetes operacionais, ou, então, à fabricação de foguetes, lançadores e mísseis. Do ponto de vista de um engenheiro, o CTA/IAE é uma mistura ideal de tudo isso, ou seja, pesquisa, desenvolvimento e fabricação”. Outra conclusão, considerada “bastante interessante” no relatório, diz que “uma vez que o Brasil não contou com muita ajuda de países estrangeiros, os brasileiros desenvolveram tecnologia própria, adotando soluções de engenharia distintas daquelas comumente adotadas nos EUA e na Europa. Algumas delas, inclusive, são preferíveis à aquelas adotadas nos EUA e Europa. Portanto, a visita foi bastante útil, não somente para obtermos total confiança no VSB-30, mas também para que pudéssemos corrigir e ampliar os nosso conhecimentos sobre o Brasil.

VSB-30 - O VSB-30 é composto por dois propulsores, um S-31 como o primeiro estágio e um S-30 como segundo estágio, ambos brasileiros, e é um foguete de sondagem destinado a realizar experimentos em ambiente de microgravidade. O veículo deverá substituir o foguete britânico Skylark-7, que não esta mais disponível no mercado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes