O Governo DILMA Mais Uma Vez Boicota o PEB - Veja o Orçamento de 2014

Olá leitor!

O desastroso Governo DILMA ROUSSEFF aprovou no Congresso recentemente o seu “Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA)” para o ano de 2014, e divulgou para o cidadão o documento “Orçamento Federal ao Alcance de Todos (OFAT 2014)” que é um documento que contêm a síntese das informações apresentadas neste projeto de lei. (veja aqui)

Abaixo trago para vocês o vergonhoso e desastroso orçamento que esses energúmenos elaboraram para o patinho feio do MCTI.

PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL (PLOA)
Programa Espacial Brasileiro

Plano Orçamentário
Plano Orçamentário (descrição)
Agregador
Agregador
(descrição)
Proposta
198-0001
24205.2106.2000.0001 - Capacitação de Servidores Públicos Federais em Processo de Qualificação e Requalificação
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
300.000,00
199-0002
24205.2106.2000.0002 - Outras Despesas Administrativas
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
15.739.629,00
205-0001
24205.2056.20UZ.0001 - Operação e Atualização do Laboratório de Integração e Testes
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
3.807.332,00
206-0004
24205.2056.20UZ.0004 - Funcionamento e Atualização da Infraestrutura de Apoio a Veículos Espaciais
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
18.769.860,00
207-0005
24205.2056.20UZ.0005 - Implantação e Operação do Sistema de Metrologia, Normalização e Certificação para a Área Espacial
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
2.000.000,00
208-0006
24205.2056.20UZ.0006 - Rastreio e Controle de Satélites
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
1.800.000,00
209-0007
24205.2056.20UZ.0007 - Recepção, Processamento, Armazenamento e Distribuição de Dados de Satélites
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
6.783.000,00
210-0001
24205.2056.20VO.0001 - Desenvolvimento e Lançamento de Foguetes Suborbitais
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
2.695.000,00
211-0002
24205.2056.20VO.0002 - Desenvolvimento e Lançamento de Veículos Lançadores de Satélites da Série VLS
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
15.558.078,00
212-0003
24205.2056.20VO.0003 - Desenvolvimento e Lançamento do Veículo Lançador de Microssatélites VLM-1
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
10.000.000,00
213-0001
24205.2056.20VB.0001 - Apoio a Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento de Tecnologias Críticas para o Setor Espacial
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
5.844.000,00
214-0002
24205.2056.20VB.0002 - Desenvolvimento e Lançamento de Satélites Tecnológicos de Pequeno Porte
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
4.000.000,00
215-0003
24205.2056.20VB.0003 - Desenvolvimento de Produtos e Processos para Componentes, Equipamentos e Subsistemas de Satélites
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
5.461.000,00
216-0004
24205.2056.20VB.0004 - Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Associadas a Veículos Espaciais
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
7.700.000,00
217-0007
24205.2056.20VB.0007 - Desenvolvimento de Competências e Capital Humano para o Setor Espacial
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
1.922.000,00
218-0008
24205.2056.20VB.0008 - Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Centro Brasileiro de Previsão do Clima Espacial
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
3.000.000,00
219-0009
24205.2056.20VB.0009 - Pesquisa e Desenvolvimento em Aeronomia, Astrofísica e Geofísica Espacial
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
5.000.000,00
220-000A
24205.2056.20VB.000A - Pesquisa, Aplicações e Desenvolvimento Tecnológico em Observação da Terra
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
2.545.000,00
221-0002
24205.2056.20VC.0002 - Desenvolvimento do Satélite Lattes
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
4.461.000,00
222-0005
24205.2056.20VC.0005 - Desenvolvimento dos Satélites da Série Amazônia
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
43.549.500,00
223-0007
24205.2056.20VC.0007 - Desenvolvimento dos Satélites Sino-Brasileiros - Programa CBERS
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
39.211.098,00
224-0008
24205.2056.20VC.0008 - Desenvolvimento da Missão SABIA-Mar
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
200.000,00
225-0009
24205.2056.20VC.0009 - Concepção e Análise de Viabilidade de Novas Missões Espaciais Alinhadas com o PNAE
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
4.261.000,00
226-000A
24205.2056.20VC.000A – Modernização do Sistema de Coleta de Dados Hidrometeorológicos (SCD-Hidro)
228
228 - Programa Espacial Brasileiro
200.000,00

Total
204.807.497,00

Vale dizer também que eles aprovaram dois orçamentos para Alcântara que eu não sei dizer com certeza se são ou não são relacionados com o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA). Veja abaixo.

Plano Orçamentário
Plano Orçamentário (descrição)
Agregador
Agregador
(descrição)
Proposta
140-0000
24101.2056.0B18.0000 - Valor não detalhado
291
291 - Alcântara
50.000.000,00
227-0000
24205.2056.7F40.0000 - Valor não detalhado
291
291 - Alcântara
90.699.455.00

Total
140.699.455,00

Pois é leitor, se somarmos os dois valores isso daria R$ 345.506.952,00, ou seja, para efeito de comparação, os R$ 550 milhões que esse governo inconsequente colocou somente na “Arena Fonte Nova” aqui em Salvador, pagariam todo o orçamento do PEB no ano de 2014 e ainda teria troco. Este caro leitor é infelizmente a realidade de nosso Programa Espacial enquanto perdurar no governo gente como esses energúmenos que infestam a classe política do país em todos os níveis de governo.

Peço a você, amante do PEB, profissional do setor e brasileiros de verdade que participem expondo aqui seu comentário sobre o que você acha de mais esse boicote irresponsável ao nosso programa espacial protagonizado pela trupe dessa presidentA petista inconsequente e populista.

Duda Falcão


Comentários

  1. Já era previsto, e sabíamos que com o "sucesso" da gestão econômica em 2013 isso iria acontecer. Sem contar que o setor espacial é um patinho para o nosso governo.

    Nós investindo menos de 100'000'000 de dólares no nosso programa espacial... Até a Coreia do Sul (um país minúsculo) nos ganha em termos de valor investido no seu programa.

    Investiu praticamente o mesmo (talvez até menos) do que no ano passado, se levarmos a desvalorização da nossa moeda e tudo o mais.

    E aí, alguém animado para votar novamente neste governo para o próximo ano?

    ResponderExcluir
  2. Duda, não me irei admirar se esses valores incógnitos forem para o projeto do ACS. Mas vejamos mesmo se irão totalmente para o Cyclone-4 ou se servirá para outras obras importantes em Alcântara. Mas saber que os recursos para desenvolvimento de tecnologia espacial serão apenas cerca de 88'000'000 de dólares é frustrante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Israel!

      Eu creio que possa ser relacionado com as obras do próprio CLA, mas não descarto a possibilidade que possa ser para as obras da ACS, afinal, desses imbecis a gente pode esperar qualquer coisa.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  3. Em vésperas de ano eleitoral (claro), mas uma boa notícia. Os suecos foram escolhidos como parceiros do programa FX-2, como foi aconselhado a um tempo atrás pelos militares.

    Estava quase certo que seriam novamente os franceses (que já abocanharam acordos com submarinos, helicópteros, e com o satélite geoestacionário).

    Eis a notícia:

    Dilma toma decisão sobre os caças: comprará o Gripen da Suécia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Israel, infelizmente, com dez anos de atraso, essa talves não fosse a melhor opção para o país hoje. Se não vejamos: o Grippen foi oferecido ao Brasil pela primeira vez no ano 2000. De lá pra cá muita coisa mudou, tanto no âmbito da tecnologia quanto na economia. A Saab, já não é mais a mesma, e as turbinas agora são americanas, e dificilmente serão produzidas sob licença por aqui. A empresa Sueca também passou por dificuldades econômicas e teve que dividir o projeto com a British Aerospace.

      O alcance do Grippen não cobre todo o nosso território. Já os caças de russos que a Venezuela comprou cobrem com facilidade toda a parte Norte da América do Sul, incluindo todo o Brasil. Para nossa sorte, eles não devem ter grana para fazê-los voar.

      Como se vê, orçamentos ridículos e decisões erradas são tomadas de forma muito "democrática" nas áreas "estratégicas" por aqui.

      #TENSO

      Excluir
    2. A VEJA está lamentando que a proposta dos americanos não tenha sido aceita. Parece que os russos perderam a vez por não terem atendido aos requisitos do programa.

      Apesar de aparentemente não ser a melhor escolha, sabendo que temos a Embraer, creio que esse projeto do Gripen (que na verdade ainda está em desenvolvimento) pode servir de impulso para o Brasil ganhar mais independência no que diz respeito a construção desse tipo de avião, que afinal será feito juntamente com a Suécia (e até poderá ser consertado por técnicos brasileiros).

      Apesar de muitos não estarem felizes com a escolha, o fato é que o perfil do caça adequa-se mais ao contexto da FAB em alguns aspetos:

      1) É o que menos gasta combustível dos três
      2) Partes essenciais do conhecimento tecnológico do avião passarão para o Brasil, e acho que é bem mais fácil conseguirmos aprovação conjunta do governo sueco do que do governo norte-americano.
      3) A Saab foi a que mais arriscou, e antes de todas as outras instalou fabricas aqui e assumiu acordos com o Ciência sem Fronteiras e com universidades.
      4) Como temos poucos acordos com a Suécia a nível militar isso nivela um pouco as coisas, visto que já temos uma quantidade enorme de tratados com a França e os EUA.
      5) É o caça sueco é o mais pequeno deles, e está sendo construído uma versão para porta-aviões.

      As desvantagens que conheço seriam estas:

      1) O avião americano teria já a sua tecnologia completamente desenvolvida, e era a opção da aeronáutica (estão dizendo que só não foi escolhido por causa do escândalo recente sobre a espionagem)
      2) As turbinas do avião não são suecas, bem como outras peças, o que até pode causar-nos algum tipo de problema (apesar do ministro Amorim dizer que a turbina não é o "coração" do caça).
      3) O programa não estava atualizado, e este já remonta de 2009. Podemos ter feito uma escolha que não é obrigatoriamente a mais moderna.

      Mas fico feliz que finalmente a aeronáutica terá a sua frota modernizada, e se a colaboração for bem sucedida poderíamos investir no desenvolvimento do avião procurando torna-lo ainda mais competitivo do que já é. Mas enfim, vejamos o que vão dizer os militares. Aquele tratado com a Rússia, para comprar as baterias antiaéreas (que a principio pareceu bastante positivo) concluiu-se afinal que não foi um negocio tão bom.

      Excluir
  4. Quase tive um AVC de tanta raiva de tive ao ler a comparação: então, um estádio vale mais do que um ano inteiro do programa espacial?!

    Ou os camaradas (empresas e indivíduos) que trabalham no setor pressionam para que seja dedicada a devida atenção ao PEB ou já passou da hora de protestarmos para o fim deste torra-torra de dinheiro sem nenhum objetivo alcançado.

    No fim, devido ao baixo orçamento dedicado, o que tem-se feito é jogar dinheiro fora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gente, a Copa no Brasil já está custando mais que as duas últimas copas. JUNTAS !

      Excluir
  5. Se vocês pensam que isso é ruim, preparem-se para ficar pior.

    Como a Aeronáutica vem abrindo muitas frentes, agora com o anúncio da escolha dos caças Gripen, começa um período de negociação entre o nosso "governo" e a Aeronáutica para ver como eles vão desembolsar os US$ 4,5 bilhões. Como na verdade, a função constitucional da Aeronáutica é ser o braço armado do país no ar e cuidar da sua defesa, adivinhem onde vão ficar as prioridades dos projetos de veículos lançadores.

    Quando eu digo que hoje em dia, o envolvimento da Aeronáutica no programa espacial é na verdade um entrave em vários aspectos, alguns não me entendem. Tenho o maior respeito pela instituição (da qual sou particularmente entusiasta) e o maior respeito sobre a história dela no nosso programa espacial, mas hoje em dia, esse deveria ser um dos pontos a mudar urgentemente no nosso PEB (em minha opinião, claro).

    Gripen para o Brasil

    ResponderExcluir
  6. Publicam esse orçamento pífio e ainda por cima com itens de mais de R$ 140 milhões identificados como: "Valor não detalhado". É brincadeira...

    Ou seja, eles podem gastar isso como bem entenderem. E o pessoal "de dentro", aceita "na boa" !!!

    Cadê o meu kit palhaço?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial