sábado, 2 de maio de 2009

Operação Flamingo



Foguete VLS na plataforma de lançamento

O programa do Veículo Lançador de Satélites - VLS teve seu o desenvolvimento dado seqüência em diversas ações pelo IAE - Instituto de Aeronáutica e Espaço no ano de 2008 e no ícicio desse ano, visando o teste de vôo marcado para o final de 2010. Esse vôo que foi intitulado de VLS-1 XVT 01, será um vôo tecnológico que levará uma quantidade significativa de sensores, além de sistemas de telemetria para a transmissão dos dados. O veículo nesse vôo terá somente os dois primeiros estágios ativos, para ensaio de medidas em vôo dos ambientes de temperatura, acústico e de vibração.

Ano passado, varias ações foram tomadas pelo IAE para que esse vôo venha ocorrer na data prevista. A primeira delas ocorreu com o sucesso obtido no ensaio do Motor foguete S43 na chamada Operação Flamingo em 20 de outubro. (veja o vídeo abaixo).



Vídeo do teste do motor S43

A queima do motor S43 que ocorreu a partir das 16h13min (com tempo de queima de propelente de 57 segundos), aconteceu no banco de provas horizontal da Usina Coronel Abner (UCA), de capacidade de 1000kN e envolveu 24 equipes e um total de 93 pessoas nos 55 dias de atividades de preparação. Esse ensaio teve como objetivo avaliar as modificações realizadas na tampa dianteira do motor, denominada domo, região de fechamento perto do ignitor. As alterações realizadas na proteção térmica flexível do domo causam, por conseqüência natural, alterações no bloco de propelente, tornando o espaço entre propelente e ignitor maior e, por isso, a necessidade em avaliar também a geometria desse bloco. Com a Operação Flamingo, cumpre-se a etapa de realização do ensaio de queima em banco de provas, com sucesso total e obtenção de todas as 102 medições de pressão, empuxo, temperaturas, fluxo térmico, acústica, vibração e deformação, previstas em sua programação.

Já em 30 de dezembro foram assinadas diversas cartas-contratos com diversas instituições para o desenvolvimento de várias partes do VLS e em 26 de fevereiro desse ano, foi assinado entre o IAE e o consórcio Jaraguá/Lavitta o termo aditivo ao contrato da obra de construção da nova plataforma de lançamento do VLS. No entanto, não foi divulgado qual seria o teor desse termo aditivo assinado em complemento ao contrato de 2005.

Duda Falcão

Comentário: O desenvolvimento do VLS é de suma importância para o Programa Espacial Brasileiro. Não só pelo gol que alcançaremos com o conhecimento tecnológico adquirido na área de lançadores de satélites, mas também devido à necessidade de um meio de acesso ao espaço para viabilizar o lançamento dos micros e pequenos satélites em desenvolvimento no Programa Espacial.

2 comentários:

  1. Eu não consigo entender o governo desse país? Como pode, uma tecnologia estratégica como essa, não ter recursos finaceiros suficiente!
    E uma falta de patriotismo,entra governo sai governo e nada muda, até a India e Coreia do Norte, já passou a frente do Brasil! Sem falar naquela comunidade, que pra mim é bando de vagabundos, chamados Quilombolas que tambem tem participação no atraso do processo tecnológico do nosso Brasil

    ResponderExcluir
  2. Pois é Wantemberg, é falta de visão, de brasilidade e de interesses outros não tão nobres. No entanto amigo, temos de ter muito cuidado para não interpretar as coisas de forma errada. O caso dos Quilombolas não é bem assim. A culpa não é das comunidades, na realidade a culpa é do governo, pois desde que a base de Alcântara foi instalada no inicio da década de 80, nem a Aeronáutica e nem o governo cumpriu as promessas que foram feitas as comunidades, ou seja, eles estão com receio da mesma maneira que nós não confiamos no governo. Quando a Aeronáutica chegou lá essa gente tinha uma vida simples mais de boa qualidade vivendo da pesca e foram feitas promessas mirabolantes que não foram cumpridas até hoje. Usamos como o exemplo a Base de Kourou, na Guiana Francesa. Quando o governo Francês chegou lá, fez da mesma forma diversas promessas e diferentemente do Brasil cumpriu todas e hoje Kourou e suas comunidades vivem harmoniosamente, sem falar no crescimento econômico de toda região. Tá ok amigo?

    Forte abraço

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir