Missão na França Fortalece Parcerias Entre Agências Espaciais de Diversos Países

Olá leitor!

Segue abaixo a nota oficial postada ontem (12/07) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que Missão realizada recentemente na França fortalece parcerias entre agências espaciais de diversos países.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

Missão na França Fortalece Parcerias Entre Agências Espaciais de Diversos Países

Coordenação de Comunicação Social – CCS
Publicado em: 12/07/2019 - 17h05
Última modificação: 12/07/2019 - 17h26


O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Carlos Moura, e o diretor de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento da AEB, Paulo Barros, participaram de 12 a 22 de junho, de uma missão na França, onde acompanharam várias atividades na área espacial. Eles também se reuniram com profissionais de agências espaciais da França e de outros países com o intuito de fortalecer e firmar novas parcerias, além de discutir o andamento de projetos na área espacial.

Ao lado do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, os representantes da AEB estiveram presentes na Paris Air Show, maior feira do setor aeronáutico do mundo. O evento acontece sempre no mês de junho, e apresenta o que há de mais moderno na área de ciência e tecnologia.

No encontro, o presidente da AEB, Carlos Moura, o presidente do Centro Nacional de Estudos Espaciais da França (CNES), Jean-Yves Le Gall, e representantes de cerca de 20 países assinaram uma declaração de interesses, com o objetivo de permitir a troca de dados para mitigar ou evitar impactos causados pelas mudanças climáticas.

Para o presidente da AEB, Carlos Moura, essa é uma oportunidade de os países se unirem para compartilhar informações e entender o que acontece com o clima, não apenas do nosso país, pois o clima não tem fronteiras, mas também nas regiões do Atlântico Sul, Amazônia e América do Sul.  Isso é bastante relevante para o nosso entorno e para todo o mundo.

“Essa parceria é uma oportunidade de estreitar os laços entre os dois países em assuntos aeroespaciais, como também prevê a cooperação para o intercâmbio de projetos, até mesmo iniciativas que irão beneficiar o Centro Espacial de Alcântara, no Maranhão, se o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas com os Estados Unidos for aprovado no Congresso Nacional”, afirmou o diretor Paulo Barros.

O CNES e a Agência Espacial Alemã (DLR) propuseram aos representantes da AEB a continuidade das parcerias, a reserva para participar de eventos no Brasil, o estabelecimento de novos acordos, desenvolvimento de projetos em new space e programas destinados à educação de jovens na área espacial.

Visitas Técnicas

O encontro possibilitou ainda visitas a indústrias e ao Centro Espacial de Toulouse, o que permitiu a exploração de possibilidades benéficas para ambos os países. Carlos Moura e Paulo Barros estiveram presentes nas instalações da sede da Airbus, em Toulouse, onde receberam informações sobre as quatro áreas de atuação da empresa, aeronaves militares, sistemas espaciais, comunicação, inteligência e segurança e sistemas aéreos não tripulados.

Também fez parte do cronograma da missão visita às instalações da Thales Alenia Space, que produziu o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC-1), que hoje atende necessidades de comunicação segura para o governo brasileiro, assim como o Programa Nacional de Banda Larga. Eles aproveitaram ainda, a oportunidade para discutir os projetos espaciais e o contrato para transferência de tecnologia que capacitará o Brasil na projeção de instrumentos óticos para satélites de Observação da Terra.

A missão foi bastante produtiva pelos contatos estabelecidos e pela identificação de futuras parcerias, não apenas na parte de transferência de tecnologia, mas sobretudo no desenvolvimento de projetos em conjunto. Observa-se que o Brasil continua sendo visto como um grande demandante de serviços espaciais, com infraestrutura e competências para atuar proativamente na pesquisa, desenvolvimento e indústria espacial.

Além dos possíveis acordos, o presidente da AEB, Carlos Moura, e o diretor de Satélites, Paulo Barros, observaram o potencial das empresas, a evolução nas linhas de produção para atender à demanda do new space e o estado da arte em satélites de pequeno e grande portes, e também a busca de alternativas para capacitar a mão de obra brasileira.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Bom leitor, no que diz respeito ao que selecionamos em amarelo no texto acima, me parece algo de realmente positivo. Isto é, desde que erros cometidos anteriormente não voltem acontecer, como ocorreu no caso do VLM-1, onde infelizmente e estupidamente entregamos o controle do projeto aos alemães. Toda parceria para ser positiva tem de beneficiar ambos os lados, se não, perde o sentido e deixa de ser uma parceria. No caso do VLM-1, por exemplo, o Governo Petralha e seus gestores de merda se superaram, pois perderam (ou entregaram em troca de algo - Presidente Bolsonaro, abra a caixa preta da AEB) o controle de um projeto que era brasileiro, e onde os alemães participariam apenas como convidados, já que tínhamos no país toda tecnologia necessária para o desenvolvimento do veículo de forma autônoma, e agora o projeto não é mais IAE/DLR e sim DLR/IAE. A nova diretória da AEB precisa ficar atenta a isso, e quando for negociar está aparada por profissionais realmente sérios, preparados e comprometidos como o setor e o país, mas até onde sei, infelizmente ainda existem servidores na agencia que estão bem longe de possuir essas qualificações. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial